Formação

Felizes os abortistas de hoje?

comshalom

D. Carlos Alberto Navarro

Os inimigos invadiram o convento, violentaram as religiosas. Várias delas ficaram grávidas. O fato sucede-se em combate entre as etnias, Em todas as guerras, aliás sucedem-se fatos análogos. E vem a pergunta: "E neste caso, é possível o aborto?". Uma jovem, após anos de namoro e noivado, vai se casar. É assaltada, estuprada, engravida. "E neste caso, é possível o aborto?".

 A resposta exigiria longas considerações. Não temos aqui o espaço suficiente. Afinal, como a Igreja aconselha a religiosa em situação semelhante ao acima descrito? A freira não pode abortar. Deve dar à luz aquele pequenino ser, inocente do crime do pai. Após seu nascimento, há duas opções. A freira sente nascer o desejo de criar o seu filho e deixa o mosteiro para fazê-lo. Ou então, escuta falar mais alto sua vocação de consagrada; dá seu filho para que outros o adotem.

Dirá alguém: Isto é uma maldade! Eu não tenho coragem de dar meu filho!". Outro responde: "Muito bem! Então o que você prefere fazer?". A única alternativa que sobra como resposta é: "Prefiro matá-lo!" (Em outras palavras, decide abortá-lo!)

Imaginemos que os homens tivessem inventado a máquina capaz de substituir a mãe gestante. Logo após a fecundação, alguém pediria licença, extrairia da mãe o ovo fecundado e o colocaria neste novo aparelho. Nove meses depois voltaríamos para descobrir o que foi gerado. Seria um sapinho? Um macaquinho? Uma couve-flor? Não! Encontraríamos um menino ou uma menina. A conclusão lógica é que se nasceu um ser humano, é que desde o inicio já era uma pessoa, só lhe faltavam as condições para desabrochar plenamente. Não era mais o "corpo da mulher" (Como dizem certas feministas). Ela é no máximo, dona de "seu" corpo, não porém do corpo de seu filho.

Todos nós – eu e os leitores inclusive – já tivemos 8 meses, 3 meses, 7 semanas, 5 horas. Se nossos pais tivessem pensado em nos eliminar não estaríamos aqui. Felizes os abortistas de hoje! Eles deveriam, pelo menos, agradecer a seus pais e responsáveis por eles não terem sido, então, também defensores e praticantes do aborto. Caso contrário, não estariam agora vivos para propugnar pelo sacrifício dos inocentes nascituros.

O Projeto de Lei nº 20/91, regulamentando "os caos de abortamento admitidos pelo Código Penal", foi aprovado pela Comissão de Seguridade e Família da Câmara dos Deputados. Foram 21 votos contra 17. Tal projeto é ilegal (por ser contra o direito natural) e imoral.

Dentro de poucos dias, o assunto voltará a ser considerado e votado pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação da mesma Câmara.

  Quem não entende a crescente propaganda para a legalização do aborto, no Brasil e no mundo, deveria saber que no relatório confidencial do então Secretário de Estado, Henry Kissinger, em 1974, se pontificava: "Nenhum país já reduziu o crescimento de sua população sem recorrer ao aborto" (!) E tal sedução é necessário para a segurança e os interesses externos dos Estados Unidos (!).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *