Formação

Os duros de coração não entendem o amor

comshalom

     Nós, homens e mulheres do III milênio, estamos correndo umgrande risco: tornar-nos de novo “primitivos e brutos na compreensão do amor”,e por isso não podemos entender a beleza da eternidade do amor conjugal que épara sempre e o que “Deus uniu” não pode ser separado. E que todo o homem échamado a se tornar “um” não somente no sacramento do matrimônio, onde duascarnes, “feminina e masculina” são chamadas a ser uma só carne, um só corpo, mas também nos corações.

     Os Atos dos Apóstolos nos recorda que na primeira comunidade cristã “havia um sócoração e uma só alma”, e o mesmo Jesus nos fala tão forte desta unidade: “eu eo Pai somos um…ó Pai, que eles sejam um como nós somos um!” Somos chamadosportanto a realizar o desejo mais profundo do corpo, do espírito, ser “um”,superando todas as fragilidades e divisões interiores. Este desejo de unidade étão forte no ser humano que não pode sufocá-lo. É preciso porém que estecaminho para a unidade, seja fundamentado não sobre os sentimentos passageirosmas sobre o amor que é o mesmo Deus. Sem Deus não há comunhão e nem unidade. Umdiscurso que mexe conosco e nos faz sentir mal e nos obriga a buscar por todosos lados, saídas para podermos justificar a nossa falta de amor.

     De que amor Jesus fala? Do amor entrega e doação sem reservas ao outro. Por isso, para compreender a beleza do matrimôniohumano, da união sexual do casal, e da união da alma dos amigos, dos cristãos,devemos ultrapassar toda aparência, e mergulhar-nos no amor infinito. A vida éo mais sublime matrimônio entre a nossa natureza humana e Deus; em Jesus somoschamados a esta maravilhosa união de amor. E os místicos com sua profundidade e com sua sensibilidade,nos falam de um matrimônio que transcendendo o corpo, se une a Deus, o“Matrimônio espiritual” onde a pessoa e Deus se fundem sem perder a própriaindividualidade, numa realidade sublime.

     O amor não pode ser condicionado a beleza, a juventude, asedução, ao prazer, a felicidade, o amor sempre deve ser marcado pela presençada força da cruz. A unidade exige que cada um saiba renunciar uma parte de simesmo para criar uma nova comunhão.

     O que Deus uniu…o homem não separe! Estas palavras deJesus parecem aos olhos de um mundo hedonista onde o sexo perdeu o seu“mistério” e mística, algo de ultrapassado que não tem mais valor. Os que têm“dureza de coração” lutam com todas as suas forças para que a Igreja,“fraquejando”, amenize e “dietize” as palavras do evangelho. Mas a Igrejanão tem autoridade para fazer isto. Eladeve transmitir o evangelho de Jesus que ela mesma recebeu, interpreta-lo, eoferecer uma reta leitura. Por isso o divórcio será sempre uma ruptura do amorinfinito, que fere a dignidade da pessoa e a palavra dada. O amor é para sempreporque nasce de Deus e nos leva a Deus. A palavra de Deus não veio e não éfeita para “massagear” os nossos instintos e sonhos mas para confrontar-nos coma verdade para que a verdade nos liberte a partir de dentro do nosso coração.

     Uma vez a sós os discípulos “assombrados, preocupados eangustiados” com as palavras de Jesus sobre o matrimônio quiseram que eleexplicasse. As explicações de Jesus têm uma clareza impressionante e não deixamnenhuma dúvida e brecha. “Jesus lhes respondeu: “Quem divorciar-se de suamulher e casar com outra, comete adultério contra a primeira. E se a mulher sedivorciar do marido e casar com outro, comete adultério”.(Mc 10, 11-12)
O que dizer? Crer. Assumir.

     É interessante como Marcos acrescenta logo em seguida otexto das “crianças” que não devem serimpedidas de se aproximar de Jesus. Somente quem tiver o coração de criança serácapaz de amar, compreender o Reino de Deus, mergulhar-se no mistério da unidadedivina e humana. O coração de criança não é marcado pela malícia, mas peloamor. Elas sabem viver o amor e quandose desentendem sabem com extrema facilidade se “reconciliar” por que se amam.Assim deve ser o nosso amor humano e divino. Caminhar para a unidade, e quandopecamos se nos afastamos da unidade, pedir perdão e voltar à união. A dureza docoração nos impede de nos amar e compreender o amor.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *