Formação

O trágico perante a Esperança

comshalom

Dor. Emoção. Saudade. Os noticiários unânimes repetem como num estribilho trágico: “O acidente aéreo em Congonhas foi o maior de nosso país. Nenhum sobrevivente”. Perplexidade! É como ficou População, amigos, familiares. Em certa reportagem disse uma canadense, ‘a tragédia não tem nacionalidade’. Tomados de assalto todos querem uma explicação clara, objetiva e convincente sobre o que aconteceu, mas esta não aparece, talvez ela não exista.

As autoridades se reúnem em ‘gabinete de crise’, o luto nacional é decretado, o presidente da companhia com demais executivos prestam coletiva de imprensa; hipóteses e mais hipóteses são levantadas sobre o que de fato, possa ter acontecido; dezenas de corpos das vítimas, no IML, ainda aguardam por identificação, tamanha fora o grau de carbonização, para depois serem levadas a seus familiares e o último adeus lhes seja tributado.

O que dizer neste momento?

Na verdade, palavras não conseguem expressar com agudeza o que se é pensado no íntimo, sobretudo, daqueles envolvidos diretamente na tragédia. Todos choram. Contudo, não se pode permitir que a chama da esperança seja apagada, não se pode cruzar a linha do desespero sob risco de não mais poder voltar.

É preciso chorar nossos mortos e por eles rogar a Deus que os acolha no céu, estado para o qual todos nós iremos um dia. Toda experiência de dor, de cruz deve nos fazer lançar o olhar para a ressurreição, mesmo que a visão esteja turva e o nosso interior cinzento, como ficou o próprio clima da cidade de São Paulo no dia posterior ao acidente.

Nesta ocasião pode nos consolar quem muito foi experimentada na dor: Maria.Diante da imensa dor de perder seu ÚNICO Filho, Maria manteve-se de pé diante da cruz. Sofreu pela paixão e morte de Jesus. Ela foi testemunha ocular dos escárnios, dos açoites, da crucifixão e do soldado que perfurando o coração de seu amado Filho. Manteve-se de pé. A Virgem Maria, ou Virgem das dores é familiar ao nosso sofrimento, sabe muito bem o que é perder, e perder aquilo que lhe é mais precioso.

Por meio da intercessão de Nossa Senhora, mãe de Jesus, mãe da humanidade os corações dos que sofrem sejam consolados. A chama da esperança aumente e a certeza da ressurreição e do céu se robusteça a tal ponto que a dor e a tristeza lhes estejam submissas. Pela oração permaneçamos de pé diante da cruz, acolhamos nossos mortos, como Maria acolheu o corpo desfigurado de seu Filho Jesus.

Mas o mesmo corpo dilacerado de Jesus que Maria viu flagelado e teve em suas mãos,como nos recorda a imagem da Pietá, sem aspecto humano, do qual todos desviavam o olhar, A virgem das Dores O viu glorioso, majestoso, Ressurreto. Ela foi testemunha ‘de que as dores deste mundo não se comparam com a glória que virá’(Rm 8,18). Tenhamos todos a certeza de que ‘o Senhor limpará todas as lágrimas de nossa face.(Apoc 21,4).’

Francisco Vanderlúcio Souza
Membro da Comunidade de Vida Shalom
Vanderluciosz@yahoo.com.br


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *