Formação

Eucaristia

comshalom

A Eucaristia é realidade permanente enquanto sacramento, na Hóstia, na Comunhão, no sacrário (A hóstia depois de consagrada é sempre o Corpo de Cristo, é verdadeiramente Cristo que permanece ali. Não só no momento da consagração, mas enquanto ela existir, enquanto não for consumida). E é realidade transitória enquanto sacrifício, na Missa, no momento da consagração (o sacrifício acontece na consagração, Cristo que se oferece ao Pai).

O Sacramento onde Cristo Se dá a nós, tem por fim primário a santificação do homem. O sacrifício, onde Cristo Se oferece a Deus como oblação, tem como fim primeiro a glorificação de Deus.
No sacrifício uma vítima é oferecida para dar testemunho do domínio de Deus. A vítima é totalmente oferecida a Deus, quem oferta se priva deste bem em honra Dele. Na Antiga Aliança com os sacrifícios que o povo de Deus fazia no templo se prefigura o sacrifício de Jesus em sua morte de Cruz.

O sacrifício de Jesus é único. Não se repete. Na missa nós o atualizamos, fazemos presente o mesmo e único momento da paixão, morte e ressurreição de Jesus. A Eucaristia torna presente o sacrifício da Cruz.
A Eucaristia é o próprio Corpo de Cristo e nós somos, pelo nosso batismo, seu corpo místico, ao ser este corpo apresentado ao Pai em sacrifício, nós também estamos sendo oferecidos, com Jesus, ao Pai em sacrifício por toda a humanidade.

A Missa
“A missa é ao mesmo tempo memorial do sacrifício de Cristo e banquete sagrado da Comunhão do Corpo e Sangue do Senhor” ( CIC n. 1382). A missa tem uma estrutura que se conservou desde os primeiros séculos. E são basicamente dois momentos fortes: A Liturgia da Palavra e a Liturgia Eucarística.

Desde o início da Missa, são os fiéis convidados a participar dos “sagrados mistérios”, e para se tornarem menos indignos são exortados a reconhecer as próprias culpas. Conclui o sacerdote: “Deus onipotente e misericordioso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna”. Eis a preparação mais adequada para a celebração eucarística prestes a se iniciar e, também, seu dom antecipado “porque todas as vezes que celebramos… este sacrifício, cumpre-se a obra de nossa redenção” (MR II dom. T. C.).

Em todas as missas, são aplicadas aos fiéis os frutos da oblação de Cristo: a remissão dos pecados e o dom da vida eterna iniciada já neste mundo com a vida da graça. Acima de tudo, porém, é o sacrifício eucarístico “ação de graças”, pelo que se apressa o celebrante em entoar o festivo hino de louvor e agradecimento, prosseguido por todos fiéis: “Glória a Deus nas alturas”. Significativo é que o primeiro motivo deste louvor, não são os admiráveis dons com que nos cumula o Altíssimo, mas a grandeza, a própria glória de Deus em que se compraz a Igreja: “Nós vos louvamos, nós vos glorificamos, nós vos damos graças por vossa imensa glória”.

É, a glorificação de Deus, o fim primário da Santa Missa e se realizará do modo mais perfeito quando, após a consagração, puderem os fiéis oferecer ao Pai a Eucaristia: Cristo-Vítima para sua glória… À proclamação da palavra de Deus, nas leituras da Missa e na viva voz do sacerdote, segue-se a oferta dos dons e a apresentação da matéria para o sacrifício: preciosos momentos de recolhimento mui propícios para associarem-se intimamente os fiéis à ação sagrada, na qual são chamados a exercer seu sacerdócio santo: Para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus, por Jesus Cristo, em sua oblação, e os ofereça ao Pai, “como holocausto vivo, santo, agradável” (O texto em itálico foi extraído da Intimidade Divina, do Frei Gabriel de Santa Maria Madalena, O. C. D. . São Paulo: Ed. Loyola, 1990)
O Amor de Jesus por nós

Jesus foi obediente ao Pai, foi obediente até a morte e morte de Cruz, num esvaziamento total de Si. Sendo Deus rebaixou-se, morreu a pior morte. Não há como separar o sacrifício da Cruz, do sacrifício eucarístico. É o mesmo mistério de um Deus tão grande, infinito, que desce, que se rebaixa a sua criatura.

O amor de Jesus o impele a nós. E tomado de amor, não querendo separar-se de nós, quis Ele dar-se continuamente, quis estar perto do homem, mais que isso quis comungar com o homem, entrar nele, transformá-lo em Si.

Este amor fez Jesus instituir a Eucaristia. Aniquilar-se completamente se colocando em nossas mãos, sob as espécies do pão e do vinho. O Verbo de Deus, que é Deus de Deus, gerado desde toda eternidade faz-se presente diante dos nossos olhos em um pequenino pedaço de pão. O Todo-poderoso, por amor, faz-se frágil, se coloca sob a fraqueza dos homens.

Aquele que é infinitamente bom, confia inteiramente no homem ao ponto de se deixar levar de um lado para o outro, como se fosse apenas pão. Aquele que é a liberdade deixa-se aprisionar em um sacrário a mercê dos homens. Aquele que é Amor, se põe ao nosso alcance como mendigo do nosso amor pobre.

Perceber isto, contemplar esta realidade, deveria ser o suficiente para curar todas as nossas feridas, para curar todo o desamor, toda a rejeição. Ele corre a nós para se dar em amor e porque é sedento do nosso amor. E tudo isto acontece pela Eucaristia.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *