Igreja

Milhares de jovens voluntários limpam Beirute e distribuem alimentos e remédios

O balanço é de mais de 200 mortos e cerca de 7 mil feridos. Escolas, conventos e paróquias estão abertos como centros de refugiados e equipes de jovens estão limpando o que podem dos escombros e distribuindo as ajudas mais urgentes.

comshalom

Em Beirute, no Líbano, eles servem comida, distribuem roupas e remédios. “O apoio dos benfeitores da Ajuda à Igreja que Sofre em todo o Líbano e em outras partes da região é absolutamente vital para sustentar a presença cristã no Oriente Médio em meio ao sofrimento de conflito, violência, revolta e tragédia”, disse Neville Kyrke-Smith, diretor nacional britânico da organização caritativa.

São milhares os jovens voluntários cristãos que se mobilizaram para oferecer ajudas depois da trágica explosão de 4 de agosto passado, provocada por quase três mil toneladas de nitrato de amônio, que devastou a zona portuária e boa parte da capital libanesa.

O balanço é de mais de 200 mortos e cerca de 7 mil feridos. Escolas, conventos e paróquias estão abertos como centros de refugiados e equipes de jovens estão limpando o que podem dos escombros e distribuindo as ajudas mais urgentes, explica monsenhor Toufic Bou-Hadir, diretor da Comissão Patriarcal Maronita para a Juventude, que define como surpreendente a resposta dos jovens na ajuda às 300 mil famílias deslocadas.

Monsenhor Bou-Hadir, parceiro do projeto ACIS que fornece alimentos para 5 mil famílias afetadas pela explosão, descreve o calvário pelo qual estão passando tantas pessoas em busca de notícias de seus entes queridos desaparecidos, traumatizadas pelas tentativas de identificar os corpos gravemente desfigurados, guardados em um necrotério improvisado.

O diretor da Comissão Patriarcal Maronita para a Juventude relatou que no distrito de Achrafieh, de maioria cristã e bastante devastado pela explosão, entre os escombros foi encontrado o corpo de um maronita de 25 anos chamado Joe, que morreu segurando um crucifixo.

O jovem, contou monsenhor Bou-Hadir, resistiu à tentação de deixar seu país em busca de um futuro melhor, queria ficar, disse, para “regar o cedro”, fazendo alusão ao símbolo nacional do Líbano e à sua vontade de permanecer e contribuir para o bem de sua nação. “Agora, Joe regou o cedro com seu sangue”, acrescentou monsenhor Bou-Hadir.

“Eu sobrevivi a 15 anos de guerra civil e jamais poderia imaginar que uma coisa tão horrível pudesse acontecer ao nosso povo – comentou a Irmã Hanan Youssef, religiosa da Congregação de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor -. Mais do que nunca, as pessoas precisam de ajuda. Somos muito gratos pelas orações e apoio de nossos queridos amigos da Ajuda à Igreja que Sofre”.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *