Formação

O Sacramento da Caridade

comshalom

O último grande concílio Ecumênico (Vaticano II) introduziu na Igreja Católica grandes reformas. Uma delas é o Sínodo dos Bispos. O Cânon 342 do Código de Direito Canônico explica que o Sínodo dos Bispos é um “organismo de cooperação com o Romano Pontífice”. Sua assembléia ordinária se reúne a cada três anos e trata de temas que o Papa define. A última assembléia tratou da Eucaristia.

Os Bispos tratam livremente o tema escolhido, mas não publicam um documento próprio. Depois pessoas encarregadas fazem a síntese e o Papa dá publicidade ao rico material sob forma de “exortação apostólica”. É o caso da discutida exortação “Sacramentum Caritatis” (O sacramento da caridade) dada a público com data de 22 de fevereiro de 2007. A exortação é, portanto, a síntese da “multiforme riqueza de reflexões e propostas sugeridas na recente Assembléia” do Sínodo dos Bispos. Não é, portanto, uma iniciativa de Bento XVI. É cumprimento do processo normal das assembléias do Sínodo.

A estrutura básica é constituída de três eixos: 1. Eucaristia, Mistério Acreditado. Trata da fé na Eucaristia. Depois da consagração, o celebrante sempre diz: “Eis o mistério da fé”. Os antigos imolavam o cordeiro pascal, era figura do Cordeiro de Deus, imolado por nós no Calvário. Agora não é “figura”, é realidade. O próprio Jesus disse: “Meu Pai é que vos dá o verdadeiro pão que vem do céu” (Jo 6, 32). Por isso a fé na Eucaristia é defendida, explicada, proclamada e testemunhada com ardor pela Igreja.

2. O segundo eixo diz: Eucaristia, Mistério Celebrado. A fé que nós cremos, nós celebramos. É claro, este mistério merece ser celebrado com todo o esplendor na Liturgia. O documento pede respeito pela tradição; ao mesmo tempo pede a inculturação. Só repetição, gera monotonia. Mudanças superficiais e apressadas podem trair a fé e a beleza do mistério celebrado. Por isso fala-se do canto, da proclamação da Palavra de Deus, inclusive da homilia e das várias partes da Missa.

Quanto à participação pessoal, repete as orientações já conhecidas, o que causou decepção na imprensa. O mesmo se diga da participação ecumênica. Porém, chama a atenção para a admissão de não católicos à comunhão, dentro de “precisas condições”, já determinadas no Diretório Ecumênico da Igreja Católica.

Causou certo desconforto a recomendação de celebrar em latim, especialmente também algum canto litúrgico e orações comuns. Mas isto nós praticamos nos encontros internacionais. Apenas deseja-se que os jovens não desaprendam esta tradição, muito boa para celebrações internacionais.

3. A terceira parte é: A Eucaristia, Mistério Vivido. Visa aprimorar a devoção à Eucaristia. Trata também das celebrações sem padre, dos ministérios dos leigos, mulheres e homens. Bem pastoral. Inclusive missionário. João disse: “Nós vos anunciamos o que vimos e ouvimos” (1 Jo 1, 2). É o que a Igreja deve proclamar para a vida do mundo.

Dom Sinésio Bohn
Bispo de Santa cruz do Sul

Clique AQUI para baixar o documento.

Fonte: CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *