Formação

O BEIJO DE JUDAS

comshalom

A traição é uma ofensa que parece imperdoável. Judas até hoje é queimado e apedrejado pelo terrível ato que fez. Seu nome virou sinônimo de ‘traidor’ e não há ninguém que queira tê-lo como identificação e, se o tem, logo é agregado a outro nome para diferenciar bem do Iscariotes.

Com um gesto de afeto e de respeito, um beijo, Judas entrega aquele com quem conviveu de perto por três anos, ouvindo suas palavras e testemunhando seus milagres. À preço de escravo, trinta moedas de prata vendeu seu mestre.

O beijo de Judas continua a entregar pessoas e coisas valiosas nas mãos da malvadeza e da ignomínia. Por ninharia, troca-se o que é de valor incalculável por nada. Esposos e esposas traem uns aos outros influenciados pela paga que lhes sugere o impulso da paixão: alguns momentos de aventura.

As drogas, por sua vez, chegam como a melhor das opções através de amigos que continuam a beijar a face de uma multidão de jovens, enquanto lhes oferece o proibido, retira-lhes o concedido.

Da política e da administração pública quantos beijos – de Judas – recebidos. São as promessas nos períodos eleitorais, as imagens maquiadas disfarçam os de má índole que, quando no poder, dão largas à sua intenção ladina. Com sorriso fácil e desenvoltura, que parece puro afeto, políticos e gestores aproximam-se, beijam-nos e recebem sua recompensa, no entanto, como o de Judas um dinheiro amaldiçoado.

Em todos os casos, as conseqüências da traição são grandiosas: famílias acabadas, jovens sem esperança, governo sem credibilidade. Entretanto, essas conseqüências não são irremediáveis. É possível retornar ao amor, à lucidez e à confiança mesmo depois de uma traição.

Judas, ao dar-se conta do que fez, desesperou-se e enforcou-se ao tinido das moedas que caíam, recompensa da traição. Mas houve outro que também negou Jesus pela mesma época: Pedro. Numa madrugada recusou-se dizer por três vezes que o conhecia. No entanto, acolheu o perdão dado pelo traído e tornou-se o primeiro dentre os apóstolos.

Ao malhar Judas não se esqueça que recebemos, mas há vezes que também damos o beijo de Judas.

Vanderlúcio Souza


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  1. No entanto, Maria chamada A Madalena jamais traiu o Nazareno. Deu a cara a tapa e ficou com ele em todos os momentos cruciais do final da Paixão, enquanto os outros discípulos escondiam-se como coelhos assustados. Maria A Madalena era uma figura tão gigantesca que não cabia no seu tempo.