Formação

O trigo e o joio

comshalom

Com 3 parábolas, Jesus apresenta no Evangelho a situação daIgreja no mundo. A parábola do grão de mostarda que se converte em uma árvoreindica o crescimento do Reino, não tanto em extensão, mas em intensidade;indica a força transformadora do Evangelho, que «aumenta» a massa e a preparapara converter-se em pão.

 Os discípulos compreenderam facilmente estas duas parábolas;mas isso não aconteceu com a terceira, a do trigo e do joio, e Jesus teve deexplicá-la à parte.

O semeador, disse, era ele mesmo; a boa semente, os filhosdo Reino; o joio, os filhos do maligno; o campo, o mundo; e a colheita, o fimdo mundo.

 Esta parábola de Jesus, na antigüidade, foi objeto de umamemorável disputa que é muito importante levar em consideração também hoje.Havia espíritos sectários, donatistas, que resolviam a questão de maneirasimplista: por um lado, está a Igreja (sua igreja!), constituída somente porpessoas perfeitas; por outro, o mundo, repleto de filhos do maligno, semesperança de salvação. A estes se opôs Santo Agostinho: o campo, explicava ele,certamente é o mundo, mas também na Igreja, lugar em que vivem juntos santos epecadores e em que existe lugar para crescer e converter-se. «Os maus – diziaele – estão no mundo ou para converter-se, ou para que por meio deles os bonsexerçam a paciência.»

 Os escândalos que de vez em quando atingem a Igreja,portanto, devem nos entristecer, mas não surpreender. A Igreja está composta depessoas humanas, não somente de santos. Além disso, também existe joio dentrode cada um de nós, não somente no mundo e na Igreja, e isso deveria eliminar denós a propensão a apontar com o dedo os demais. Erasmo de Rotterdam respondeu aLutero, que o reprovava por sua permanência na Igreja Católica apesar de suacorrupção: «Suporto esta Igreja com a esperança de que seja melhor, pois elatambém está obrigada a suportar-me esperando que eu seja melhor».

 Mas talvez o principal tema da parábola não seja o trigo nemo joio, e sim a paciência de Deus. A liturgia destaca isso com a escolha da 1ªleitura, que é um hino à força de Deus, que se manifesta sob a forma depaciência e indulgência. Deus não tem simples paciência, isto é, não espera odia do juízo para depois castigar mais severamente. Trata-se de magnanimidade,misericórdia, vontade de salvar.

 A parábola do trigo e do joio permite uma reflexão de maioralcance. Um dos maiores motivos do mal-estar para os fiéis e da rejeição deDeus sempre foi a «desordem» que existe no mundo. O livro bíblico doEclesiastes, que tantas vezes se faz porta-voz das razões dos que duvidam e doscéticos, escrevia: «Tudo acontece igualmente ao justo e ao ímpio… Sob o sol,ao invés do direito, está a iniqüidade, e ao invés da justiça, a impiedade»(Ecle 3, 16; 9, 2). Em todas as épocas se viu que a iniqüidade triunfa e que ainocência é humilhada. «Mas – como dizia o grande orador Bossuet – para que nãose acredite que no mundo existe algo fixo e seguro, às vezes se vê o contrário,isto é, a inocência no trono e a iniqüidade no patíbulo.»

 O autor do Eclesiastes já havia encontrado a resposta a esseescândalo: «Eu disse em meu coração: Deus julgará o justo e o ímpio, pois láexiste um tempo para cada coisa e para toda obra» (Ecle 3, 17). É o que Jesuschama na parábola de «tempo da colheita». Trata-se, em outras palavras, deencontrar o ponto de observação adequado diante da realidade, de ver as coisasà luz da eternidade.

 É o que acontece com alguns quadros modernos que, se foremvistos de perto, parecem uma mistura de cores sem ordem nem sentido, mas seforem observados da distância adequada, convertem-se em uma imagem bela epoderosa.

 Não se trata de permanecer com os braços cruzados diante domal e da injustiça, mas de lutar com todos os meios lícitos para promover ajustiça e reprimir a injustiça e a violência. A esse esforço, que todos oshomens de boa vontade realizam, a fé acrescenta uma ajuda e um apoio de valorinestimável: a certeza de que a vitória final não será da injustiça, nem daprepotência, mas da inocência.

 Para o homem moderno, é difícil aceitar a idéia de um juízofinal de Deus sobre o mundo e a história, mas dessa forma ele se contradiz,pois ele mesmo se rebela com a idéia de que a injustiça tenha a última palavra.Em muitos milênios de vida sobre a terra, o homem se acostumou com tudo;adaptou-se a todo clima, imune a muitas doenças. Existe algo ao qual ele nuncase acostumou: a injustiça. Já não somente será querido por Deus, mas tambémpelos homens e, paradoxalmente, também pelos ímpios. «No dia do juízo universal– diz o poeta Paul Claudel –, não somente virá do céu o Juiz, mas seprecipitará ao seu redor toda a terra.»

 Como mudam as vicissitudes humanas quando são vistas desdeeste ponto de vista, incluídas as que acontecem no mundo de hoje! Tomemos oexemplo que tanto humilha e entristece a nós, italianos: o crime organizado, amáfia…, e que com outros nomes está presente em muitos países. Recentemente,o livro «Gomorra», de Roberto Saviano, e o filme que foi feito sobre eledocumentaram o nível de ódio e de desprezo alcançado pelos chefes dessasorganizações, assim como o sentimento de impotência e quase de resignação dasociedade diante desse fenômeno.

 No passado, vimos pessoas da máfia, que foram acusadas decrimes horrorosos, defender-se com um sorriso nos lábios, colocar em xequejuízes e tribunais, rir diante da falta de provas – como se, livrando-se dosjuízes humanos, tivessem resolvido tudo. Se eu pudesse me dirigir a eles, eulhes diria: «Não se iludam, pobres desgraçados; vocês não conseguiram nada! Overdadeiro juízo ainda deve começar. Ainda que vocês terminem seus dias emliberdade, temidos, honrados, e inclusive com um funeral religioso espetacular,depois de ter oferecido grandes quantias a obras de piedade, não terãoconseguido nada. O verdadeiro Juiz os espera detrás da porta, e não é possívelenganá-lo. Deus não se deixa corromper».

 Deveria ser, portanto, motivo de consolo para as vítimas ede saudável susto para os violentos o que Jesus diz ao concluir sua explicaçãosobre a parábola do joio: «Como o joio é recolhido e queimado ao fogo, assimtambém acontecerá no final dos tempos: o Filho do Homem enviará seus anjos, eeles retirarão do seu reino todos os que fazem outros pecar e os que praticam omal; e depois os lançarão na fornalha de fogo. Aí haverá choro e ranger dedentes. Então os justos brilharão como o sol no Reino de seu Pai».


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *