Formação

O dia em que o amor foi batizado

comshalom

Numa antiga basílica se encontrava uma velha pia batismal. Levaram então o amor para ser batizado. Sim, o amor. Ele chorava diante de tantos olhares curiosos. Com sua cabeça já submersa, pergunta o padre à assembléia: “E que nome lhe querem dar”? Esta não era uma pergunta retórica. Uma anciã trêmula se levanta a duras penas. Apoiada em seu cajado propõe:
“Consolo! Deve se chamar Consolo.” E segue tossindo. Após uma prolongada pausa, levanta um jovem propondo: “Prazer. Assim se deve chamar.” Em seguida um empresário: “Fama!”, e logo uma dona de casa: “Respeito”. Muitos se atreveram a dar-lhe um novo nome, segundo seus interesses. O amor já quase se afogava. Finalmente, vendo que cada um gritava a própria mercadoria quase como sucede numa feira dominical, e que o amor é  muito mais que tudo isso, o padre lhe suspende e diz: “Basta! Ele se chamará… AMOR!”

O fenômeno que acontecia naquela grande basílica é o retrato das deformações do amor em tantos âmbitos da nossa sociedade. O amor parece ter muitos nomes. E seguem querendo batizá-lo. Depois de tantas e tantas vezes maltratado ele já é quase irreconhecível, um maltrapilho. Mas qual é o autêntico rosto do amor? Acaso não morreu entre os cabos de televisão e internet, no coração de tantos jovens e famílias? Não arrugamos o rosto do amor? Qual é o seu verdadeiro nome?

Nas páginas da Encíclica Deus Caritas Est, Bento XVI vai delineando magistralmente o verdadeiro rosto do amor. Mostra primeiramente que não é um mero êxtase sensual e egocêntrico que arrasta a pessoa para fora de si em um arrebato quase divino. Não é aquela alegria suprema que ultrapassa os limites da razão. Não é o prazer descontrolado e egoísta que enclausura o homem nas trincheiras de seu ego. Não é puro eros (amor possessivo). De fato, “[…] o eros inebriante e descontrolado não é subida, «êxtase» até ao Divino, mas queda, degradação do homem. Fica assim claro que o eros necessita de disciplina, de purificação para dar ao homem, não o prazer de um instante, mas uma certa amostra do vértice da existência, daquela beatitude para que tende todo o nosso ser” (DCE I, 4).

O amor tampouco é aquele afã filantrópico descontrolado que faz com que a pessoa abondone a si mesma e seus compromissos. Não é a mera oblação pessoal mecânica que nega  nossa necessidade vital de ser amados e correspondidos. Não é um ágape (amor de entrega, oblativo) desmedido. A experiência do amor humano maduro é bem diversa: é a síntese ordenada destas duas formas. “Na realidade, eros e agape — amor ascendente e amor descendente — nunca se deixam separar completamente um do outro. Quanto mais os dois encontrarem a justa unidade, embora em distintas dimensões, na única realidade do amor, tanto mais se realiza a verdadeira natureza do amor em geral. […] à medida que se aproxima do outro, far-se-á cada vez menos perguntas sobre si próprio, procurará sempre mais a felicidade do outro, preocupar-se-á cada vez mais dele, doar-se-á e desejará « existir para » o outro. Assim se insere nele o momento da agape; caso contrário, o eros decai e perde mesmo a sua própria natureza” (DCE I, 7).

Amor é amar e ser amado, é doar-se e é também receber, é ágape e eros. Quando eros e ágape fazem as pazes e se harmonizam na pessoa, “[…] Agora o amor torna-se cuidado do outro e pelo outro. Já não se busca a si próprio, não busca a imersão no inebriamento da felicidade; procura, ao invés, o bem do amado: torna-se renúncia, está disposto ao sacrifício, antes procura-o” (DCE I, 6).

Não se pode viver só de eros. Um amor possessivo que busque somente receber não deve sequer ser chamado de «amor», mas de «egoísmo brutal». A pessoa se realiza buscando e oferecendo amor. Quando o oferecimento do amor é gratuito e sincero, somos amados também, em resposta. Que exemplo tão grande nos deram disso os primeiros cristãos e os santos: souberam tomar a iniciativa, amar, dar o passo, ceder, perdoar. Viviam segundo um amor autêntico, um amor de oferecimento de si e de aceitação. Amavam e eram amados.

A família e a sociedade muda quando triunfa esse amor sincero. São bem diversas quando o amor sintetiza doação e recebimento, oferecimento de si e aceitação do outro. São diversas quando o amor é menos egoísta, quando o amor é AMOR!

É verdade, parece que nos cabos de internet e na televisão flui mais o eros desmedido que o amor sincero. Mas não devemos cruzar os braços e deixar que batizem o amor com mil nomes desconhecidos. A renovação do amor deve começar desde o coração de cada cristão. Assim sentia o Santo Padre ao terminar sua primeira encíclica, Deus Caritas Est, com a frase: “Viver o amor e, deste modo, fazer entrar a luz de Deus no mundo […]” (DCE II, 39).

Rebatizemos o amor em nossas vidas, não segundo nossos interesses pessoais, mas segundo o que ele realmente é. O amor sempre existirá. O que muda é como o vivemos.

por Gabriel Leal  


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *