Formação

O precioso dom do limite pessoal

comshalom

Maria Emmir Oquendo Nogueira

Neste começo deste ano, Deus me deu um presente inusitado.Enquanto todos faziam grandes planos para em 2009 melhorar neste ou naqueleaspecto, o que Deus me pediu foi fazer planos para respeitar meus limiteshumanos, amá-los e utilizá-los como instrumentos preciosos para “garimpar” ahumildade.

Como um filme cada vez mais longo, o Senhor me foi mostrandoo quanto eu era presunçosa, como “só queria ser a tal”, como se diz noNordeste. A medida do meu limite era a necessidade do outro, ainda que o queele necessitasse ou pedisse fosse muito difícil ou quase impossível para mim.Adotei isso como um projeto de vida: ao amar Jesus e meu irmão, diria sempre“sim”. Faria sempre o que fosse necessário, ainda que não soubesse fazê-lo.

Para ser sincera, creio que, enquanto Deus permitiu, esseprojeto de vida “funcionou”. Se eu não sabia fazer, estudava, aprendia,tentava, desde que ajudasse. Se não podia fazer, sacrificava o sono, a saúde,mas fazia o necessário para os outros e – imagine o atrevimento! – para Deus!!!

O resultado é que presenciei o poder de Deus cada dia deminha vida. O que eu não sabia, Deus sabia. O que eu não podia, Deus podia. Nofim, sempre dava certo.

Por outro lado, aprendi de tudo um pouco e Deus me usoupacientemente, provavelmente com um sorriso no canto da boca. Aprendi tambémalgo importante, talvez tarde demais: o que as pessoas julgam necessário nemsempre o é de fato. Existem falsas “necessidades”, carências, ilusões,fantasias, apegos, expectativas, idolatrias. Existe até uma saudávelconvivência com a necessidade que leva as pessoas a Deus e ao amadurecimentoatravés da oração, da reflexão, da luta diária para amar.

Meu projeto de sempre corresponder às necessidades dosoutros escondia uma fraqueza de base: não saber quando e como dizer “não”.Dizendo melhor: não saber discernir à luz do Espírito Santo quando Deusrealmente queria que eu servisse àquela pessoa da forma que ela pensava“necessitar” ou de outra forma, como, por exemplo, a intercessão e penitênciaescondidas.

Sabe que com isso quase me colocava no lugar de Deus? Pior,quase me colocavam no lugar de Deus! Meu raciocínio sincero era: “Se para Deusnada é impossível, posso ser instrumento para o impossível que só Deus podefazer. Aí, então, essa pessoa encontrará o Senhor e o amará mais”.

Em contrapartida, o raciocínio sincero das pessoas era: “Seela rezar por mim, fico curado. Se ela me der uma bênção, fico bom, se elapregar, vem gente”. Veja só: me colocavam no lugar de Deus! Também pudera! Eumesma me colocava aí! Eu mesma ia agindo conforme o que as pessoas pediam e nemsempre segundo o que Deus pedia!

Resultado: exaustão, que é um termo politicamente corretopara uma série de sintomas extremamente desagradáveis. É a pura verdade que oamor não sabe calcular, que não cansa e nem se cansa, que tudo crê, tudoespera, tudo suporta, como afirmam Teresinha e Paulo. Ora, se eu estavaexausta, era sinal que não estava amando com autenticidade, verdadeiramentefazendo a vontade de Deus, realmente ouvindo a Deus sobre Sua vontade para oirmão.

Foi aí que o Senhor me ensinou mais uma vez que só Ele é, sóEle ama verdadeiramente, só Ele pode, só Ele sabe, só Ele realmente resolve e,como um bom artesão de nossas almas, usa o instrumento apropriado para cadaobra. Quanto a mim, sou um instrumento, digamos, um pincel, que um dia fica“careca” ou uma plaina que um dia fica cega. Um bom artesão, naturalmente, nãousará um pincel para aplainar um tampo, nem uma plaina para fazer pátina.

Em meu orgulho disfarçado de presunção de onipotência, quisser plaina, pincel, martelo, chave de fenda e sabe Deus o que mais. Resultado:exaustão, pincel careca, plaina cega, martelo frouxo. Deus, naturalmente, podenos utilizar como quiser ou pode, simplesmente, deixar-nos ver nossos limitescom tanta evidência que isso será para nós salvação. No meu caso, o grandeproblema, a causa da exaustão, parecia ser não saber dizer “não”. A grandechaga, porém, era achar que eu, pecadora, criatura humana, pudesse me dar aesse luxo!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *