Formação

Nefasto poder

comshalom

<!– /* Font Definitions */ @font-face {font-family:Tahoma; panose-1:2 11 6 4 3 5 4 4 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:1627421319 -2147483648 8 0 66047 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}p.MsoFootnoteText, li.MsoFootnoteText, div.MsoFootnoteText {mso-style-noshow:yes; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:10.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}span.MsoFootnoteReference {mso-style-noshow:yes; vertical-align:super;} /* Page Definitions */ @page {mso-footnote-separator:url("file:///C:/DOCUME~1/Eleylson/CONFIG~1/Temp/msohtml1/01/clip_header.htm") fs; mso-footnote-continuation-separator:url("file:///C:/DOCUME~1/Eleylson/CONFIG~1/Temp/msohtml1/01/clip_header.htm") fcs; mso-endnote-separator:url("file:///C:/DOCUME~1/Eleylson/CONFIG~1/Temp/msohtml1/01/clip_header.htm") es; mso-endnote-continuation-separator:url("file:///C:/DOCUME~1/Eleylson/CONFIG~1/Temp/msohtml1/01/clip_header.htm") ecs;}@page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>

 

 O rumor de um homem-bomba no meio damultidão causou pânico e morte de mais de mil iraquianos pisoteados numa ponteem Bagdá ou afogados no Rio Tigre, informa-me o jornal.

 Inevitávelformar o trinômio: boato/calúnia > pânico > morte. Inevitável,igualmente, aplicar este trinômio ao nosso dia a dia. Quem jamais foi caluniadoou vítima de boato e julgamento nem precisa acabar de ler este artigo. Nãoprecisa terminar a leitura, tampouco, aquele que nunca caluniou ou espalhouboatos. São exceções históricas e merecem uma boa pesquisa científica, além dahonra dos altares ao lado de Jesus e Maria. Além disso, muito provavelmente,não entenderá nada do que vem a seguir.

 Sevocê está no grupo dos que costumam espalhar e acreditar em boatos e calúnias,aconselho que continue a leitura, pode ser sua salvação. Se você está no timedos caluniados, julgados, vítimas de boato, também é melhor ler até o fim, paraque não aconteça que você faça aos outros o que não gostaria que fizessem avocê mesmo.

 Éespantoso o poder – nefasto poder! – de um boato, de uma calúnia.Incrivelmente, ele encontra sempre alguém que, inseguro ou desconfiado, oacolhe sem parar para pensar e, incontinenti, emite um julgamento sobre a“vítima” sem sequer perguntar-lhe se o tal boato tem procedência ou é calúniada boa.

 Nocaso de Bagdá, houve um fenômeno de massa, como se diz. Este fenômeno,entretanto, só acontece na multidão porque encontra eco em cada um de nós. Emmeio a um milhão de peregrinos, não havia como averiguar os fatos, era correrou correr. Era atirar-se ao rio na tentativa de nadar e escapar com vida ou, emmeio à correria, ser esmagado pela multidão na qual cada um só pensava emdefender a si mesmo.

 Noscasos individuais, há, sim, tempo e, na maioria das vezes, condições de seaveriguar o que de fato se está passando. No entanto, assim como a memória doshomens-bomba alimentou o medo, assim também a memória – ou neurose- alimentadapor medos e por traições reais ou imaginárias, atiça o fogo do medo e dodesespero, sempre irracionais – está mais que provado que o medo vem de nossasrepresentações interiores. Assim, mesmo a nível individual, a reação édefender-se e, para isso, em um racional pânico interior, na maior parte dasvezes, atacar.

 EmBagdá, o resultado foi a morte de milhares. Em nosso dia a dia, o resultado é amorte do irmão que passamos a considerar inimigo, pois, retratado de mododeformado em nosso imaginário, torna-se ameaça, gera insegurança e rivalidade eprecisa ser… destruído.

 Nefastopoder de morte, este do boato e da calúnia. Nefasto poder de morte, este domedo, da insegurança. Nefasto poder de morte, este que se impede por mildesculpas de procurar o irmão e prefere, covardemente, defender-se deleatacando-o com palavras e atitudes, julgando-o e o condenando sumariamente àmorte. Não foi este o nefasto poder que condenou Jesus?

 Benditopoder de vida, este do Evangelho que nos ensina a procurar o irmão que pecoucontra nós e conversar com ele franca e calmamente a sós, a fim de, como jáensinava Ezequiel, salvar a nossa vida e a dele, uma vez que, para com o irmão,a única dívida que nos é permitido ter é a do amor fraterno[1].Não foi este o poder que ressuscitou Jesus dentre os mortos?

 Qualpoder você escolhe?


[1] Cf. Mt18, 15-20; Ez 33,7-9 e Rom 13,8


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *