Formação

O Homem e a Mulher antes, durante e após o Pecado

comshalom

Cassiano Azevedo
Missionário Consagrado da Comunidade de Vida Shalom

Uma das melhores representações da criação da mulherencontra-se no museu da catedral de Florença. Donatello a fez entre 1405-1407em terracota vitrificada. Baseado em 2 Geneses vemos a esquerda, o homem deitado delado num sono profundo. Ele não teve nenhuma participação na criação da mulherque lhe é tirada do lado, “não do pé como uma serva, nem da cabeça como umapatroa, mas do lado como uma companheira” como diz santo Anselmo. Se a vermosfrontalmente, a mulher esboça um sorriso profundo de felicidade e realização,pois é tirada da costela de Adão pelos braços vigorosos de amor do Pai e vemosela se apoiar inteiramente sobre seus braços; é assim que ela encontra suaidentidade e missão mais profunda. Sem este apoio ela cai e consigo leva ohomem a também cair. Quando Deus fez os animais apresentou-os ao homem que osdeu nome (autoridade) sobre eles, mas não encontrou uma ajuda adequada. Adãotrava agora um momento de solidão: apesar de ter todo o paraíso, se sentesozinho e incompleto.A presença da mulher cancela a ansiedade e a solidão dohomem que é celebrada no canto de amor de um dos trechos mais poéticos dabíblia no qual Adão exclama: “Eis vida (ossos) de minha vida (ossos) e eu(carne) de mim (carne) mesmo” e chama-a “isshah (mulher) porque do ish (homem)foi tirada”.

Ao fundo nós vemos a árvore da Ciência do Bem e do Mal sobreAdão e atrás do Criador, a árvore da Vida, ambas intocáveis, ou seja, o homemera submisso ao seu Criador e confiava plenamente em sua essência maisprofunda, o Amor.

 

O Homem e a Mulher durante o Pecado

Em 1550, Tintoretto nos presenteia com uma grande obra dearte sobre o Pecado Original, hoje encontrado na Galeria da Academia em Veneza.Ele consegue transmitir o instante particular da grande batalha travada naConsciência de Adão: confiar inteiramente na criação ou no Criador. O sinal dointenso combate são as trevas que parecem engolir a cabeça do homem.

O texto básico é Gen 3. Deus havia dado todas as árvores doparaíso ao homem para comer, menos do fruto da árvore da ciência do bem e domal porque no dia em que dela comesse morreria. A ordem de Deus de não comer daárvore significa que só Ele é apto para decidir o que é bom e o que é mal. Aoprovar do fruto o homem quer tornar-se o árbitro da moral opondo-se ao desígniodivino que confere este cômpito somente a Ele.

Satanás no entanto confunde o homem dizendo exatamente ocontrário: que o mal é bem e o bem é mal.

A primeira investida é com a mulher que movida pelacuriosidade escuta a serpente e confundida, prova do fruto da morte e oferece aseu marido.

 A luz que banha ocorpo de Eva não é mais do esplendor da Verdade, mas da sedução e doencantamento das criaturas. A linha da pintura se desenvolve na diagonal. Evaestá com a mão enrolada na Árvore da Ciência do Bem e do Mal qual uma serpentee por isso encontra-se desequilibrada; seus pés tocam levemente no chão. Elaparece ter sido hipnotizada diante da intensidade de seu olhar fixo na criaçãosimbolizada pelo fruto da árvore. Com sua mão direita (personalidade) enroscadana árvore e a mão esquerda a oferecer o fruto do orgulho e da desobediência queantes era mau, repulsivo, obscuro para a Verdade e agora se tornara bom decomer , sedutor de se olhar e precioso para se agir com clarividência. 

Este momento se torna como um ciclone espiritual que atingea sede das decisões do homem, o lugar sagrado que chamamos de consciência. Amulher avança, se inclinando não mais para o Criador, mas para o homemoferecendo o que para ela é a felicidade. Adão recua, mal toca os pés no chão, levaa mão direita ao queixo para refletir na seriedade da opção que fará e se apóiana pedra com a mão esquerda que está prestes a escorregar.

Se olharmos além da coxa direita de Eva, vemos o que vaiacontecer: um querubim expulsando o casal do paraíso. De fato, se ficassempoderiam ser tentados a comer do fruto da Árvore da Vida sendo revoltados nãosó contra a autoridade de Deus, mas também contra a sua natureza de Amor,tornando-se ódio como o tentador, sem maneira de ser salvo.

Um detalhe: acima da mão direita de Eva é representado odiabo que com um fruto na boca encara o expectador oferecendo o fruto paravocê.

 

O Homem e a Mulher após o pecado

Creio que Masaccio foi um dos poucos artistas querepresentaram de modo tão dramático a expulsão de Adão e Eva do Paraísoterrestre como o fez em afresco na Capela Brancacci da Igreja de Santa Maria doCarmelo em Florença entre 1424 e 1425.

O casal envolto em imensa dor encontra-se um ao lado dooutro,mas numa terrível solidão a dois; só pensam na sua dor. Os olhos estãofechados, pois nada mais é puro. Doravante só o olhar de fé será suficientepara a restauração do paraíso primitivo. Adão inclina a cabeça, perde adignidade com suas mãos tapando a sua face de vergonha do pecado.

Eva cobre com as mãos os seus órgãos genitais pela perca dapureza.

Sua cabeça é calva e o que restou dos seus cabelos evocam afeiúra que se esconde atrás da sedução de cada pecado. Seus olhos fechadosprofundamente sulcados em seu rosto e sua boca aberta sem dentes entoam aintensa dor de toda a humanidade pelos frutos do primeiro ao último pecado aser cometido na face da terra.

As lamentações de Jeremias diante da terrível destruição dotemplo e da nação Israelita por Nabucodonosor cabem bem na boca de Eva nestemomento tão dramático da história da Humanidade.

“Oh! Ela mora na solidão, chora e chora durante a noite:lágrimas enchem-lhe as faces; não há para ela consolador, quão grande amarguraela sofre; da bela Sião foge toda a sua honra. Lembra-se em seus dias dedesterro e humilhação de todos os seus encantos que existiam nos dias deantanho. Ela faltou gravemente Jerusalém e por isso virou imundície. Suaimpureza gruda em sua túnica; ela não pensava no que se seguiria. Vê Senhorminha humilhação, pois o inimigo se engrandece. Olhai e vede se há dorsemelhante a minha dor. Meus dois olhos se derretem em lágrimas, pois todo omeu ser está doente. Vê Senhor: para mim só angústia; reviram-se as minhasentranhas, agita-se em mim o coração, pois desobediente, desobedeci. Dentro eracomo a casa da morte (Lam 1).”


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *