Formação

O Decálogo: Encontro do amor de Deus e do amor do homem

O Decálogo é para o homem fonte de liberdade e de amizade com Deus, pois através dele o Senhor revela ao homem sua santíssima vontade que é sempre benevolente.

comshalom

 A palavra Decálogo é uma palavra grega usada pela Septuaginta (tradução grega do Antigo Testamento) que significa literalmente dez palavras. Na Tradição hebraico-cristã é o termo técnico utilizado para expressar o todo dos Dez Mandamentos da Lei de Deus, confiados a Moisés no monte Sinai segundo a narrativa do livro do Êxodo (Ex 20,1-17) ou no monte Horeb segundo Dt 4,9.5,1-21.

Nas duas narrativas o Decálogo está ligado ao êxodo, não enquanto livro do Êxodo, mas ao êxodo enquanto evento de libertação do povo de Deus das mãos dos egípcios. Ao mesmo tempo, o Decálogo faz parte da proposta da Aliança entre Deus e o povo eleito. Nesta perspectiva compreendemos que as Dez Palavras indicam as condições de uma vida liberta da escravidão do pecado,aberta à vontade de Deus e ao amor ao irmão; pois o Decálogo se apresenta em duas tábuas, que na tradição cristã são interpretadas à luz do Novo Mandamento:Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração… Amarás o teu próximo como ati mesmo” (Mt 22,37.39). Os três primeiros Mandamentos são relacionados à primeira tábua da Lei e dizem respeito à prioridade que o amor a Deus deve terem nossas vidas. Os outros sete Mandamentos são relacionados à segunda tábua e consideram as relações dos homens entre si. A partir daqui, compreendemos que além de indicar a primazia de Deus em relação a todas as coisas o Decálogo tem como intenção salvaguardar a grandeza, a dignidade e a honra do homem. Pois os três primeiros Mandamentos vinculam o homem a Deus, princípio e fim de sua existência.E os outros sete orientam o homem para o amor ao próximo. Amor este que o realizará no dom perfeito de si mesmo.

O Decálogo é para o homem fonte de liberdade e de amizade com Deus, pois através dele o Senhor revela ao homem sua santíssima vontade que é sempre benevolente, e que é também expressão da sua presença amorosa e verdadeira na vida do povo ao qual Ele oferece a Aliança. Ou seja, Deus, no Decálogo se deixa conhecer, demonstra o quanto ama o homem e o quanto se preocupa com as relações dos homens entre si. Sendo assim, no Decálogo, Deus eo homem se encontram, o amor entre Deus e o homem se realizam, o amor de Deus que se revela e o amor do homem que é resposta concreta ao amor de Deus através da obediência à sua vontade manifesta.

 No Novo Testamento o Decálogo não é abolido, mas pelo contrário, o Mestre o leva à perfeição. Certa vez, um jovem veio a Jesus e perguntou-lhe: “mestre, que devo fazer de bom para ter a vida eterna?” Ao que Jesus respondeu: “se queres entrar na vida eterna,guarda os mandamentos” (Mt 19,16s).

Neste momento, sem tomar como objeto do nosso estudo a continuação desse diálogo, percebemos que Jesus indica a vivência dos Mandamentos como caminho para a eternidade. Guardar os Mandamentos é fonte devida, de vida em abundância, de vida eterna e de plenitude de vida. O seguimento de Jesus não exclui, mas ao contrário, implica também na observância dos Mandamentos.

É interessante notarmos que na sequência do diálogo de Jesus com o jovem rico encontraremos um caminho de pobreza aconselhado pelo Senhor. E se notarmos que no mesmo capítulo, o evangelista vai tratar do Matrimônio e da Castidade, percebemos assim, que Mandamentos e Conselhos Evangélicos caminham juntos fazendo parte ambos do seguimento de Jesus.

No Sermão da Montanha, que Mateus apresenta como a segunda Lei, ou como a Lei levada à perfeição, Jesus não somente retoma, mas também aprofunda os Mandamentos: “Ouvistes o que foi dito: não matarás… Eu porém vos digo: aquele que chamar o seu irmão idiota estará sujeito ao julgamento do Sinédrio” (Mt 5,21-22). Em Cristo, o Decálogo passa a ter valor de Lei interior que orienta não somente as nossas ações exteriores, mas os movimentos do nosso coração. Sendo assim, em Jesus, o Decálogo não pode mais ser relacionado às práticas moralistas, mas como caminho de conversão, pois o Senhor não quer somente as nossas ações, mas o nosso coração. Deus, que revela o seu amor também no Decálogo, quer o coração do homem, o centro das decisões e a sede dos sentimentos humanos.

O Decálogo, enquanto resposta amorosa dos filhos de Deus à vontade do Pai, hoje, se torna mais atual do que nunca. Basta olharmos para o mundo que está ao nosso redor, para cultura de morte que vai se instalando e compreenderemos que em Cristo o Decálogo responde às mais graves exigências de paz do mundo hodierno. E mais do que nunca, as Dez Palavras são fonte de vida(Dt 30,16).

Padre Sílvio Scopel

Missionário da Com. Católica Shalom em Fortaleza


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *