Formação

Manifestações de Deus

comshalom

"Renova os sinais, Senhor, e repete as maravilhas!" (cf. Eclo 36,6). Certamente, no profundo do nosso ser, este é o mais sincero desejo a nos inquietar e a nos despertar uma nostalgia de Deus e de suas maravilhas. Diante de um mundo tão necessitado de Deus e a buscá-lo nos fenômenos e nas vãs "manifestações de espiritualidades vazias", nas filosofias e ideologias, temos como nunca, necessidade dos sinais de Deus e do seu poder criador. Muitos se perguntam: Por que não fazemos mais maravilhas aos olhos dos homens? Não seria esse o tempo favorável de Deus agir quando a descrença e a indiferença a seu respeito parecem ser a nova religião? Deus não deixou de amar o seu povo?  Então, manifesta-te e renova os teus sinais, Senhor!

 

Parece que estamos como o Povo de Israel quando caía na desolação manifestavam a desesperança: "Por acaso o amor de Deus foi esgotado? Sua promessa, afinal, terá falhado? E concluíam amargamente: A mão de Deus não é a mesma: está mudada!" (cf. Sl 76, 2-11) Acontece que, para nós existe uma infinita diferença: Temos a Revelação de Deus em Cristo Jesus. Os olhos e o coração dos Judeus caminhavam olhando para a cortina de fumaça, para a chama de fogo ou ainda para os vãos sacrifícios de expiação, mas nós, no entanto, caminhamos à Luz do Senhor. Foi-nos manifestada a Salvação de Deus, escondida aos antepassados e revelados agora, neste tempo favorável para a nós. Deus nos falou por meio do Seu Filho (cf. Hb 1,1). Portanto, "não há motivos para que nós vivamos como os que não têm esperança" (cf. I Ts 4,13).

 

Uma importante reflexão: Será que o maior sinal dos nossos tempos não seria a fé? Por acaso nos parece fácil sustentar coerentemente uma fé autêntica e dar testemunho de Cristo em tempos como os nossos? Deus se encarnou, fez-se um de nós e, tornou-se maravilhosamente próximo, íntimo, amigo do homem na sua estrada que outrora, enquanto estava sozinho tinham o destino de Emaús, mas agora, inflamados pela sua palavra e pela Eucaristia, caminha para Jerusalém. O grande milagre da Encarnação do Verbo por acaso não continua a acontecer diariamente quando o sacerdote – mediante a ação do Espírito Santo – consagra o pão e o vinho e passa a ser o Corpo e o Sangue de Cristo, o mistério por excelência da fé? Então continua a renovar os teus sinais, Senhor!    

 

Interrogo-me: Não será um grande sinal do amor de Deus, da sua manifestação maravilhosa o fato de podermos ir até o sacerdote, tantas vezes com uma vida completamente destruída pelo pecado, mas o arrependimento – que já é uma ação da graça de Deus – nos levou para os pés do sacerdote e, ao confessarmos sinceramente os nossos pecados fomos regenerados, salvos de nós mesmos, dos nossos pecados que leva à morte definitiva e de toda arrogância da auto-suficiência? Senhor, este sinal, eu e um número incalculável de filhos e filhas tuas, experimentamos sempre, por isso muito obrigado! Quão grande obra maravilhosa aos nossos olhos é o milagre da vida da Igreja. Na sua missão corajosa e nos passos do Cordeiro, continua sua missão de ser Sacramento Universal da Salvação. Sem a maternidade, o cuidado, o amor, as correções e alegrias que vivemos na Igreja a através dela, o mundo não seria mundo, a humanidade não teria uma face, um rosto humano, uma identidade e uma vocação.

 

Mas Deus não deixou de agir! Podemos confiar que Deus não adormeceu no seu cuidado providencial e na condução da sua obra, como não abandonou sua herança para que ela caminhe às apalpadelas. "Faz parte da fé cristã a certeza de que Deus nunca abandona a humanidade e de que, por essa razão, ela também nunca pode se tornar um fracasso total (…) a fé dá alegria e posse do que esperamos. A fé nos dá a certeza de que existe o grande Amor, portanto, sou alguém indefectivamente amado" (Bento XVI, O Sal da terra). Também é possível olharmos para as nossas vidas e contemplarmos a mão amorosa de Deus, sua ternura e sua misericórdia, mesmo quando o mal, o sofrimento e a dor cruzam as nossas vidas. Quão chocante testemunho do que a graça é capaz de realizar quando encontra espaço no coração e na alma, podemos contemplar no testemunho de vida e conversão da Santa africana Josefina Bakhita (cf. Bento XVI, Spe Salvi).

 

Peçamos o milagre dos olhos do coração, mas também dos nossos olhos físicos e rezemos com o Salmista: "Olhai, Senhor, meu Deus, e respondei-me! Não deixeis que se apague a luz dos olhos" (Sl 12,4). Diante de tudo isso nós continuamos a te pedir, Senhor, não por dúvida ou falta de fé, mas para que a fé dos cambaleantes seja encorajada: Renova os teus sinais e repete as tuas maravilhas! Manifesta-te na vida da tua Igreja, na vida de cada batizado e no meio da humanidade! Assim seja!

Antonio Marcos

Consagrado na Comunidade de Vida Shalom



Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *