Formação

O nosso coração arde quando Ele nos fala

comshalom

A Igreja católica no Brasil está iniciando o segundo AnoCatequético. Até aí, nada demais. Os projetos, celebrações e outrasiniciativas são comuns na Igreja. Mas alguns detalhes fazem a diferençanesse novo projeto.

Como vivemos no mundo da imagem, a primeira coisa que desperta aatenção de todos é o cartaz, pela beleza da imagem, pela riquezasimbólica. Com grande leveza, misturando o moderno com a mística, ostraços nos falam do mundo, da Bíblia, da partilha, do caminhopercorrido e do caminho a percorrer, da aliança (o arco), tudo issoabraçado pela Luz que é o próprio Jesus Cristo.

O lema, inspirado no texto bíblico dos discípulos de Emaús (Lc24,15ss), é também atraente e toca a sensibilidade de todos: “Nossocoração arde quando ele fala, explica as Escrituras e parte o pão”. Oque pode ser mais tocante do que algo que faz nosso coração bater maisforte, que o faz arder?! Feliz a pessoa que passa por essa experiênciaao celebrar, ao ouvir a Palavra, ao acolher o próximo; ao praticar umgesto de amor e misericórdia…

O objetivo, expresso no tema, é que todos se ponham a caminho, com odesejo de ser discípulos e discípulas do Mestre. Entrar pra valer naescola de Jesus, procurando seguir os seus passos, num esforço deassumir os mesmos sentimentos que estavam no seu coração. Que o fato decaminhar com Jesus e ouvir a sua Palavra faça arder o nosso coração,nos desperte para o acolhimento, nos ajude a celebrar bem e apartilhar. E que tudo isso seja o combustível para a missão de promovera vida.

O texto-base começa lembrando a importância do caminho em nossa vidae na História da Salvação. Caminhar é preciso! Ninguém pode se dar aoluxo de se acomodar, se instalar, parar no tempo, deixar a vida passarou “empurrar com a barriga”. “Quem sabe faz a hora, não esperaacontecer”. Sobretudo à luz do Êxodo, da grande caminhada para fugir daescravidão e conquistar a liberdade de filhos; e da vida de Jesus, umhomem itinerante, que “não esquentava lugar”, somos convocados aassumir o caminho.

No caminho estão todos. Os que têm nome (Cléofas e tantos outros) etêm história, mas também uma multidão de anônimos, insignificantes,descartáveis, excluídos, ignorados. Podem ser presidiários, dependentesquímicos, povo da rua, menores abandonados, órfãos, migrantes, doentes,idosos, pessoas prostituídas e tantos outros. Cada um com seu drama esuas esperanças. Conosco também caminha Jesus, mesmo quando não opercebemos. E se interessa por nós; quer ouvir e conhecer. “Nossoschefes o mataram”. Calaram sua voz. Mataram nosso sonho. “Algumasmulheres nos deram uma esperança. Disseram que está vivo”. Resta umabrasa debaixo das cinzas.

Jesus vai puxando conversa. É importante falar. É necessário terespaços onde podemos partilhar nossas decepções e angústias, nossasalegrias e esperanças. Precisamos de alguém que nos ouça, que seinteresse por nós. Depois de ouvir bastante, Jesus toma a Palavra. Apartir do que eles disseram e do que estão sentindo, das suasexpectativas. Jesus vai soprando as cinzas. A chama vai sendo aospoucos reavivada. A experiência é fantástica. É gostoso sentirreacender a esperança. Não dá vontade de se separar. É bom continuarjuntos. Fica com a gente! Queremos estar contigo.

O gesto de acolher leva a uma outra experiência mais profunda: oconvívio, a partilha, a comunhão, o sentar-se à mesa. Comungar a vida,se alimentar do outro, comer a sua presença que alimenta e alegra ocoração. De repente, Jesus se torna invisível. Mas eles não ficamtristes. Já sabem que está vivo; que irá se manifestar de outrasformas, em outros lugares, em outras pessoas. O importante é saber quevenceu o mal e a morte. Que a vida triunfou. Que Ele está no meio denós.

E agora? Agora é hora de partir. É preciso levar a notícia, espalhara esperança. E a noite, o escuro? Não importa, uma nova luz estábrilhando. E o medo? Já não existe; Ele está conosco, já não estamossós. O cansaço? Foi esquecido. Aquele encontro fortaleceu, animou,refez as forças. Agora vão retomar o mesmo caminho de antes. Só que deum jeito muito diferente. O coração agora está feliz, quer transbordar.A estrada será a mesma, eles, porém, mudaram. Agora têm um motivo, umarazão, têm um para quê.

Padre José Antônio de Oliveira


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *