Formação

O amor entre um rei e uma rainha

comshalom

Maria Auristela B. Alves

Desde a infância, certamente, pululam em nossas mentes fantasias e curiosidades acerca da vida dos reis e rainhas: como vivem, o que sentem, o que fazem, quais suas crenças… Neste número, conheceremos um pouco melhor a vida matrimonial do rei Balduíno da Bélgica, conhecido bastante por sua fé em Deus, sua amizade com pessoas santas – como o Cardeal Suenens, o Pe. Daniel-Ange, Verônica O’Brien e Luminosa, uma focolarina –, sua fidelidade ao Evangelho mesmo nos momentos difíceis, por exemplo quando teve de recusar-se a aprovar o aborto, seu encontro com Jesus na Eucaristia diariamente etc.

Merece ser conhecida também sua vida com Fabíola: um amor doce e terno, que toca o nosso coração e nos faz desejar amar nessa medida, segundo o amor de Deus.

O Cardeal Suenens achava que o rei necessitava casar-se e pediu que Verônica O‘Brien o ajudasse a “encontrar” a esposa adequada para o rei. Então, por meio de Verônica, Fabíola entra na vida de Balduíno. Sobre esse momento, o rei dirá: “O contato foi imediato e maravilhoso, e a confiança recíproca”.

O relacionamento deles se estreita e Balduíno afirmará: “Eu amava cada vez mais suas observações e reações, estava cada vez mais convicto de que Fabíola tinha sido escolhida desde sempre pela Santíssima Virgem para ser minha esposa, e eu lhe era infinitamente grato”. Em oração, pede a Jesus por esse relacionamento: “Ensina-me a amar Fabíola, enconrajá-la em aceitar seu ritmo, que não é o meu, sua maneira própria de pensar e organizar. Ensina-me também a respeitar sua personalidade, com todas as diferenças e contradições. Jesus, obrigado por me teres dado esse maravilhoso tesouro!”

O noivado entre eles se dá junto ao santuário de Lourdes. Balduíno escreverá mais tarde, em seu diário espiritual, que na gruta pediu a Nossa Senhora que o fizesse sentir o momento certo de fazer o pedido a Fabíola. Dessa forma, dirá depois: “Eu sabia que Nossa Senhora era uma Rainha e uma Mãe e que ainda tinha um bom número de atribuições, mas eu não sabia que ela era também organizadora de casamentos”.

Toda a Bélgica foi testemunha do grande amor entre o rei Balduíno e a rainha Fabíola. Um amor sempre mais crescente: “Amo Fabíola cada dia mais. Que graça ela é para mim!… O que mais me agrada nela é sua humildade, sua confiança na Santíssima Virgem e sua transparência… Sei que ela será todos os dias um estímulo para amar a Deus cada vez mais”. E num ato de profunda gratidão a Jesus: “Tu removeste o céu e a terra para me dar esta pérola preciosa que é Fabíola”.
O fato de ser um homem público não roubava-lhe o coração, pelo contrário, via na sua posição de rei um dever de “cuidar de seu povo”, por isso, amava a verdade e a justiça, dedicava-se especialmente aos mais pequeninos; era um homem de fé, um fervoroso cristão e no amor de Deus reencontrava o amor de sua esposa e vice-versa: “Plenifica Fabíola com a tua santidade. Que ela viva da tua alegria e da tua paz. Ensina-me a amá-la com a tua ternura. Dá a ela uma vida plena. Que ela se sinta amada com um amor de predileção por ti. Obrigada por teres me dado esse tesouro. Enche-me com o teu amor por ela”.

Num mundo onde o amor humano é freqüentemente atacado, a aliança entre Balduíno e Fabíola mostra que o amor profundo e brilhante ainda é possível e que a prova, longe de esfriá-lo, contribui para fortificá-lo. Um amor real, que comporta alegria, felicidade e, é claro, sofrimentos. Ele, que dissera: “Tenho muito a progredir sempre que encontro uma pequena cruz. Toda vez que não ajo imediatamente é como se não a reconhecesse, não a acolhesse, não a abraçasse quando Jesus vem ao meu encontro. Como eu amaria recebê-lo com alegria e ternura!” E não faltaram sofrimentos também em seu casamento, sobretudo, o de um casal que não pode gerar filhos: “Questionamo-nos muito sobre o sentido desse sofrimento. Pouco a pouco compreendemos que o nosso coração estava mais livre para amar todas as crianças”.

      A vida desse rei que, dia-a-dia, empenhava-se no seguimento de Cristo, doando-se a Ele e aos outros, é verdadeiramente uma evangelização. Que o desejo dele de ser santo encontre-se com o nosso: “Tentem, perseverem nesse esforço de amar com atos. Não desistam nunca. Se vocês o fizerem, verão até as pessoas mudarem em torno de vocês, e todas as noites vocês sentirão uma grande alegria dentro do coração. Tornai-vos construtores do amor”.

Fontes bibliográficas:
Suenens, Cardeal. O amor de um rei por sua rainha. Il Est Vivant, nº especial, Jul/ Ago de 1999.
Moens, Jean-Luc. Balduíno, o segredo do rei. Is Est Vivant, nº 114, Maio de 1995.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *