Formação

Novos céus e nova terra

comshalom

A modernidade pretendeu dar ao ser humano o estatuto da maioridade, da maturidade, a libertação de todas as tutelas, a autodeterminação sobre si próprio, sua vida, sua história e seu destino. Um projeto positivo, que faria a humanidade avançar.
Mas, para realizar esse sonho, que é válido se bem interpretado e bem conduzido, acabou encerrando o homem por demais na imanência deste mundo. Dispensou a transcendência divina. Tentou reduzir à irrelevância tudo o que ultrapasse as realidades terrestres mensuráveis e observáveis. A fé em Deus tolerar-se-ia, na melhor das hipóteses, como assunto privado e individual. Mas Deus não seria levado em conta nas grandes decisões sociopolíticas nem pesaria como fator importante nos grandes negócios e muito menos contaria nas pesquisas científicas e tecnológicas. Ainda se falaria em ética, mas sem base absoluta numa metafísica ou numa fé religiosa. Seria uma ética utilitarista e mínima, conveniente para não se correr o risco de tornar inviável a convivência humana, mas uma ética sempre relativa, muitas vezes apenas consensual e estatística.
Por outro lado, a modernidade procurou promover valores humanos verdadeiros, como a autonomia de todos os homens, a capacidade da razão, a liberdade e a dignidade iguais de todas as pessoas, os direitos humanos, a democracia, a autodeterminação dos povos, o progresso real das ciências e da tecnologia e tantos outros.
Contudo, encerrando o homem na imanência, os valores humanos perderam seu horizonte maior. O círculo imanente cerrado fez o homem voltar-se sobre si mesmo, num antropocentrismo exacerbado, que alimentou o egoísmo e o individualismo, a ponto de distorcer o amplo sentido desses valores. O individualismo egocêntrico tornou minha liberdade intolerante diante da liberdade dos outros, fez dos direitos humanos os meus direitos interesseiros, pouco importando se à custa dos direitos dos outros. Tudo é referido ao meu interesse individualista insaciável. Os outros pouco ou nada contam. A solidariedade desinteressada se esvazia. A competição tende a ser feroz, selvagem e irresponsável. Numa espécie de neodarwinismo sobrevive o mais poderoso, o mais forte e o mais esperto. Uma luta constante de poder e prestígio sobre os outros. Assim, a vontade do poder marca a modernidade.
Todavia, na medida em que prevalece o fechamento à transcendência divina, na medida em que predomina o antropocentrismo imanentista, não há esperança real para os mais profundos anseios do ser humano. O homem seria uma paixão inútil, como disse um filósofo. Uma afirmação derrotista, que no fundo niilista. Concretizando, a morte seria a perdição total e definitiva. Ora, a morte é um fato humano, cotidiano e inevitável. Se depois da morte nada há, então também não há esperança verdadeira. Daí, de um lado, a desesperada luta moderna pelo prolongamento da vida humana e, de outro, sua desvalorização, em tantas formas, como nas duas guerras mundiais deste século, nos genocídios, nos massacres, nas misérias e fomes consentidas pela comunidade internacional, nas violências urbanas e outras.
Mas não! A esperança existe e tem base. O homem não é uma paixão inútil. A morte não é um ponto final pavoroso. A modernidade fracassou na medida em que excluiu a transcendência divina e quis endeusar o homem, a quem, na verdade, tirou todo horizonte para se superar e sair da prisão egocêntrica. A fé cristã, ao invés, aponta uma esperança real. Por isso, um urgente diálogo entre fé cristã e cultura moderna se faz necessário, pois a modernidade mantém raízes cristãs, ainda que muito secularizada.
Deveras, a imortalidade do ser humano, na sua unidade de corpo e espírito, não é apenas um anseio íntimo e inútil de cada um de nós nem apenas uma vaga promessa de Deus, pois já ocorreu em Jesus Cristo, que ressuscitou dos mortos definitivamente. Essa ressurreição foi testemunhada por muitos e esse testemunho foi transmitido em documentos historicamente válidos. Portanto, a morte já foi vencida. Ela é apenas temporária, mas a vida terá a última palavra. Todos nós um dia ressuscitaremos.
De modo semelhante, haverá novos céus e nova terra. O Concílio Vaticano II, interpretando textos bíblicos (2Pd 3,13 e Rm 8,19-23), reafirmou que, com o gênero humano, o mundo todo encontrará sua restauração definitiva em Cristo. Depois de propagarmos na Terra os valores da dignidade humana, da comunidade fraterna e da liberdade, todos esses bons frutos da natureza e de nosso trabalho, diz o concílio, os reencontraremos, purificados de toda impureza, iluminados e transfigurados, quando no fim dos tempos Deus transformar toda a criação (GS 39). O mundo não será aniquilado, mas transformado e transfigurado em Deus.

Dom Cláudio Hummes.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *