Formação

O Espírito Santo nos faz abundar na esperança

comshalom

«Segundo a fé cristã, a ‘redenção’, a salvação, não é simplesmente um dado de fato. É-nos oferecida a salvação no sentido de que se nos deu a esperança, uma esperança fiável, graças à qual podemos enfrentar nosso presente: o presente, ainda que seja um presente fatigoso, pode ser vivido e aceito quando se leva para uma meta, se podemos estar seguros desta meta e se esta meta é tão grande que justifica o esforço do caminho.»

 

Estabelece-se uma espécie de equivalência e de qualidade de intercâmbio entre esperar e ser salvos, como também entre esperar e crer. «A fé – escreve o Papa – é esperança», confirmando assim, de um ponto de vista teológico, a intuição poética de Charles Péguy, quem inicia seu poema sobre a segunda virtude com as palavras: «A fé que prefiro – diz Deus – é a esperança».

 

Da mesma forma que distinguimos dois tipos de fé: a fé crida e a fé crente (ou seja, as coisas cridas, e o próprio ato de crer), assim ocorre com a esperança. Existe uma esperança objetiva que indica a coisa esperada – a herança eterna – e existe uma esperança subjetiva que é o próprio ato de esperar essa coisa. Esta última é uma força de propulsão para diante, um impulso interior, uma extensão da alma, uma dilatação para o futuro. «Uma migração amorosa do espírito para o que se espera», dizia um antigo Padre.

 

Paulo nos ajuda a descobrir a relação vital que existe entre a virtude teologal da esperança e o Espírito Santo. Faz que cada uma das três virtudes teologais se remontem à ação do Espírito Santo. Escreve: «Pois nós, em virtude do Espírito, aguardamos pela fé a justiça que é objeto da esperança. Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão têm valor, mas somente a fé que atua pela caridade».

 

O Espírito Santo nos é apresentado assim como a fonte e a força de nossa vida teologal. É por mérito seu, em especial, que podemos «abundar na esperança». «O Deus da esperança – escreve o Apóstolo um pouco mais adiante, na mesma Carta aos Romanos – vos cumula de todo gozo e paz em vossa fé, até transbordar de esperança pela força do Espírito Santo» (Rm 15, 13). «O Deus da esperança»: que insólita definição de Deus!

 

Às vezes se chamou a esperança de «a parente pobre» das virtudes teologais. Houve, é certo, um momento de intensa reflexão sobre o tema da esperança, até dar lugar a uma «teologia da esperança». Mas faltou uma reflexão sobre a relação entre esperança e Espírito Santo. Contudo, não se compreende a peculiaridade da esperança cristã e sua alteridade com relação a qualquer outra ideia de esperança se não for contemplada em sua íntima relação com o Espírito Santo. É Ele quem marca a diferença entre o «princípio esperança» e a virtude teologal da esperança. As virtudes teologais são tais não só porque têm Deus como seu fim, mas também porque têm Deus como seu princípio; Deus não é só seu objeto, mas também sua causa. São causadas, infusas, por Deus.

 

Precisamos de esperança para viver e necessitamos do Espírito Santo para esperar! Um dos principais perigos no caminho espiritual é o de desalentar-se diante da repetição dos próprios pecados e a aparentemente inútil sucessão de propósitos e recaídas. A esperança nos salva. Dá-nos a força para recomeçar, para crer cada vez que essa será a ocasião boa, a da verdadeira conversão. Atuando assim, comove-se o coração de Deus, que virá em nossa ajuda com sua graça.

 

«A fé não me surpreende, diz Deus. (Continua sendo o poeta da esperança quem fala; melhor dito, quem faz Deus falar). Resplandeço assim em minha criação. A caridade não me surpreende, diz Deus. Essas pobres criaturas são tão infelizes que, a menos que tenham um coração de pedra, como não deveriam ter caridade umas pelas outras… Mas a esperança, diz Deus, é o que me surpreende. Que os pobres filhos vejam como vão as coisas e que creiam que melhorarão amanhã. Isso é alucinante. E se precisa que minha graça seja de verdade de uma força incrível.».

 

Não podemos contentar-nos em ter esperança só para nós. O Espírito Santo quer fazer de nós semeadores de esperança. Não há dom mais belo que difundir esperança em casa, em comunidade, na Igreja local e universal. É como certos produtos modernos que regeneram o ar, perfumando todo o ambiente.

 

Concluo a série destas meditações quaresmais com um texto de Paulo VI que resume muitos dos pontos que toquei nelas:

 

«Nós nos perguntamos várias vezes… que necessidade advertimos, primeira e final, para esta Igreja nossa abençoada e amada. Devemos dizer quase com temor e súplica, porque é seu mistério e sua vida, já sabeis: o Espírito Santo, animador e santificador da Igreja, seu alento divino, o vento de suas velas, seu princípio unificador, sua fonte interior de luz e de força, seu apoio e seu consolador, sua fonte de carismas e de cantos, sua paz e sua alegria, seu penhor e prelúdio de vida feliz e eterna. A Igreja precisa de seu perene Pentecostes; precisa de fogo no coração, de palavra em seus lábios, de profecia no olhar… Precisa, a Igreja, recuperar o desejo, o gosto e a certeza de sua verdade.».


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *