Formação

Homofobia

comshalom

Dom Aldo Di Cillo Pagotto


Tramitamno Congresso e Câmaras Municipais anteprojetos de lei que criminalizama homofobia. Em questão: a legitimação da união de pessoas do mesmosexo (casais homoafetivos) equiparada à instituição familiar, compossibilidades de adoções; e a criminalização de atitudesdiscriminatórias às práticas do homossexualismo assumido nocomportamento público e notório. Os militantes demonstram um ardormissionário empunhando a bandeira de luta pelos direitos homoafetivos.São organizados e patrocinados. Provocam fatos de impacto cultural epolítico-social. Conquistam apoio de parlamentares e gestores públicos.Promovem emblemáticas e carnavalescas paradas gays, atraindo muitagente. E daí? Qual é a posição da Igreja Católica a respeito da matériapolêmica em questão?

1.A Constituição Federal [Cap. VII; Art. 226 § 3º.] segue o direitonatural. O Estado oferece proteção à instituição da famíliareconhecendo o direito da união estável entre um homem e uma mulher. OArt. 226 § 5º declara a igualdade de direitos e deveres exercidosigualmente pelo homem e pela mulher na sociedade conjugal, garantindo aestabilidade familiar. A Lei favorece essa união padrão,consubstanciada no casamento monogâmico.

2.O Código Civil [Livro IV; Art. 1511 e 1514] reza que o casamentoestabelece a comunhão plena de vida em base à igualdade de direitos edeveres dos cônjuges, a partir do momento em que ambos manifestamreciprocamente sua vontade livre de estabelecer o vínculo conjugalperante o juiz que os declara casados.

3.Pelo Código de Direito Canônico [Cânon 1055 § 1] a Igreja Católicaestabelece que, por sua índole e direito natural, o matrimônio éordenado ao bem dos cônjuges e à geração e educação da prole. O pactomatrimonial entre o homem e a mulher constitui-se um consórcio por todaa vida. Jesus Cristo define o matrimônio como monogâmico eindissolúvel. Entre batizados o matrimônio é pacto sagrado, sinalizandoa santificação dos cônjuges.

4.O Estado e a Igreja não reconhecem a validade e a legitimidade da uniãohomoafetiva porque claudicam as condições essenciais para a suafinalidade, ou seja, a geração e a educação do(s) filho(s). Não sedissocia o exercício afetivo-sexual da abertura à fecundidade. Umaunião homoafetiva (casamento gay) não pode ser equiparada à formação deuma família.

5.A Igreja compreende a complexidade do fenômeno das pessoas de condiçõeshomossexuais que, em contextos culturais variáveis, revestem-se deinúmeras formas ao longo dos séculos e das civilizações. Apoiando-senas Escrituras, a Tradição da Igreja declara que atos homossexuais sãointrinsecamente desordenados porque se fecham à transmissão da vida,contrariando a ordem e leis da natureza humana. Tais comportamentos nãovisam uma verdadeira complementaridade afetiva e sexual e, por talrazão, em caso algum, podem ser aprovados.

6.Não se pode negar ou negligenciar o fato de tendências homossexuaisinatas em homens e mulheres. Eles/as não escolhem essa condição. Para amaioria tal condição se constitui uma provação. Devem ser acolhidos/ascom respeito, compaixão, delicadeza. Evite-se todo sinal dediscriminação para com eles/as (Cf. Catecismo da Igreja Católica, NN.2357 e 2358).

7.Militantes do homossexualismo projetam na ambiguidade da bandeirahomofóbica a angústia de suas pulsões interiores não resolvidas,seguidas do sentimento de incompreensão, perseguição e agressividadecontra a sociedade heterossexual, geralmente contrária aohomossexualismo. Comparam-se às minorias excluídas, vítimas depreconceitos, visualizando perseguidores por todo canto. Daí amobilização da (chamada) diversidade sexual, articulando grupos depressão na defesa da bandeira política gay, comportando o delito dahomofobia: crime a ser reprimido e penalizado a qualquer custo.

8.A bandeira gay ganha foro de direitos em várias instâncias jurídicas dealguns países. Ao promover a causa do homossexualismo reivindicam aproteção legal com todos os direitos civis. Ora, todo cidadão e cidadãpossui direitos e deveres perante o Estado, não obstante as condiçõesheterossexuais ou homossexuais. Pela Constituição Federal, qualquerpessoa possui o direito de estabelecer meios para sua sobrevivênciadigna, em particular ou em parceria, independentemente de sua opçãoafetiva e sexual.

9.A causa de gênero e diversidade sexual coloca em questão a imposição daunião homoafetiva equiparável à estabilidade da instituição da família.Sua estratégia visa instituir a união homoafetiva, relativizando ainstituição familiar. A Igreja considera isso como suicídio da leinatural e dos vínculos sociais que a família estabelece como célula-mãeda sociedade.

10.A vocação para o matrimônio está inscrita na própria natureza do homeme da mulher, conforme saíram das mãos do Criador. “O homem deixará seupai e sua mãe, se unirá à sua mulher e se tornarão uma só carne” demodo que já não são dois, mas, uma só carne (Cf. Gen. 2, 24; Mt. 19,6).

Gruposde pressão, embora se escudem nos direitos humanos, tentam impor àsociedade e ao Estado o próprio comportamento homossexual (opçãosubjetiva), impedindo opiniões contrárias. Eis a lei da homofobia: aditadura da mordaça. Exigem impor uma opinião unilateral ao que éirreformável: a lei natural e positiva estabelecida pelo Criador.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *