Formação

Meditação cristã: diálogo pessoal entre Deus e o homem

comshalom

oraçao cristaA cada fiel é dada a liberdade de encontrar, “na variedade e riqueza da oração cristã, ensinada pela Igreja, o próprio caminho”.

Nos agitados dias em que vivemos na atualidade, afirma-se que o homem e a mulher necessitam exercitar a meditação para atingir o equilíbrio. Mas, o que é de fato meditar? Meditar, segundo o dicionário Aurélio, é “oração mental, que consiste, sobretudo, em considerações e processos mentais discursivos”. As pessoas, portanto, precisam de mais oração!

Desde as primeiras comunidades, os cristãos, seguindo o exemplo de Jesus, destacaram-se no mundo como mestres de oração, portanto, mestres da meditação. Porém, o termo hoje tem se perdido um pouco, sendo associado apenas aos métodos orientais. Ao se referir a eles, a mídia promete que o indivíduo que a pratica alcançará a quietude espiritual e interior, o equilíbrio psíquico, a sabedoria, a alegria e a paz.

Mas, antes de se aventurar ou desejar essa quietude, esse equilíbrio, essa sabedoria, essa alegria e essa paz prometidas, é preciso que os cristãos se questionem: de qual quietude, equilíbrio, sabedoria e paz de fato necessitam?

Meditação cristã

Cristo é a nossa paz, afirma São Paulo na Carta aos Efésios (2,11-18). Ele é o Shalom do Pai. Na tradição bíblica, Shalom não designa uma paz caracterizada pela ausência de guerra apenas, mas a plenitude de bênção, de felicidade, de salvação, de benevolência, de harmonia interior, de bem-estar, de prosperidade material e espiritual, de totalidade, de integralidade e de relacionamentos harmoniosos. E esse equilíbrio total só pode ser alcançado em Deus. Só Nele se pode receber o Shalom, se pode obter a paz.

Por isso, os cristãos são verdadeiramente mestres da meditação, da oração mental. E a oração cristã, afirma o então cardeal Joseph Ratzinger, em 1989, na Carta da Congregação para a Doutrina da Fé, “é sempre determinada pela estrutura da fé cristã, na qual resplandece a verdade mesma de Deus e da criatura”.

Sendo assim, o que caracteriza a meditação cristã? Segundo o texto, “a forma de um diálogo pessoal, íntimo e profundo, entre o homem e Deus. A oração exprime, por conseguinte, a comunhão das criaturas redimidas com a vida íntima das pessoas trinitárias. Nesta comunhão, que se funda sobre o Batismo e sobre a Eucaristia, fonte e cume da vida da Igreja, encontra-se implícita uma atitude de conversão, um êxodo do eu para o Tu de Deus”.

E aí está o grande diferencial entre as “técnicas de meditação”. A oração cristã é, ao mesmo tempo, autenticamente pessoal e comunitária. “Por esta razão, recusa técnicas impessoais ou centradas sobre o eu, as quais tendem a produzir automatismos, nos quais o orante cai prisioneiro de um espiritualismo intimista, incapaz de uma livre abertura para o Deus transcendente. Na Igreja, a legítima busca de novos métodos de meditação deverá ter sempre em conta que, numa oração autenticamente cristã, é essencial o encontro de duas liberdades: a infinita, de Deus, e a finita, do homem”, diz o documento.

A fonte da meditação cristã

É a Bíblia que ensina como deve rezar o homem que acolhe a revelação. A Igreja recomenda sempre a leitura da Palavra de Deus como fonte da oração cristã e, ao mesmo tempo, exorta a descobrir o sentido profundo da Sagrada Escritura através da oração, para que seja possível o diálogo entre Deus e o homem; porque é a Ele que se fala quando se reza; a Ele que se ouve quando se lê os divinos oráculos (cf. nº 6).

No Antigo Testamento, existe uma maravilhosa coleção de orações, a qual se conservou viva através dos séculos também na Igreja de Jesus Cristo: o Livro dos Salmos. E, especialmente no Novo Testamento, os cristãos encontram a razão primeira e a finalidade da sua meditação: entrar na íntima relação com Deus, que se revelou ao homem na história e continua hoje a convidá-lo a encontrar-se com Ele todos os dias (cf. nº 4).

Existe, portanto, uma relação estreita entre a revelação e a oração. A Constituição dogmática “Dei Verbum”, do Concílio Vaticano II, ensina que, mediante a sua revelação, o Deus invisível “na riqueza do seu amor fala aos homens como amigos (cf. Ex 33,11; Jo 15,14-15) e convive com eles (cf. Br 3,38), para os convidar e admitir à comunhão com Ele” (cf. Dei Verbum, nº 2).

“Em virtude das palavras, das obras, da paixão e ressurreição de Jesus Cristo, no Novo Testamento, a fé reconhece Nele a definitiva autorrevelação de Deus, a Palavra encarnada que manifesta as profundidades mais íntimas do seu amor. É o Espírito Santo que faz penetrar nestas profundidades de Deus, pois é Ele quem, enviado ao coração dos crentes, ‘sonda todas as coisas, até mesmo as profundidades de Deus’ (1Cor 2, 10)” (nº 6).

A única via

A cada fiel é dada a liberdade de encontrar, “na variedade e riqueza da oração cristã, ensinada pela Igreja, o próprio caminho”. Porém, esse caminho deverá levar ao “único caminho” que é a verdadeira paz: Jesus Cristo, via estabelecida pelo Pai para o encontro com Ele. “Na procura do próprio caminho, cada qual deixar-se-á, portanto, conduzir, não tanto pelos gostos pessoais, quanto pelo Espírito Santo, o qual o guia, mediante Cristo, ao Pai” (nº 29).

Isto porque, “o amor de Deus, único objeto da contemplação cristã, é uma realidade da qual não nos podemos ‘apoderar’ por meio de qualquer método ou técnica; pelo contrário, devemos ter sempre o olhar fixo em Jesus Cristo, no qual o amor divino sobre a Cruz chegou por nós a tal ponto que Ele assumiu sobre si mesmo também a condição de afastamento do Pai (cf. Mc 15,34). Devemos, portanto, deixar Deus decidir o modo segundo o qual Ele quer tornar-nos participantes do seu amor” (nº 30).

 

Andréia Gripp
Missionária da Comunidade Católica Shalom no Rio de Janeiro (RJ)

Artigo originalmente publicado na Revista Shalom Maná (edição de 2012)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.