Formação

Multiplicar o pão – A Eucaristia

comshalom

Cardeal Geraldo Majella Agnelo

Porcinco domingos nossas comunidades eclesiais vão ler e meditar ocapítulo 6º do evangelho narrado por João, começando pela multiplicaçãodos pães realizada por Jesus, seguida por longo discurso sobre o pão davida na sinagoga de Cafarnaum, com todas as consequências também paranós.

Nogesto de Jesus que fez a gente sentar-se em torno dele, tomou cincopães e os distribuiu a cinco mil pessoas, vemos o amor de um Deus queveio para estar perto de nós querendo preencher com a sua presença ovazio do nosso coração, para enriquecer nossas inteligências com osvalores do Espírito, e dar o significado profundo de nossa vida.

Depoisdo milagre, a multidão queria fazê-lo rei. Um belo sonho teriam osgovernantes para resolver os problemas econômicos do pais, com aconseqüente coroação do taumaturgo. Já o imperador Nero oferecia pão ecirco para o povo. Mas Jesus pensava e ensinava diversamente.

Algumavez a gente não compreendia Jesus. Um risco que também nós corremos. Defato, com Jesus, caminhamos no sentido de compreender o mistério do seuamor. O verbo de Deus feito homem vindo habitar entre nós é realidadeque ultrapassa a nossa compreensão, as nossas expectativas, sobretudonossos programas humanos.

Porque Jesus teve esse gesto de multiplicar os pães e os peixes? Porsolidariedade com a gente? Certamente. Jesus se comovia diante dasmultidões que lhe pareciam como rebanho sem pastores. Mas não terminavaaí. Há algo que a gente não podia atingir, como não compreendiam aindaos apóstolos naquele momento. Depois de dois mil anos, podemos entendermelhor que, com o milagre da multiplicação dos pães, Jesus queriapreparar seus discípulos para acolher o mistério indizível daEucaristia.

OVerbo encarnado queria tornar-se o Deus ‘conosco’ para sempre, e aEucaristia seria a misteriosa modalidade. Jesus queria reunir os seusamigos na maravilhosa realidade social e espiritual que será a Igreja.E pensou que o banquete eucarístico deve ser o lugar da unidade. Osseus amigos, encontrando-se com ele e entre si na Eucaristia, teriamdepois em si a força e a coragem de mudar o mundo.

Jesusdeu cumprimento pleno a esse projeto revolucionário na última ceia daQuinta Feira Santa, pronunciando as palavras que, por sua ordem,repetimos na missa: “Tomai e comei, tomai e bebei: isto é meu corpo,este é o cálice do meu sangue.” Mas para levar seus discípulos aacolher o mistério, devia prepará-los. E a multiplicação dos pães,gesto simbólico, foi o primeiro passo.

Se considerarmos com atenção esse episódio, notamos muitos elementos que evocam a Eucaristia, a missa. A nossa missa.

Háo reunir-se de muitas pessoas entorno de Jesus. Vieram para ouvi-lo,para acolher a sua palavra. E Jesus está ali para elas, paraescutá-las, para falar-lhes. Depois executa o gesto. Distribui o pãopara criar comunhão. Um menino põe à disposição o que tem, pão simples,o pão dos pobres. Jesus aceita o dom de boa vontade da gente, e cria.

Criaalgo que nutre todos. Com abundância. Com desproporção. Disse oapóstolo Filipe: “Duzentos dinheiros de pão não são suficientes. Umdinheiro, moeda, era o salário de um dia de trabalho. Era necessáriomuito pão. Mas bastou para todos, e houve sobra que encheu doze cestos.Parece a generosidade de nossas mães que trazem à mesa o alimento a fimde que todos se sirvam e ainda sobre. Assim Jesus preparava seus amigosa compreender o mistério eucarístico.

Jesusdirá com poucas palavras simples a seus discípulos, e diz também a nós:“Eu sou o pão vivo descido do céu. A minha carne é verdadeiro alimento,meu sangue é verdadeira bebida. Quem vem a mim não terá mais fome, quemcrê em mim não terá mais sede”. Um discurso peremptório para quemescuta: aceitá-lo ou recusá-lo. Quem escuta se põe pró ou contra Jesus.

Muitosse colocam contra Jesus e até querem corrigir o evangelho. E oabandonam. Jesus pergunta: “E vós não quereis também deixar-me?” E vema resposta decisiva de Pedro, homem de fé, homem dos momentos difíceis:“A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna”. O significadoda distribuição do pão é a distribuição do amor, para os males do mundoa única solução: o diálogo, a verdade, a justiça, o perdão, amisericórdia, a solidariedade.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *