Formação

O Desejo de Deus e a Revelação de Deus

comshalom

Temos em nosso coração uma grande necessidade de sermos felizes e encontrarmos a paz e isto nos faz professar a fé em um Deus, que está vivo que nos sustenta com a sua misericórdia. A partir desta afirmação percebemos que a fé é a resposta do homem a Deus que se revela e a ele se doa, trazendo ao mesmo tempo uma luz superabundante ao homem em busca do sentido último de sua vida. Por isso vamos considerar primeiro esta busca do homem, seguindo a Revelação Divina e finalmente vamos entender a nossa crença em Deus, que é Pai e Criador de todas as coisas.

1. O Desejo de Deus ( Cat. 27 – 43)

O desejo de Deus está inscrito no coração do homem, uma vez que este é criado por Deus e para Deus; e Deus não cessa de atrair o homem a si, e somente em Deus o homem há de encontrar a verdade e a felicidade que não cessa de procurar. Assim diz o texto da Gaudium et Spes:

“O aspecto mais sublime da dignidade humana está nesta vocação do homem à comunhão com Deus. Este convite que Deus dirige ao homem, de dialogar com ele, começa a existência humana. Pois se o homem existe , é porque Deus o criou por amor e, por amor, não cessa de dar-lhe o ser, e o homem só vive plenamente, segundo a verdade, se reconhecer livremente este amor e se entrega ao seu criador.” (GS 19,1)

No decorrer da história e mesmo na atualidade, os homens têm procurado várias maneiras para a BUSCA DE DEUS. Esta busca acontece através de suas crenças e seus comportamentos religiosos (orações, cultos, meditações, etc). Apesar dos vários caminhos e formas de expressão, podemos concluir que o homem é um ser religioso, pois existe uma necessidade de satisfação interior que só Deus pode suprir. (At 17,23-28.)

2. Eu Posso dizer não a Deus?

Mesmo que se perceba que a ” união íntima e vital com Deus ” é necessária, o homem pode tomar uma atitude de esquecimento ou ignorar esta união e até mesmo rejeitá-la explicitamente. Assim, existem origens diversas de dizer NÃO, tais como:

– a revolta contra o mal no mundo
– a ignorância ou a indiferença religiosas
– as preocupações com as coisas do mundo e com a riqueza (Mt 13,22)
– o mau exemplo dos crentes
– as correntes de pensamento hostis à religião
– e finalmente a atitude do homem pecador que se esconde de Deus(Gn 3,8-10) e foge diante do seu chamado (Jon 1,3).

Como diz o salmista: ” Alegre-se o coração dos que buscam o Senhor ” (Sl 105,3). Se o homem pode esquecer ou rejeitar a Deus, este de sua parte não cessa de chamar todo homem a procurá-lo, para que viva e encontre a felicidade. Mas esta busca exige do homem todo o esforço de sua inteligência, a retidão de sua vontade, ” um coração reto ” , e também o testemunho dos outros, que o ensinam a procurar a Deus.

3. As Vias De Acesso ao Conhecimento de Deus

“Façamos o homem à nossa imagem e semelhança” (Gn 1,26). O homem foi criado para ser imagem de Deus e chamado a conhecê-lo e amá-lo. Deste modo, o homem que procura a Deus descobre certas “vias” para motivar o conhecimento de Deus. Estas por sua vez, não se tornam provas da existência de Deus, como a ciência natural busca, mas são “argumentos convincentes” que permitem chegar a verdadeiras certezas. O ponto de partida destas vias é a criação: o mundo e o homem. Então vejamos:

– o mundo: a partir do movimento, da contingência, da ordem e da beleza do mundo, pode-se conhecer a Deus como origem e fim do universo. (Rm 1,19-20 e At 14,15.17)

– o homem: pela abertura à verdade, com o bom senso do bem moral, com a sua liberdade e a voz da consciência e seu desejo de ser feliz, o homem se interroga sobre a existência de Deus. E nestas aberturas vai percebendo sinais de sua alma espiritual que são sementes de eternidade e começa a perceber que sua alma não pode ter sua origem senão em Deus.

3.1. O conhecimento de Deus segundo a Igreja.

Diz o texto do Concílio Vaticano I : ” A Santa Igreja, nossa mãe, sustenta e ensina que Deus, princípio e fim de todas as coisas, pode ser conhecido com certeza pela luz natural da razão humana a partir das coisas criadas “.

O homem recebe de Deus esta capacidade por ter sido criado ” à imagem de Deus “. Com o uso desta capacidade o homem pode acolher a revelação divina e ser iluminado por ela para entender “as verdades religiosas e morais ” a fim de que amadureça na fé, desviando-se assim de qualquer erro que possa levá-lo a um distanciamento de Deus.

4. A Revelação de Deus (Cat. 51 – 67)

Através da razão natural, o homem pode conhecer a Deus, a partir de suas obras. Mas além desta maneira existe outra ordem de conhecimento que o homem não pode atingir com suas forças, é a Revelação Divina. Deus quer se revelar e se doar ao homem, ELE quer tornar conhecido o seu projeto , o seu plano de amor. Quer demonstrar a sua bondade infinita com a humanidade através do envio de seu Filho em prol dos homens, sua obra prima. E com Jesus e o Espírito Santo a Revelação de Deus torna – se plena e completa.

Deus ao revelar-se a nós, supõe que acreditemos no que diz. Isso se chama : Fé. Revelando-nos quem É , revela-nos também seu plano. A Revelação, exige nossa fé, por isso, podemos ter uma informação mais completa desse Plano.

4.1. Deus revela o seu ” projeto benevolente ” :

Deus revela-se ao homem. Vejamos como essa Revelação realiza e plenifica profundamente o homem. Com essa motivação, o Amor, o próprio Deus vai sentir-se realizado ! O amor é o motivo mais profundo porque Deus se revela ao Homem.

Deus, que “habita uma luz inacessível” (I Tim 6,16), quer comunicar a sua própria vida divina aos homens, criados livremente por ele , para fazer deles, no seu Filho único, filhos adotivos (Ef. 1,4 – 5). Ao revelar-se, quer tornar os homens capazes de responder-lhe, de conhecê-lo e de amá-lo bem além do que seriam capazes por si mesmos.

Este projeto tem uma pedagogia própria e ” divina ” . Deus comunica-se gradualmente ao homem. Isto realiza-se através de ações e palavras. Deus prepara o Homem por etapas para receber a Revelação sobrenatural que vai culminar na Pessoa e na missão do Verbo encarnado, Jesus Cristo.

4.2. Etapas da Revelação :

No Antigo Testamento :

a) Desde a origem, Deus se dá a conhecer; Através da coisas criadas, proporciona aos Homens um testemunho de si mesmo, abrindo assim um caminho de salvação para a humanidade desde o começo da sua História.

b) A Aliança com Noé; Depois do dilúvio (Gn 9,9) esta Aliança exprime o princípio da Economia divina para as ” nações ” , isto é, para todos os povos (Gn 10,5).Esta permanece em vigor, até a proclamação universal do Evangelho. Nesta Aliança percebemos que ” desejo ” de Deus é congregar todos os seus filhos dispersos para a unidade (Jo 11,52).
c) Deus elege Abraão; A fim de congregar a humanidade dispersa, Deus elegeu Abraão, chamando-o ” para fora de seu país, da sua parentela e de sua casa ” (Gn 12,1), para fazer dele o pai de uma multidão de nações ” (Gn 17,5). O povo originado de Abraão será o depositário da promessa feita aos patriarcas, o povo da eleição, chamado a preparar o congraçamento de todos os filhos de Deus na unidade da Igreja.

d) Deus forma o seu povo Israel; Depois dos patriarcas, Deus formou Israel como seu povo salvando-o da escravidão do Egito. Fez com ele a aliança do Sinai e deu-lhe, através de Moisés, a sua Lei, para que o reconhecesse e o servisse como único Deus vivo e verdadeiro, Pai providente e juiz justo, e para que esperasse o Salvador prometido. Israel é o Povo sacerdotal de Deus(Ex 19,6), aquele que traz o nome do Senhor (Dt 28,10).

No Novo Testamento:

a) Cristo Jesus ” Mediador e Plenitude de toda a Revelação” Deus revelou-se plenamente enviando seu próprio Filho, no qual estabeleceu a sua Aliança para sempre. Cristo, o Filho de Deus feito Homem, é a Palavra única, perfeita e insuperável do Pai . Nele o Pai disse tudo e não haverá outra Palavra como esta, de sorte que depois dele não haverá mais outra Revelação.

O primeiro bem necessário para o cristão é a Fé. Sem ela ninguém pode ser chamado de fiel cristão. A fé produz quatro bens :

a. Primeiro bem: união da alma com Deus – Pela fé realiza-se uma espécie de matrimônio entre a alma e Deus, conforme se lê no Profeta Oséias : Desposar-te-ei na fé (Os 2,20).

b. Segundo bem: pela fé é iniciada em nós a vida eterna ; A vida eterna não consiste senão em conhecer a Deus (Jo 17,3). Esse conhecimento de Deus inicia-se aqui pela fé, mas é completado na vida futura, quando O conhecermos tal como é , conforme Heb.11,1 ” A fé é a substância das coisas que se esperam”.

c. Terceiro bem: a vida presente é orientada pela fé; A fé ensina todos os princípios do bem viver. Ela ensina que há um só Deus, que fomos criados para a eternidade com o Senhor da vida. Esse conhecimento é suficiente para nos levar a praticar o bem e evitar o mal, pois diz o Senhor : O meu justo vive pela fé (Hb 2,4).

d. Quarto bem: pela fé vencem-se as tentações (Hb 1,23); O mundo nos tenta, seduzindo-nos na prosperidade, ou nos atemorizando nas adversidades. Mas ambas as tentações, vencemo-las pela fé. Ela nos faz crer numa vida melhor, desprezamos os prazeres do mundo e alcançarmos a vitória pela fé, conforme João : Esta é a vitória que vence o mundo, a vossa fé (I Jo 5,4).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *