Formação

O anúncio do evangelho

comshalom

A exortação apostólica “Evangelii Nuntiandi” do Santo Padre Paulo VI, publicada na sequência do Sínodo sobre a Evangelização, é um documento indispensável para compreender e realizar uma autêntica evangelização do mundo atual. Neste sentido, em momentos em que querem calar a voz dos cristãos, tentando proibir cidadãos brasileiros de exercer o direito de expressar as suas convicções, que, além de atualizar os valores humanos, são inspirados no Evangelho que ilumina a Vida, também defendendo a vida desde o ventre materno até o seu termo natural, queremos reafirmar que a missão da Igreja é evangelizar, propondo a todos uma boa notícia, contando com a assistência do Espírito Santo de Deus, que é quem dirige a Igreja de Cristo.

Nesse documento, destacam-se duas ideias basilares desta exortação, que são a relação íntima entre a evangelização e a vida do dia a dia, e os laços profundos entre a evangelização e a promoção humana que, para o Papa Paulo VI, são de três ordens: antropológica (o homem que há de ser evangelizado não é um ser abstrato, mas é sim um ser condicionado pelo conjunto dos problemas sociais e econômicos); teológica (nunca se pode dissociar o plano da criação do plano da redenção; um e outro a abrangerem as situações bem concretas da injustiça que há de ser combatida e da justiça a ser restaurada) e evangélica (que é da ordem da caridade: como se poderia, realmente, proclamar o mandamento novo sem promover na justiça e na paz o verdadeiro e o autêntico progresso do homem?)

Pode-se dizer ainda que a evangelização implica em três aspectos essenciais: o primeiro é a renovação interior da humanidade: A finalidade da evangelização, portanto, é precisamente esta mudança interior; e se fosse necessário traduzir isso em breves termos, o mais exato seria dizer que a Igreja evangeliza quando unicamente firmada na potência divina da mensagem que proclama, ela procura propor a conversão ao mesmo tempo da consciência pessoal e coletiva dos homens, a atividade em que eles se aplicam e a vida e o meio concreto que lhes são próprios.

Já o segundo aspecto fala sobre a transformação dos critérios e estilos de vida: para a Igreja não se trata apenas de pregar o Evangelho a espaços geográficos cada vez mais vastos ou populações maiores em dimensões de massa, mas de chegar a atingir e como que a modificar pela força do Evangelho os critérios de julgar, os valores que contam, os centros de interesse, as linhas de pensamento, as fontes inspiradoras e os modelos de vida da humanidade, que se apresentam em contraste com a Palavra de Deus e com o desígnio da salvação.

Por fim, o terceiro aspecto nos fala de uma conversão radical: importa evangelizar, não de maneira decorativa, como que aplicando um verniz superficial, mas de maneira vital, em profundidade, e isto até às suas raízes, a civilização e as culturas do homem, numa verdadeira inculturação, pois o Evangelho e a evangelização, independentes em relação às culturas, não são necessariamente incompatíveis com elas, mas susceptíveis de impregná-las a todas, sem se escravizar a nenhuma delas. Por isso, conclui Paulo VI, a ruptura entre o Evangelho e a cultura é sem dúvida o drama da nossa época, como o foi também de outras épocas. Isso foi muito bem apresentado no Documento de Aparecida, quando recorda que a mudança de época atual é cultural.

O Papa Paulo VI apresenta nesse documento sobre a Evangelização os meios mais adequados ao apostolado: o testemunho de vida, o anúncio explícito feito de uma forma viva e atraente, e a adesão vital numa comunidade eclesial. Note-se a prioridade dada ao testemunho, principalmente para a nossa juventude, que procura a Igreja e o jeito de viver a fé particularmente a partir do testemunho de nossos evangelizadores. É famoso esse tema: os homens de hoje escutam muito mais as testemunhas que os mestres e, se escutam os mestres, é porque são testemunhas!

Assim sendo, a evangelização é um processo complexo em que há variados elementos: renovação da humanidade, testemunho, anúncio explícito, adesão do coração, entrada na comunidade, aceitação dos sinais e iniciativas de apostolado.

É, por isso, que as técnicas da evangelização são boas, obviamente, mas, ainda as mais aperfeiçoadas, não poderiam substituir a ação discreta do Espírito Santo. A preparação mais apurada do evangelizador nada faz sem Ele. De igual modo, a dialética mais convincente, sem Ele permanece impotente em relação ao espírito dos homens. E, ainda, os mais bem elaborados esquemas com base sociológica e psicológica, sem Ele em breve se demonstram desprovidos de valor, porque o Espírito Santo é o agente principal da evangelização: é Ele, efetivamente, que impele para anunciar o Evangelho, como é Ele que no mais íntimo das consciências leva a aceitar a Palavra da salvação. Mas pode dizer-se, igualmente, que Ele é o termo da evangelização – de fato, somente Ele suscita a nova criação, a humanidade nova que a evangelização há de ter como objetivo.

Nestes tempos atuais é muito bom recordar esse documento conclusivo do Sínodo sobre a Evangelização e, com as realidades atuais, vivermos com entusiasmo a nossa vida de discípulos missionários, para que, em Cristo, todos tenham vida e a tenham em abundância!

É muito importante, neste mês e dia mundial das missões, termos bem claro essa nossa missão e a sua importância para o mundo atual, pois as pessoas têm o direito de conhecer a Salvação e isso interessa a todos e tem consequências na sociedade, levando à verdadeira justiça e construindo a paz!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *