Formação

Meditando sobre o Natal

comshalom

“Ela deu à luz seu filho primogênito,envolveu-o em faixas e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugarpara eles na hospedaria. Havia naquela região uns pastores que passavam a noite noscampos, tomando conta do seu rebanho. Um anjo do Senhor lhes apareceu ea glória do Senhor os envolveu de luz. Os pastores ficaram com muitomedo. O anjo então lhes disse: “Não tenhais medo! Eu vos trago uma BoaNova de uma alegria que será também de todo o povo: hoje, na cidade deDavi, nasceu para vós o Salvador, que é o Cristo Senhor! E isto vosservirá de sinal: encontrareis um recém-nascido, envolto em faixas edeitado em uma manjedoura. De repente, juntou-se ao Anjo uma multidãodo exército celeste cantando a Deus: “Glória a Deus nas alturas e pazna Terra aos seres humanos por Ele amados”(Lc 2,7-14).

Houve um teólogo antigo – Orígenes? –que entendeu que o pecado de Lúcifer e de seus acólitos – os demônios –consistiu na recusa em aceitar o plano do Pai que previa a Encarnaçãodo Filho. A questão seria esta: “jamais aceitaremos adorar um serhumano inferior em natureza a nós anjos”. Imagine o leitor um imperadorromano prostrado de joelhos diante do menino, enrolado em panos, nopresépio de Belém. Satanás, inflado de orgulho, rebelou-se contra odesígnio de Deus e arrastou consigo uma terça parte das estrelas docéu: “com a cauda, varria a terça parte das estrelas do céu,atirando-as sobre a terra”(Apoc 12,4).

As estrelas do céu são os anjos. Veja,bem leitor, aqui está a raiz de todo pecado: a soberba. Curioso eemblemático que os doutores e sacerdotes de Jerusalém tenham dito aosmagos, vindos de longe, onde deveria nascer o Salvador, mas eles mesmosnão tenham ido a Belém para adorá-lo. Herodes quis matá-lo antes queele crescesse por medo de perder o poder(Cf 2,3-23). Mas, felizmente háanjos bons, possuídos de santa e humilde inveja. Eles cantavam,envolvidos pela luz divina: “glória a Deus nas alturas e paz na terraaos homens por Ele amados”. Lutero, comentando o Cântico de Maria – oMagnificat -, afirmou que a hulmildade de Maria era tal que se Deus lhetirasse a graça de ser a mãe do Messias e a desse a outra mulher, elacantaria seu cântico com o mesmo júbilo, assim: “minha alma engrandeceo Senhor, e meu espírito exulta em Deus, meu Salvador, porque Ele olhoupara a humildade de sua serva” e nela – na minha irmã – “realizoumaravilhas”. Os anjos naquela noite proclamaram o amor de Deus por nós,pobres mortais: “paz na terra aos homens por Ele amados”. Foi para elesuma infinita surpresa o mistério da Encarnação pelo qual o DeusInfinito se fez pequeno, abrigando-se sob a tenda de nossa humanidade,em tudo igual a nós, menos no pecado. Os anjos cantaram no céu, deolhos voltados para a terra, com tal vibração, que o céu desceu sobreos pastores envolvendo-os com sua luz.

A luz chegou antes que o canto: era aglória do Senhor que baixara sobre a terra. Logo chegou o canto: “umamultidão do exército celeste cantando a Deus: Glória a Deus nas alturase paz na Terra aos seres humanos por Ele amados”(Lc 2,7-14). Quantomaior o amor, maior a humildade, a capacidade de descer e de se fazerpróximo do outro, fazer nele morada e tornar-se para ele abrigo e fontede paz. Ao “sereis como deuses”,- insinuação do maligno – cheios depoder, acima do bem e do mal, Deus, em sua misericórdia, respondefazendo-se pequeno e pobre, “nascido sob a lei”, sujeito à humanacondição. Pelo pecado o ser humano encheu-se de si mesmo, pelo mistérioda encarnação o Filho “esvaziou-se de si mesmo, assumindo a condição deservo” e “humilhou-se, fazendo-se obediente até a morte e morte deCruz”(Cf. Filip 2,6-8). “Por isso, Deus o exaltou acima de tudo” e ofez “Senhor” (2,9-10). Qual a lição, a grande lição que devemos tirarde todas essas coisas? Em primeiro lugar, a certeza de que Deus nos amade verdade e se esconde sob os trapos de nossa humanidade.

Não é verdade que às vezes nos sentimoscomo trapos? Em segundo lugar, a alegria de saber que Deus ama o outrotanto quanto a mim, infinitamente. Em terceiro lugar, ter a coragem desair do próprio mundo para chegar até o mundo do outro, paracompreendê-lo e oferecer-lhe uma amizade sincera na igualdade que só oamor pode criar. O desejo de onipotência é o oposto do Deus Onipotente.A onipotência de Deus é força infinita de amor capaz de vencer todas asdistâncias. A soberba enclausura na mais absoluta soliodão e setransforma em ódio. É o inferno. Mas, no Natal o céu desceu àterra.Podemos ser cidadãos do céu. A alegria da Virgem Maria e de seuesposo José, a alegria dos pastores e dos magos vindos de longe, sejaambém sua alegria, brilho do céu no rosto de sua alma! E que seu clarãoilumine sua casa! E que a luz que brilhou sobre os pastores brilhesobre nossa cidade!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *