Formação

O rito da elevação

comshalom

O rito da elevação

Na celebração da Santa Missa há um rito profundamente solenizado, o instante em que o sacerdote apresenta, após a consagração, a hóstia e o cálice com os preciosos corpo e sangue do Senhor. Neste momento toda a assembléia é convidada a olhar, para contemplar, o grande mistério do Filho de Deus que se entrega por nós e por nossa salvação. Que este rito possa desvelar – descobrir e cobrir – o grande mistério da fé.

Os primeiros anos do século XIII marcam na celebração litúrgica do sacramento da eucaristia o surgimento de um gesto que permaneceu presente desde então: a elevação da hóstia após a consagração.

Naquela época era impressionante o fato de que a grandiosidade da celebração eucarística não tinha sua correspondência na freqüência à comunhão, sempre muito restrita. Como a celebração não era orientada para promover ou facilitar a participação do povo cristão na liturgia – os fiéis assistem, sem dúvida, mas não entendem e, portanto, não participam plenamente – eles buscam outras fontes de devoções no culto extracelebrativo, por exemplo, rezando o terço em plena celebração eucarística. O fato era que raramente a “mesa do Senhor” tinha algum “comensal”; o mais das vezes permanecia deserta[1].

A Igreja sempre ensinou a presença verdadeira, real e substancial de Cristo na eucaristia[2], nas espécies consagradas do pão e do vinho, orientando assim os fiéis para um Cristo presente, mas escondido ou contido no sacramento. Essa presença não é idêntica à do Salvador à direita do Pai, mas sacramental, “segundo um modo de existência” que só se pode reconhecer na fé. Porém, do encontro de íntima comunhão – aquele desejado por Cristo (cf. Jo 6,51-58) – passou-se a uma nova devoção: o de um encontro pela visão. Nascera então o fenômeno devocional da visão da hóstia. O rito da “elevação”, que entrou para o cânon da Missa e nele permaneceu, teve sua origem neste desejo de “ver a hóstia”. O unir-se a Cristo pela comunhão, passava então para segundo plano.

É verdade que a fé e a piedade do povo cristão para com a eucaristia nunca sofreram abalos, mas a “comunhão”, que teria sido o modo normal de exprimir esta fé e esta piedade, vinha-se tornando rara. Entre as muitas causas deste fenômeno bastante difundido podemos citar a obrigação (então nova) da confissão prévia, que levava muitos a comungar só na hora da morte, e as idéias da “purificação’, exumadas do AT, para as quais as pessoas casadas só raramente podiam ousar comungar. Muitos autores chegaram mesmo a admitir que a comunhão do sacerdote era para toda a assembléia, o que dispensaria os fiéis de ter acesso ao sacramento, um pensamento em direta contra-mão com a vontade daquele que instituiu o sacramento-alimento para a vida eterna.

O momento da “consagração”, isto é, aquele no qual Cristo dá, no pão e no vinho consagrados, seu corpo oferecido em sacrifício e seu sangue derramado para a salvação do mundo, tinha-se desviado para longe de sua finalidade, claramente expressa pela celebração. Tudo isso acontecia não para que o corpo de Cristo fosse comido e o seu sangue bebido, mas somente para que os fiéis pudessem vê-los, embora velados no sacramento. Assim, a introdução do rito da “elevação”, com o toque dos sinos para alertar os fiéis que estavam rezando o terço a olharem para o pão consagrado (a elevação do cálice é atestada somente no último quarto do século XIII), parecia realçar um momento importante da celebração, mas na prática alterava seu sentido: no lugar da comunhão do corpo de Cristo dado em alimento, bastava uma presença dele oferecida à visão.

Para corrigir tal desvio e a falta de participação dos fiéis na mesa eucarística, o Concílio de Trento interveio reconhecendo claramente a necessidade de que “os fiéis presentes comungassem não só com o afeto espiritual interior (“comunhão espiritual”), mas também recebendo sacramentalmente a eucaristia, a fim de que deste modo colhessem frutos mais abundantes deste santíssimo sacrifício” (DS 1747).

Fonte: Liturgia em Foco / escrito por Everaldo Ribeiro Franco, diácono permanente da Diocese de Uberlândia.

 

[1] E aqui nos lembramos do decreto do IV Concílio de Latrão de 1215, que parecia aceitar esta rara presença na mesa do pão, pois que recomendava que o fiel deveria receber o sacramento da eucaristia ao menos na Páscoa (DS 812).

[2] Este é um mistério de fé (mysterium fidei) “que ultrapassa toda a compreensão humana” (Exortação Apostólica Pós-Sinodal Sacramentum Caritatis, do Sumo Pontífice Bento XVI).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *