Notícias

Escritora explica diferença entre o processo criativo de obras literárias e de cunho formativo

A seguir, a autora, responsável pela coluna Bendita Leitura do comshalom, explica a diferença entre o processo de concepção de suas obras.

Foto: Pexels

Ana Paula Gomes é formada em Direito e atualmente faz especialização em Escrita Literária. Consagrada na Comunidade de Vida Shalom, a missionária usa o dom da escrita para evangelizar. Nos últimos dois anos, ela publicou, pela Edições Shalom, obras de caráter formativo (Como Perdoar e Como Evangelizar no Poder do Espírito) e literário (Tempo de Paz). A seguir, a autora, responsável pela coluna Bendita Leitura do comshalom, explica a diferença entre o processo de concepção de suas obras.

A escrita literária e o conteúdo formativo

As duas escritas precisam de um bom conhecimento da língua na qual se está escrevendo e tempo de pesquisa sobre o tema escolhido, porém, o conteúdo formativo possui linguagem, abordagem e metodologia completamente diferentes da escrita literária. O conteúdo formativo é mais “seco”, requer uma formalidade e o uso de linguagem específica. Geralmente, tem uma forma padronizada e visa alcançar um objetivo específico, para um público específico.

A narrativa literária requer ir além da forma. Há as famosas “licenças poéticas”, que são uma forma de dizer que, ao autor de escrita literária, tudo é permitido, inclusive, utilizar a gramática da forma que ele bem entender. Quando um autor escreve literatura, que é uma forma de arte, não pode ter a intenção de produzir este ou aquele sentimento no leitor, pois cada um receberá sua história de um ponto de vista diferente.

Por exemplo, ao escrever uma poesia sobre a amizade, determinado leitor pode interpretar que o autor falava sobre esperança ou outro tema. A escrita literária também possui suas técnicas e pode ser aprimorada, entretanto, não é como um texto acadêmico, pois não é objetiva ou tem uma fórmula específica ou até uma lógica temporal e narrativa, porque é, sobretudo, arte, portanto, é completamente subjetiva.

A missão de evangelizar através dos livros

Percebo a evangelização através dos livros como uma missão. Sempre gostei de ler e lembro que escrevia alguma coisa na infância, gostava de fazer histórias em quadrinhos. Já na adolescência, escrevi alguns poemas que se perderam junto com uma conta de e-mail antiga. Entretanto, descobri a escrita como essa via de transmissão do bem, da verdade e da beleza, durante a minha oração pessoal, em 2015.

Certo dia, na manhã de oração, pedi a Deus que me mostrasse uma forma de evangelizar os jovens de uma maneira diferente. De repente, a história do Tempo de Paz veio inteira na minha cabeça, pelo menos o começo, o fim e o lance sobre o tempo, de Eclesiastes, capítulo 3. A forma como os fatos foram acontecendo fui desenvolvendo na escrita, gastando tempo em frente ao computador, mas a inspiração veio de Deus naquela manhã, com certeza.

Quando as pessoas me mandam mensagens pelas redes sociais ou vêm falar pessoalmente comigo, dizendo que a história mexeu com elas e as fez ter uma grande experiência com a providência divina, fico feliz por ter sido canal dessa graça, sabendo que todo dom vem de Deus e por Ele frutifica.

Leia também

Bendita Leitura: Como Perdoar

Bendita Leitura: Como Evangelizar no Poder do Espírito

Bendita Leitura: Tempo de Paz


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *