Formação

O Sagrado e o Profano

comshalom

 

“A palavra sacro vem do latim sacrum, é de origem indo-européiae significa: que pertence à divindade – cuja majestade incute um senso dereverência e estupor que participa da potência divina (mesmo se não personificada), e é separado do profano – ordem derealidade e poder que, por natureza ou por destino, é oposta ao profano”.[1]

“O Sacro, retamente entendido, não funda alguma coisa de diferente doprofano, mas funda o próprio sentido do profano e revela o fundamento da vida”.[2]

Sagrado significa “separado para Deus”, não é da ordem de todas ascoisas, é exclusivamente divino.

Profano nada mais é que “de uso cotidiano”, comum da ordem de todas ascoisas, não é exclusivamente divino.Existe um equívoco no que diz respeito ao profano: comumente o entendemos comomundano, sujo, sem dignidade, ilícito. O mundano sim, é ruim, oposto ao santo.

O sagrado é o diferente de mim, é o perfeito, assim como eu souimperfeito e é essa diferença que faz nascer em mim a necessidade de religar-mea Deus, cujos caminhos são perfeitos, cujos sentimentos são constantes; se olouvar, Ele continuará me amando, se o amaldiçoar, ele me amará da mesmamaneira (cf. 2Tm 2,13), grandes são suas obras (Sl 110,2), nele não há sombraou variação (Tg 1,17), Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre (Hb 13,8), o Amém, aTestemunha fiel e verdadeira (Ap 3,14).

Quando o Sagrado se manifesta:

1) Nos conduz a um despojamento de nossos esforços pessoais,capacidades, palavra, apegos, posses para confiar no poder, na eficácia da palavraque sai da boca de Deus: “Jesus disse a Simão: Rema lago adentro e joga asredes para pescar. Replicou-lhe Simão: Mestre, labutamos a noite inteira semnada conseguir” (Lc 5,4).

“Moisés, não te aproximes; tira as sandálias dospés, pois o lugar que pisas é terreno sagrado” (Ex 3,5).

2)Há uma revelação que se opõe a tudo o que nãoseja uma realidade ABSOLUTA[3]incondicional, irrestrita, integral, total: “Deus respondeu a Moisés: ‘Sou oque sou’” (Ex 3,14)[4].Ele nos conduz a um ponto fixo Absoluto, um Centro: “Eu sou o caminho, averdade e a vida” (Jo 14,6), a permanecer nele: “Permanecei em mim como Eu emvós” (Jo 15,4) e a uma obediência à sua palavra: “Porém, já que o dizes,jogarei as redes” (Lc 5,5b).

3) Manifesta sua glória na adesão à sua palavra e não à palavra domundo: “Lançou Aarão a sua vara diante de Faraó e diante de seus servos e elase transformou em cobra. Ora, também os magos do Egito fizeram o mesmo. Mas a vara deAarão devorou as varas deles” (Ex 7,10-12). “Fizeram isso e apanharam tamanhaquantidade de peixes que as redes se rompiam” (Lc 5,6).

4) Há uma diferenciação entre criador e criatura, limitado e ilimitado,santo e pecador: “Então Moisés cobriu o rosto, porque temia olhar para Deus”(Ex 3,6). “Senhor, afasta-te de mim: eu sou pecador” (Lc 5,8). Na transfiguração,os apóstolos cobriam o rosto; na ressurreição, os guardas fizeram o mesmo. É a realidade dos opostos: “o Mysterium Fascinans” (MistérioFascinante em latim), o Deus Anawin (Pobre de Iahweh) que se manifesta pequenoe indefeso como uma criança em Belém, que se revela como graça e misericórdia eo MysteriumTremendum “[5], do Leão e doCordeiro que se manifesta como uma tremenda majestade esmagadora de poder – “umpoder que quer a alteridade do outro até o ponto de se deixar matar para colhera ressurreição. O poderabsoluto se identifica com o sacrifício que comunica vida aos homens e fundasua liberdade. O leão que ruge e o cordeiro que se entrega, o mendigo que batena porta e que entra como rei e justo juiz, o Todo Poderoso e o misericordioso.Jesus com sua cruz entra em relação com todos sem deixar ninguém à parte. Acruz é relação com o céu e com a terra, com os infernos, com os justos epecadores, com o ladrão agraciado e com o obstinado, com Maria e com João, comos crucificados da história e com os crucificadores de todos os tempos. OCordeiro manso e imolado mantém aberta a relação também com aqueles quegostariam de romper. Aquele que não reage e se deixa ferir não é, acaso, sinal,paradoxalmente de uma vontade de comunhão que no fim resulta mais forte do quequalquer violência?”[6]

5) Convida-nos a um sentido de orientação, deunidade e de vida para uma missão de mostrar o Outro aos outros. “Vinde apósmim, e Eu vos farei pescadores de homens” (Mt 4,19), “Não temas, daqui parafrente pescarás homens” (Lc 5,10), “André encontrou primeiramente Simão e lhedisse: Encontramos o Messias” (Jo 1,40).

 

Sagrado,consagrado, santo implica em pertencer totalmente a um outro.

 

“Só é possível sair do próprio limite e pertencer totalmente a um Outro,sendo guiado por um ponto externo” [7];só guiado por um referencial moral fora de seus limites, o homem se encontrarácomo homem. As populações arcaicas do hemisfério norte se guiavam a noite pelaestrela polar, “a única que permanece imóvel enquanto as outras fazemreferência constantemente a ela”.[8]

Como não temos nos fixado neste ponto externo Absoluto nos últimostempos, caímos na “ditadura do relativismo”, expressão usada por Bento XVI paradesignar o tormento dos séculos vividos atualmente pelo homem da modernidade.

Podemos enumerar como Absoluto os valores perenes como a Caridade, aamizade, o louvor, a gratidão, a retidão,a Palavra de Deus, a Palavra da Igreja e não a do mundo, os Sacramentos como oBatismo, a Reconciliação, a Eucaristia.

E em minha vida? Onde me tenho fixado? Onde estou ancorado? No que érelativo ou Absoluto?

“Quem tem ouvidos, ouça o que o espírito diz às Igrejas” (Ap 3,22).


[1] Zingarelli N., Vocabulario della Lingua Italiana. a cura di Dogliotti M. E Rosiello L.,Bologna, Zanichelli, 1996.

[2] Maggioni B., Liturgiae culto, in Nuovo Dizionario di Telogia Biblica a cura di Rossano P.- Ravasi G.- Girlanda A., Milano, San Paolo,1988, p. 836.

[3] AB: desde; SOLUS: sozinho = Aquilo que existe e nãodepende de qualquer outra coisa. Do grego APOLYTON: isento de relação, delimitação, de dependência

[4] Em hebraico “IAHWEH”= ”Eu sou Aquele que é”. O nome de Deus não é uma representação simbólicasimplesmente, mas uma respostacategórica da parte de Deus para Moisés. Aquilo que Deus é no mais profundo doseu ser. Aquele que subsiste em si mesmo. Não há nele nenhuma forma de necessidade,possibilidade de mudança. Nele o tempo não existe. Deus é aquele que é. O verbo ser significa: Plenitude

[5] Mistério Tremendo emlatim, termo usado pela primeira vez por Rudolf Otto, um dos mais influentespensadores de religião na primeira metade do século XX.

[6] Cencine A., Virgindade e Celibato hoje: para umasexualidade pascal, São Paulo, 2009, p.154.

7 PastroC., Guia do Espaço Sagrado, São Paulo, Loyola, 1999, p. 18.

8 DeChampeaux G.- Sterckx S., Introducción a los Simbolos, Madrid,Encuentro, 1992, p. 26.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *