Formação

Evangelização: Levando a verdadeira Paz

Evangelização: Levando a verdadeira Paz

Outro dia vi em uma revista um mapa do mundo colorido segundo o índice de segurança para o turismo após os atentados de 11 de setembro. Estranhamente, havia apenas duas cores. O vermelho, para os países onde a segurança havia sido afetada, e o amarelo, onde havia ainda segurança apesar das ameaças terroristas. Chamou-me a atenção o fato de o único país em amarelo ser exatamente o Brasil.

Rigor e isenção científicas à parte, o mapa bicolor provocou a reincidência de um questionamento que me faço desde setembro último: o que Deus espera de nós – além de oração – diante desta guerra? O que Ele deseja de nós como cristãos? O que Ele revela a nós, vocação de paz que tem por nome a saudação que evoca a verdadeira Paz, da espiritual à social? Por que a maior população católica do mundo estaria localizada exatamente no único pais amarelo do mapa? Por que, neste dito país, surgiu há vinte anos a vocação de discípulos e ministros da paz? O que Deus está querendo nos dizer, afinal?

A estas últimas informações juntam-se inúmeras outras. Por um "lado", os números impressionantes da população muçulmana no mundo; a confusão entre islamismo e terrorismo; o recrudescimento dos conflitos entre Israel e Palestina; o desfile impactante de crianças armadas e treinadas para morrer em nome de Alá; a dureza dos rostos dos jovens, mãos nos cinturões-bomba, ansiosos pelo suicídio em nome da guerra santa; a produção e consumo livre de drogas; a evidência dos estragos incalculáveis do fanatismo em meio à miséria comandada por um governo totalitário que se crê instituído em nome de Deus.

Por outro "lado", impressiona a impotência da nação mais "poderosa" do mundo diante dos ataques inesperados, ironicamente antevistos em seus filmes; o desejo imediato e "politicamente correto" de vingança; as elaboradas articulações diplomáticas; os ataques milionários e diários; a busca infrutífera do inimigo em solo afegão; a caçada ao inimigo em solo pátrio, sob as benesses do "green card", através do qual a democracia legaliza os imigrantes no país; as bactérias que ameaçam, silenciosas, vindas não se sabe de onde; a evidência dos estragos incalculáveis da auto-suficiência social e política da maior democracia do mundo.

Estes fatos, em meio a muitos outros, dão o que pensar. A auto-avaliação é inevitável. A comparação também. Por exemplo: por mais que saibamos que não se pode confundir terrorismo com islamismo e que, embora usem o nome do Islã, os terroristas envolvidos contrariam o Corão, não há como deixarmos de refletir que os islamitas não hesitam em ter dezenas de filhos, com mais de uma esposa, e se espalham pelo mundo, em fiel adoração a Alá. Enquanto isso, os católicos encontram facilmente argumentos para desobedecer à orientação da Igreja e de todo jeito limitar sua prole a dois, três filhos no máximo, sem nenhuma preocupação maciça de ensinar-lhes a verdadeira adoração ao Deus Vivo.

A fidelidade a Alá e ao Corão, imposta ou não pelos regimes teocratas, para o bem ou para o mal, tornou-se evidente para o mundo esquecido do Oriente. Já da fidelidade a Jesus Cristo, à Bíblia e ao Magistério não se pode dizer a mesma coisa.

Outra comparação inevitável: os rostos esquálidos das crianças afegãs e as faces rosadas dos pimpolhos americanos deixam evidente que a caridade e a justiça não têm sido, exatamente, as mais altas virtudes dos cristãos.

Poderíamos caminhar de comparação em comparação. No entanto, estas não convêm a não ser dentro de um restrito limite que leve à auto-avaliação. Além deste limite, põem em risco a unidade, trazem a ameaça da divisão. Passemos, portanto, à auto-avaliação.
Estamos – todos – em guerra. Seja qual for nossa cor no mapa da segurança, a guerra já nos atingiu. Para a imensa maioria de nós, porém, é uma guerra "lá longe", uma guerra "deles". No nosso coração cristão, ainda há, estranhamente, a divisão entre o "deles" e o "nosso". O resultado é que a guerra, com suas notícias evidente e justificadamente censuradas, passa a ser para alguns mero motivo de curiosidade, de assunto de conversas sociais, e – o pior – de "torcidas".
Esquecendo-nos de que somos cristãos, que somos ministros da paz, instintivamente colocamo-nos "do lado", ora de um, ora de outro "deles". Pegamo-nos "torcendo" pública ou secretamente, para que "peguem logo o Bin Laden" ou para que "eles aprendam agora o que é bom, o que é ser fraco", oscilando entre os dois "lados" como se este direito nos tivesse sido dado pela cruz de Jesus. O cristão, entretanto, só tem um "lado", só tem um "partido", o da caridade, que tem como fruto a paz – o lado do Deus que é Pai de todos, que faz chover sobre o justo e injusto, sobre o "bom" e o "mau".
Estamos todos em guerra… lá fora, lá longe. Evitamos pensar à luz do Evangelho, à luz da vontade de Deus, para não entrarmos em guerra… aqui dentro, aqui bem perto, aqui em mim mesmo. Quem tiver ouvidos, porém, procure ouvir o que o Espírito diz à Igreja, aos cristãos, aos católicos, aos ministros da Paz.
Nossa Senhora tem dito: "Rezem, rezem, rezem!" (assim mesmo, repetido por três vezes). "Ela refere-se à intercessão", diriam alguns. Mas, será mesmo só isso? Não é a oração o meio mais seguro para o autoconhecimento, para nos mantermos inflamados pelo fogo do Espírito? Que quer dizer a Mãe de Deus? Não estaria ela referindo-se ao que disse o Filho: "Eu vim trazer fogo à terra e que mais quereria a não ser que ele se espalhe?" (Lc 12,49). É a oração, a vida espiritual, em especial os sacramentos, que mantêm este fogo aceso, ansioso por espalhar-se.

Lembro-me de um outro mapa, publicado recentemente, onde se mostrava o avanço da fé islâmica. Era um verdadeiro e alastrado incêndio. Procurei no mapa a referência ao avanço da fé cristã. Não havia. Fiquei a olhar o mapa e pensar: onde estaria este fogo cristão no mundo? Aonde se teria alastrado? E, uma vez alastrado, estaria ainda aceso? Quando o Filho de Deus voltar, encontrará ainda a fé sobre a terra? (Lc 18,8)). Ou encontrará, talvez, um frio mapa que faça referência aos batizados que não vivem sua fé ou que evitam entrar no fogo para não se queimar? Quando entenderemos, afinal, que somos nós, cristãos, o combustível que espalha o fogo no mundo e, se o combustível nega-se a consumir-se, a arriscar-se, a queimar-se, o fogo se extinguirá? Impossível não nos lembrarmos, aqui, dos cristãos martirizados que ardiam em fogo sobre postes, de tal forma dispostos e tão numerosos que iluminavam a cidade de Roma! Onde andará quem anseie juntar-se a esta cepa escolhida de mártires e postar-se em tal disposição e em tal número que iluminemos o mundo?

As recordações dos começos se impõem: dia e noite, Bíblia na mão (visão tristemente rara hoje em dia), nossa meta era evangelizar. Inoportuna e oportunamente – mais inoportuna que oportunamente – nossa principal preocupação e principal atividade era… evangelizar! Isso mesmo, evangelizar, anunciar a Boa Nova do Evangelho da Paz! Não havia medo, pouco tempo, respeito humano que nos impedisse. E quando nos encontrávamos era para testemunharmos as maravilhas que o Senhor havia feito na escola, no ônibus, no supermercado, no trabalho. Como nos inícios da Igreja, Deus dava testemunho de nossa evangelização com prodígios e sinais (cf. At 2,43).
Impõem-se, também, algumas tristes constatações do presente: as Bíblias desapareceram das mãos, as prioridades foram substituídas por outras "mais sensatas", a preocupação conosco próprios nos amornou, o respeito humano nos paralisou, o mundo nos confundiu. Hoje, nossa consciência fica tranqüila quando participamos dos grandes eventos de massa onde "outros" evangelizam, quando assistimos, passivos, à evangelização dos "outros" na TV, no rádio, nos ginásios. Assistindo confortavelmente, julgamo-nos justificados e voltamos para casa para as últimas notícias da guerra, que também não é nossa.

Por que o Oriente Médio não está evangelizado? Por que as Américas – de população cristã – não estão evangelizadas? Por que o fogo não se espalhou ainda na terra? Por que Jesus teria perguntado se, ao voltar, encontraria ainda a fé sobre a terra?
Estamos muito lentos, lentíssimos, em nossa evangelização. Ela não é mais assunto nosso, nem nossa principal preocupação, nem nosso principal investimento de tempo, de capacidades, de dinheiro, de vida. O que fazer? Por que esta guerra agora? Por que Deus nos teria dado o Vaticano II e, como fruto dele os movimentos e novas comunidades, a RCC, o Shalom, por quê? Como ler, como interpretar, como responder ao que Deus nos está falando através da guerra, da miséria que contrasta com a opulência, da fraqueza que desafia a força? Como eu poderia sentir-me responsável pela paz se não me sinto responsável pela guerra?
A resposta talvez esteja em um diálogo que travei há três dias com um santo sacerdote, evidentemente destemido, evidentemente sustentado pela oração de três horas ao dia. Tendo acabado a celebração da Eucaristia, fui cumprimentá-lo e, à guisa de puxar conversa, perguntei:
– Então, padre, é muito difícil a evangelização em uma cidade como São Paulo, não é verdade?
Para minha surpresa ele respondeu, seco:
– Não!
Meio sem graça, perguntei:
– Como assim? Uma cidade enorme dessas, um povo tão empenhado em sobreviver…
Antes que eu continuasse minhas justificativas ele, graças a Deus, interrompeu-me:
– Não é que seja difícil evangelizar. Evangelizar não é difícil. Não evangelizamos porque não somos santos. Quando formos santos como Deus quer que sejamos, evangelizar não será difícil em lugar nenhum do mundo!
Enquanto o olhava sem resposta, desfilaram diante de mim João Paulo II, Madre Teresa de Calcutá, Edith Stein, e fileiras e fileiras de mártires da China, da Coréia, da Turquia, do Vietnã, do Paquistão…
– O Senhor tem razão, padre, tem razão…, consegui concordar, admirada de sua sabedoria.
Você entendeu? Estamos em guerra porque ainda temos partidos. Estamos em guerra porque não fazemos violência a nós mesmos por amor a Deus. Estamos em guerra porque queremos viver a nossa vida em paz. Estamos em guerra porque recusamos a guerra interior. Estamos em guerra porque não evangelizamos, porque não levamos, loucamente, desatinadamente, apaixonadamente, as pessoas a uma experiência com Jesus Vivo. Estamos em guerra porque amamos mais a nós mesmos que a Jesus. Estamos em guerra porque, quem sabe, assim pode ser que acordemos para o clamor daquele que diz: "Não vim trazer a paz, mas a espada!" (Mt 10,34), "a vida eterna pertence aos que se fazem violência" (cf. Mt 11,12), "quando o Filho do Homem vier, encontrará ainda a fé sobre a terra?" (Lc 18,8), "eu vim trazer fogo à terra e o que mais quereria senão que ele se espalhe?" (Lc 12,49). Estamos em guerra porque ainda queremos ganhar a vida, porque não nos importa que o fogo não se tenha espalhado, porque não temos pressa em evangelizar, porque falta-nos, ainda, sermos santos para colorirmos o mapa do mundo com a cor da Paz


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *