Formação

Existe uma dor semelhante?

comshalom

Dom Anuar Battisti


Comoem outras ocasiões, acompanhei na semana passada, uma família querepentinamente, perdeu a primeira filhinha, a primeira neta, a primeirabisneta, de apenas sete meses. Uma experiência que corta o coração, porum sentimento que nenhuma razão humana pode explicar. Para os pais, quecolhiam o fruto do amor cultivado há anos e viam a Laurinha que setornava, cada dia, mais linda e alegre, que a cada momento se tornava arazão do viver, que não viam a hora para voltar do trabalho e poderbrincar, rir, fazer careta, ter nos braços aquela criaturinha tãofrágil, mas tremendamente carregada de afeto e alegria sem medida. Tudoterminou de repente. Inexplicavelmente ela dormiu e dormindo partiupara o paraíso. Como disse a avó: Deus queria ela pertinho dele e nãode nós.

Comcerteza, não é a primeira e nem será a última criança a deixar o lar,nestas ou em outras situações semelhantes. Diariamente, vemos fatosdesta natureza, marcando por toda a vida uma distância infinita,deixando marcar de saudades que só o tempo pode curar, ficando parasempre uma cicatriz de boas e inesquecíveis lembranças. Um tempo quepode durar muito tempo, dependendo do tempo que se tem para encontrarem Deus a melhor saída. As dores e os sofrimentos, causados pelaseparação definitiva dos entes queridos, só encontrarão o verdadeiroanalgésico, se depositados na cruz do Senhor, cuja vida verdadeira foialcançada pela cruz assumida e carregada até o fim. Não existe outrasolução para vencer as espadas de dor transpassadas no coração, a nãoser aceitando-as como nossa e carregando-as com a força da fé no Senhorque também gritou: “Meu Deus, meu Deus porque me abandonaste”?(MT27,46) “Pai se for possível afasta de mim este cálice, porém não sefaça a minha e sim a tua vontade”.(MT 26,39)

Naaceitação das cruzes que Deus nos coloca, em momentos totalmenteinesperados, encontramos o caminho para ver mais longe e descobrirneste emaranhado de sentimentos, o rosto amoroso do Pai-Deus. Assim avida não é um jogo onde só ganhamos, mas aprendemos a perder e perderpesado, a fim de encontrar o verdadeiro sentido da vida. Por isso, dizo nosso Mestre: “Quem quiser ser meu discípulo tome a sua cruz cada diae siga-me”.(Lc 9,23). “pois o meu jugo é suave e meu peso é leve”(MT11,30). Essa experiência eu vi, no rosto desta família, que mesmochorando, lamentando, não se desesperaram em nenhum momento. Como édiferente, quando se vive na fé e pela fé. Como é diferente, quando setem uma experiência de proximidade com Deus, cultivada na oração e naprática das palavras do Messias, Senhor e Rei de nossas vidas.

Assim,concluo com um pensamento de Madre Tereza de Calcutá: “Sempre tenhaspresente que a pele enruga, o cabelo torna-se branco, os diasconvertem-se em anos….mas o importante não muda: tua força econvicção não tem idade. Atrás de cada linha de chegada, há uma departida. Atrás de cada sucesso, há outro desafio. Enquanto estiveresvivo, sente-te vivo. Se sentes falta do que fazias, volta a fazê-lo.Não vivas de fotos amareladas…Continua, ainda que todos esperem queabandones. Não deixe que oxide a fé que existe em ti. Faz com que, emvez de piedade, te tenham respeito. Quando não puderes mais correr,caminha. Quando não puderes mais caminhar, apóia-te em uma bengala. Masnunca pare”


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *