Formação

Papel dos pais no desenvolvimento das crianças

comshalom

criança desenvolvimentoO desenvolvimento humano encontra na infância uma fase decisiva e de grande importância para a formação integral da pessoa humana. É bem verdade que a atividade educativa privilegia a idade evolutiva, mas não se fecha neste arco temporal, antes tende a abranger a existência inteira, ou seja, é uma educação permanente, onde não somente as crianças e adolescentes estão inseridos neste processo, como também os adultos e anciãos.

“Tirar para fora”

Etimologicamente, a palavra educação indica o ato ou processo de “tirar para fora” o que existe dentro do educando. Tal processo ou ato envolve dois aspectos importantes: um ambiente favorável e alguém que ajude, um agente externo que intervém, auxiliando neste processo .

No processo educativo, cada um deve fazer sua experiência.Mesmo que exista alguém para ajudar neste “tirar para fora” não se pode prescindir daquilo que se é, ou seja, é cada um por si . A educação tem como alvo promover sempre a autonomia para que o educando cresça a partir das suas próprias “raízes”. O educador é o jardineiro e o educando a planta. Aquele pode oferecer as condições para o desenvolvimento, enquanto este se desenvolve a partir de uma dinâmica própria e pessoal.

O papel dos pais e educadores

Estes conceitos são muito importantes para compreendermos a educação como um movimento progressivo, operante no desenvolvimento da pessoa.Entretanto, tratando-se das crianças, a intervenção dos pais pode e deve ser mais intensa e positiva.

Respeitando a lei da dinâmica gradual do desenvolvimento, o papel dos pais e educadores é ajudar as crianças a conhecerem-se a si mesmas,descobrindo e desenvolvendo capacidades latentes e adquirindo habilidades necessárias para seu pleno crescimento. Mesmo que os filhos pequenos estejam profundamente identificados com os pais e os tenham como referenciais e objeto de imitação, faz-se necessário ajudá-los a assumir o que são: outros seres,outras personalidades.

Certamente haverá de ser um processo lento, o qual se intensificará com as profundas transformações da adolescência. Para tanto, os processos desta descoberta de si em interação com os outros e com o ambiente é fundamental.

Os elementos egocêntricos, próprios da imaturidade do estágio infantil, podem ser trabalhados de modo pro-ativo, ou seja, conhecendo o valor das potencialidades e capacidades presentes dentro do educando. O educador deve ajudá-lo a conhecer, valorizar e operacionalizar tais riquezas interiores.

Além disso, é preciso fazer a mediação entre o educando e o ambiente social. Acompanhar as experiências e ajudar a criança a tirar proveito delas é de grande importância.

No processo educativo, o papel das recompensas deve ser encarado como um estimulante inicial para gerar atração e gosto por comportamentos e conhecimentos que gerem crescimento para a criança. O pai e amãe ajudarão, no entanto, o próprio filho a encontrar nas autênticas motivações, um combustível para abraçar condutas cada vez mais condizentes com uma situação de crescimento.

A assimilação dos conhecimentos (introdução nos esquemas que a realidade apresenta) e a acomodação (entendida aqui como modificação dos esquemas em função da realidade) permitem a evolução de estruturas de aprendizagem de qualidade e uma saudável interação com o ambiente.

Confiança e frustrações

Ora, uma tarefa própria da infância é o de estabelecer sentimentos de confiança com o mundo. Essa confiança de base acontece na medida em que suas necessidades fundamentais são satisfeitas e, assim, a criança estabelece uma confiança de base nos outros e isto constitui o fundamento de sua autoconstrução positiva.

Na formação da criança, o estabelecimento de limites entre ela mesma e o ambiente é profundamente necessário com uma atitude equilibrada,onde o afeto dos carinhos e ternas atenções são contrabalanceados com acapacidade de dizer não, de forma propositiva e solidamente motivada.

As frustrações constituem um importante elemento para uma bem constituída formação da personalidade de uma pessoa. Não é preciso insistir nos tristes exemplares de adultos que não sabem receber ou acolher a frustração, se revoltam quando suas vontades não são satisfeitas, nem seus pontos de vista aceitos. De fato, na vida social, nem sempre será possível fazer o que se quer. Aceitar isso é fundamental na interação grupal. Se as crianças não forem treinadas para isso, então, teremos adultos cheios de manhas e egoístas. Não vai haver casamento que aguente, vida comunitária que se sustente, vida social que perdure.

O perigo da superproteção

Os extremos, sempre malévolos e nocivos, devem ser estrategicamente evitados e determinadamente combatidos. Na proporcionalidade das descobertas que se sucedem no transcorrer da evolução dos anos, dos passos rumo a uma evolução, é necessário evitar a superproteção. Essa, muitas vezes,se manifesta através da ansiedade, por parte de mães e/ou pais, que atuam deforma substitutiva da criança e do adolescente.

Pessoas que tiveram este tipo de relação com pais que assim se comportaram e, sobretudo com as próprias mães, tendem a ser inseguras,indecisas, medrosas. Não sabem fazer escolhas, nem ter gosto próprio. Os que,por outro lado, tiveram pais autoritários ou muito ausentes, ou poderão ter dificuldades em receber e transmitir positivamente amor, carinho, afeto. Serão tendencialmente indivíduos frios, negativamente independentes, desconfiados.

O papel do pai e da mãe na vida da criança é também fundamental. Com efeito, os papéis masculinos e femininos começam a se definir já nas brincadeiras. Os jogos tornam-se importantes para interagir com os outros e preparam as crianças para assumir seu próprio papel. Por isso, é sempre questionável e redutivo jogos meramente eletrônicos.

A responsabilidade de ser pai e mãe é o de educar para avida. Os filhos os terão como referenciais e eles não podem se eximir em sê-lo para a sua prole.

Certamente, não existem fórmulas mágicas para educar. Bom senso, diálogo, capacidade de buscar o bem do educando acima dos medos, sem se deixar condicionar ou pressionar pelas dores do processo é uma forma de imitar o próprio Deus que nos educa e forma com sua ação providente e paterna.

Padre Marcos Chagas

Formação setembro/2008


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *