Formação

Gocce

comshalom

Decidido a encontrar a liberdade interior, o jovem partiu em direção à montanha, levando tudo o que precisaria para a longa jornada: água, alimento, cobertores, equipamento de camping, filtro solar, produtos de higiene. Sua carga era grande, mas parecia-lhe valer a pena suportar seu peso diante do grande prêmio que receberia ao final de sua viagem.

Após cinco semanas de caminhada, avistou a montanha e começou a fazer planos sobre a conversa que teria com o primeiro homem de oração. Já o imaginava: longas barbas brancas, sentado em uma esteira, em profunda oração diante de um belo e raro ícone bizantino, no fundo de uma gruta úmida, iluminada por velas artesanais.

Após horas de subida sob o peso de seu equipamento que unia-se ao sol causticante para queimar-lhe as costas, chegou a uma casa avarandada, cercada de flores multicoloridas. Um homem de calças jeans surrada varria a varanda, assoviando.

“Boa tarde, senhor! O senhor sabe onde posso encontrar por aqui o homem de oração?”

“O que você quer com ele?”

“Vim de longe. Vou escalar a montanha da liberdade interior e, segundo me orientaram, devo procurá-lo nesta região. Ele orientará minha viagem.”

“Ah! Você deve ser o Fares! Venha, entre, entre!”, disse, retirando o boné e recolocando-o, em uma tentativa vã de alinhas os cabelos suados. “Estava mesmo esperando por você!” e, estendendo-lhe a mão: “Sou o Zeca, o segundo homem de oração que você encontrará em sua jornada! Prazer!”

“Segundo?!?”, perguntou o jovem estendendo-lhe a mão, visivelmente surpreso por encontrar um homem de oração com ar jovial, barba feita, a fazer algo tão banal quanto varrer uma varanda.

“Claro! O primeiro é você mesmo! … Ou não é?”

“Sim, claro!” respondeu Fares esforçando-se para acompanhar a gargalhada com que o homem de oração finalizara sua frase, batendo-lhe levemente nas costas.

“Vamos lá, sente-se, sente-se! Vou pegar um café para nós e volto já.”

Enquanto digeria a surpresa misturada com uma certa decepção com o jeito de ser do homem de oração, o jovem esforçava-se de todo o jeito para tirar seu equipamento das costas antes que o anfitrião voltasse. Foi em vão. Deus sabe por que razão, as alças que se lhe prendiam aos ombros, à cintura e às pernas recusavam-se a soltarem-se das presilhas.

“Então, ainda em pé? Sente-se!”

“É que estou preso ao equipamento. Será que o senhor me pode ajudar?”

“Bem que eu gostaria, mas isso cabe a você. O que tem aí?”, perguntou, sorvendo o café e apontando com a cabeça para o equipamento.

“Água, enlatados, pão, queijo, mortadela, repelente insetos, filtro solar, lanterna, fogareiro, roupas, coberta, capa para chuva, óculos de sol, tenda, colchonete, faca de ponta, talheres… ahn, o que mais… deixa eu ver, copo…”

“Coração”, interrompeu o homem de oração.

“Como assim, “coração”?”

“O que faria se, hoje à noite, enquanto dorme, todas estas coisas lhe forem tiradas?”

“Ficaria muito frustrado. Teria estragado toda a minha viagem.”

O homem de oração sentou-se e, sorvendo o café, ficou olhando ao longe. Fares tentou por várias vezes quebrar o silêncio incômodo. Em vão. Fez-lhe perguntas, contou-lhe sua vida, suas motivações para a viagem. Nada. Perguntou-lhe sobre sua família, elogiou a paisagem. Silêncio por resposta. Nada parecia retirar o homem de oração daquele estado. Seus olhos continuavam grudados no vale que se deitava, como um cão fiel, aos seus pés.

O silêncio fazia os pés de Fares arderem em suas botinas. Seu relógio equipado com altímetro, bússola e horário de vários países só conseguia passar-lhe uma informação trivial: estava ali, de pé, sob o peso do equipamento, há duas horas e meia. Tentava sentar-se. Impossível. Talvez encostar-se à parede? Só piorava a situação. Sentar-se no chão? Queda certa! Era o jeito esperar. O pior é que ninguém dizia nada. Não agüentava mais! Pensou em ir embora, mas isso seria abandonar todos os seus planos e sonhos. Já escurecia quando Fares, exausto, pediu, quase chorando, ao homem de oração:

“Senhor, por favor, me ajude! Faça o que quiser, mas me ajude!”

“E o que você quer que eu lhe faça?” Perguntou o homem, para espanto de Fares: era óbvio que ele queria ajuda! No entanto, a resposta que saiu de sua boca foi uma frase estranha:

“Quero que me liberte”, disse, envergonhado por estar soluçando como uma criança apavorada.

O homem de oração saiu sem pressa e voltou com uma grande tesoura, que entregou a Fares. Em seguida, sentou-se e voltou a olhar Deus sabe para o quê. Fares compreendeu. Tomou a tesoura e cortou as tiras que lhe prendiam as pernas, a cintura, os ombros. O equipamento caiu com um barulho surdo. O homem de oração disse, simplesmente:

“Primeiro passo: liberte-se de tudo o que o distrai, de tudo o que ocupa seu coração. Fique atento ao seu interior, onde você leva somente a Deus e a você mesmo.”

Neste momento, uma menina, com riso límpido, cabelo solto ao ar, passou, dançando, pelo jardim, vinda de nenhum lugar, indo para lugar algum.

Maria Emmir O. Nogueira


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *