Formação

O sangue e a água

<!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:595.3pt 841.9pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>

Tome, portanto, o método da Lectio: leitura, meditação, oraçãoe contemplação, e usufrua da graça atual.

Neste mês de junho, mês do Sagrado Coração de Jesus e dasolenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, tomemos o trecho de Jo19,31-37. Embora seja uma passagem bastante conhecida, pois a liturgia da Igrejaa propõe em várias ocasiões, nunca podemos dizer que já a meditamos osuficiente. Aliás, este é um dos trechos mais importantes da Sagrada Escritura,pois está no centro de nossa fé: a morte de Jesus. A morte e ressurreição deJesus são como duas faces da mesma moeda, do mesmo mistério.

Segundo o Evangelho de São Lucas, Jesus morreu por volta dastrês horas da tarde de sexta-feira (cf. Lc 23,44-46). Ora, no dia seguinte – osábado – os judeus comemoravam a Páscoa. E para eles, o sábado não começa apósa meia-noite da sexta-feira, mas a partir do anoitecer da sexta-feira. Entãoeles tinham de sepultar os mortos antes das seis horas, aproximadamente.Também, era necessário fazer uma série de coisas nessa sexta-feira, pois sábadoera o dia do descanso, o shabat. No dia da Preparação, eles imolavam o cordeiropascal para a ceia e faziam desaparecer das casas todo fermento e pãofermentado e até os farelos que pudessem estar nas roupas, mesas e armários.Muitos preocupavam-se com o exterior, mas não com o interior da alma, comodenunciava Jesus em Mt 23.

Naquele dia, alguns judeus pediram a Pilatos que apressassea morte dos condenados, quebrando-lhes as pernas, pois estas, sustentando ocorpo, retardavam a morte por asfixia. Os soldados cumpriram as ordens, maschegando a Jesus viram que já estava morto e não lhe quebraram as pernas;entretanto, um dos soldados traspassou-lhe o coração, e dele saiu sangue eágua.

O que seria mais um gesto de crueldade ou talvez decumprimento do dever para o soldado, transforma-se no supremo gesto de amor deJesus: o coração aberto. E é assim que ele permanece, como testemunha naaparição a Tomé: “…aproxima tua mão e mete-a no meu lado…” (cf. Jo 20,27c).

Todos os ensinamentos de Jesus são coroados com este gesto.“Do seu seio correrão rios de água viva”; “Quem tem sede, venha a mim e beba”;“A minha carne é verdadeira comida e o meu sangue verdadeira bebida”; “Ninguémtem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos”; “Quando eu forelevado da terra atrairei todos a mim” (…) A meditação sobre o coração abertode Jesus nos leva a relembrar muitas palavras de Jesus. Que esta meditação sejaa base de sua oração, hoje. Lemos para conhecer e meditar. Meditamos para orarsobre as revelações de Deus a nós. Oramos para prolongar o diálogo, louvando eagradecendo, deixando que Deus complete a obra iniciada através dacontemplação.

Você deve ter tido outras meditações acerca deste texto. Então, faça sua oração espontânea com tudo o que Deus lhe revelou. Sepuder, fique diante do Santíssimo Sacramento, em adoração, e contemple omistério do coração aberto de Jesus.

Não esqueça se de anotar os rhemas desta Lectio e partilharno seu grupo ou comunidade.

Shalom!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *