Formação

Maria, Espelho meu, espelho nosso

comshalom

Quando a gente busca na oração e na sinceridade, Deus sempre vem em nosso auxílio. Partilho com você minha experiência recente com umesplêndido e misterioso espelho.

Há alguns meses atrás, matutava e rezava sobre o fato de osPadres da Igreja compararem Maria a um Espelho. Estava relendo o livro deRaniero Cantalamessa: “Maria, espelho da Igreja”. Por que espelho?, refletiaeu. O que significa mesmo essa coisa de Maria ser “espelho”? Mais: espelhoperfeitíssimo?

Ao matutar, me vinha o fato de que, na antiguidade, osespelhos eram imprecisos e embaçados, feitos de bronze e bastante caros. Vi-mea imaginar os Padres da Igreja a buscarem uma figura para que Maria fosse melhorentendida, melhor contemplada e, insatisfeitos com os espelhos imprecisos deque dispunham, tentar expressar a Mãe de Deus como, a um tempo, Seu Espelhoperfeitíssimo, sem impurezas e espelho da Igreja, esposa sem ruga e sem manchado Cordeiro.

Por providência divina, vieram a cair em minhas mãos doistextos preciosos sobre o assunto. O primeiro, escrito por um sacerdote, Pe.Jacques Loew, da ordem dos pregadores:

 Nessaaltura, é preciso contemplar a humildade de Maria, uma humildade humilde ediscreta, porque somente alguém com tal humildade poderia receber a luzabsoluta sem ser encandeado e sem a guardar para si. Porque Maria não temnenhuma preocupação consigo mesma, sua humildade e sua oração são uma só coisa.A oração de Maria é como um espelho puro que não guarda nada da luz, mas areflete inteiramente. Toda a luz de Deus vem a ela e a penetra, mas ela areflete toda, uma vez que é, segundo a antiga palavra das litanias da Virgem,espelho sem mancha da santidade de Deus.

A humildade!, percebi. É a humildade de Maria, que nãoguarda nada para si, que não tem nenhuma preocupação consigo mesma que a faznão guardar nada da luz, mas refleti-la toda, como um puríssimo espelho. A luzde Deus, diz Pe. Lowen, vem a ela e a penetra, mas ela a reflete toda.

Fiquei a pensar em que espelho da santidade de Deus tenhosido e percebi que nem na idade da pedra poderia haver nada mais opaco, maissem luz, um buraco negro de orgulho, egoísmo e vaidade que nada reflete da luzde Deus. Essa reflexão, juntamente com o pensamento clássico de Santa Teresa deJesus sobre o pano negro do pecado, preencheu-me durante meses, a me dizer oquanto era necessário para mim, para todas as mulheres e homens de hoje olhar oespelho que é Maria para, a um tempo, conhecer a Deus, conhecer-se e encher-seda esperança e misericórdia irradiados por aquele espelho de ternura materna.

Para minha grande surpresa, veio-me às mãos um segundotexto, desta vez não de um religioso ou homem de fé, e sim um cronistaapaixonado por Nietzche mas nem tanto por uma fé confessional: Rubem Alves.

Em uma de suas crônicas, Beleza, ele compara sabiamente osconceitos de “pretty” e “beautiful”, em inglês. Para facilitar, corresponderiam ao nosso“bonito” e “belo”. Diz que “pretty”, “bonito” é uma beleza exterior, efêmera,que tende a desaparecer e pode ser fabricada por cirurgias plásticas. O“beautiful”, por seu lado, pertence às coisas eternas, é uma qualidadeinterior, que nunca aparece à própria pessoa. Veja como, a certa altura, nossocronista, sem se dar conta, descreveu nossa Maria, nosso “Espelho sem Mancha”,nosso “Reflexo perfeito de Deus”:

A beleza (…) não é. Ela aparece e se vai. Ela nãofreqüenta clínicas de beleza. Uma pessoa “é” “pretty” (bonita), mas não “锓beautiful” (bela). Ela é, no máximo, o lugar onde o “beautiful”, a beleza, sedeixa ver. A beleza não é a qualidade do corpo, a música não é o instrumento, operfume não é a flor, as cores do arco-íris não são o prisma.O corpo é apenas olugar onde a beleza se deixa ver. Uma pessoa é bela naquilo que ela não é. É nolugar onde ela não é que o seu corpo deixa ver. O “pretty” é uma pintura. O“beautiful” é um espelho… E não é de admirar que, com freqüência, os espelhossejam “poças de água barrenta” como no desenho de Escher.

Na obra citada, o artista holandês M.C. Escher retrata umapoça de água lamacenta cavada por marcas de pneus, que reflete como em umespelho, o céu azul e pinheiros. Não é impressionante? Rubem Alves, este cronista fenomenal, que nãose declara católico, percebeu, ainda que sem se dar conta, como Maria é espelhoe porque diz: “Olhou para a humildade, olhou para o nada, de sua serva e, deagora em diante, todos me chamarão bem-aventurada”.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *