Formação

Jejuai, não vos deixe levar pela comodidade!

comshalom

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Jejuai! Este é um convite que ecoa, incontestavelmente, como superado na cultura contemporânea. Por um lado, a triste constatação de uma enorme parcela da humanidade privada do usufruto das condições básicas e mínimas de alimentação. Por outro lado, os exageros de um consumismo inconseqüente alimentando o vício de só se conseguir viver às custas de um bem estar permanente e garantido a todo preço. Estas duas perspectivas configuram, naturalmente e de maneira suficiente, a distância existente para a proposta ou convocação ao jejum. No entanto, há de se buscar compreender o sentido e uma razão educativa indispensável para a adoção da prática do jejum, nestes tempos, visando possibilitar conquistas que advém propriamente da prática desta disciplina. O Santo Padre o Papa Bento XVI para a Quaresma de 2009 sublinhou que a prática do jejum parece ter perdido um pouco do seu valor espiritual e ter adquirido apenas o valor de uma medida terapêutica para o cuidado do próprio corpo.

A preocupação com o cuidado do próprio corpo tem sido freqüente, estabelecendo limites, ao menos por esta razão, para a cultura contemporânea marcada, de modo até incontrolável, pela busca da satisfação material. Uma determinada visão da corporalidade estimula a prática do jejum pelos controles e medições da alimentação, não deixando de trazer seus benefícios próprios enquanto qualifica as condições de vida. Mas, na verdade, relembra a mensagem do Papa Bento XVI, jejuar é bom para o bem-estar; mas, para os que crêem é, em primeiro lugar, uma terapia para curar tudo o que impede àquela insubstituível meta de buscar a conformação com a vontade de Deus. Há, pois, um valor espiritual de grande importância quando se trata da prática do jejum. Este valor espiritual se concentra, particularmente, na perspectiva de se superar o entorpecimento conseqüente que o pecado traz, com suas conseqüências.

Este entorpecimento causado pelo pecado tem, de fato, conseqüências nefastas. O jejum é uma prática, como exercício espiritual, que abre perspectivas de sua superação. Estas conseqüências do entorpecimento, causadas pelo pecado, enjaula o coração humano em ódios, ressentimentos e mágoas, em indiferenças, ganâncias perigosas e perversas, bem como na incapacidade para perdoar e reconciliar-se. Esta prisão existencial segura muita gente no seu progresso e cria sérios impedimentos no tecimento da cultura da paz. Por isso, a Sagrada Escritura e toda a tradição cristã ensinam que a prática do jejum tem poder de ajudar na superação do pecado e de tudo o que nele resulta.

O Papa cita Santo Agostinho, na sua mensagem, referindo-se ao conhecimento que o Santo tinha de suas próprias inclinações negativas, definidas por ele, nas Confissões, II, 10.18, como “nó complicado e emaranhado”, bem como a importância do jejum nas reflexões contidas no seu tratado A utilidade do jejum: “Certamente é um suplício que me inflijo, mas para que Ele me perdoe; castigo-me por mim mesmo para que Ele me ajude, para aprazer aos seus olhos, para alcançar o agrado de sua doçura”. Portanto, o jejum não apenas beneficia as condições físicas do corpo de quem jejua. O jejum é um exercício disciplinar portador de vários e indispensáveis benefícios na busca do próprio equilíbrio e na contribuição responsável para equilíbrios comprometidos no tecido social e político da sociedade contemporânea.

Ora, não se pode desconhecer, embora seja uma tendência secularista existente, que há uma fome mais profunda instalada no mais íntimo do coração humano: a fome e a sede de Deus. O jejum abre perspectivas para uma escuta que capacita o coração e a inteligência para uma tomada de consciência da situação carente na qual vivem tantos irmãos e irmãs; proporciona, diz o Papa Bento XVI, o cultivo do estilo Bom Samaritano, incontestavelmente necessário para combater e tomar o lugar da cultura individualista e indiferente do momento atual. Por isso, ele sublinha que “o jejum representa uma prática ascética importante, uma arma espiritual para lutar contra qualquer eventual apego desordenado a nós mesmos”.

É irrefutável que a prática do jejum guarda uma possibilidade interessante nesta indispensável reeducação. Não permite definir a agenda da vida moderna simplesmente pela dinâmica desenfreada e perversa do consumo. Os apetites da natureza precisam de controles. Do contrário, a hegemonia de arbitrariedades vai empurrando a cultura e seus produtores no descaminho de uma verdadeira delinqüência. Uma delinqüência já presente por falta de sentido de limites e pelo desarvoro de se conceber a vida só como palco do prazer e do consumo. O jejum ajuda o corpo, mortifica o egoísmo e abre o coração a Deus e ao próximo. Pode parecer superado o convite. Sua prática guarda uma resposta.  Jejuai!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *