Formação

Os Novíssimos

comshalom

Todo ser humano tem diante de si algumas perguntas fundamentais. Entres estas, as famosas: Quem sou? Qual minha origem? Qual meu destino?

Mesmo num mundo moderno, onde a ciência e a tecnologia encontraram respostas para tantas questões humanas, estas dúvidas ficam ainda em aberto, deixando margem para diversos pontos de vista, e alguns bastante deturpados.

Visando orientar e esclarecer nossa caminhada para o fim último – Deus –, falaremos sobre os Novíssimos, ou seja, o que nos ensina prudentemente a doutrina católica sobre os acontecimentos finais referentes a vida humana, de maneira individual (a morte, o juízo particular, o purgatório, o céu e o inferno) e coletiva (ressurreição dos mortos, segunda vinda de Jesus, juízo final).

A morte

A palavra morte nos faz lembrar muitos sentimentos negativos, como dor e separação, entre outros. Nossa experiência cotidiana com esse termo, naturalmente afasta de nós qualquer desejo por essa realidade. E isso é normal, pois fomos criados para a vida e não para a morte. Na luz da fé, a morte entrou na humanidade como conseqüência do pecado original, e o homem iniciou uma vida de sofrimento e infelicidade. Porém, em Jesus Cristo, Deus feito homem, a morte foi abraçada e derrotada no alto da cruz, recebendo um novo sentido para todos nós que cremos na sua ressurreição. Como nos diz Santa Teresinha: “Eu não morro; entro na vida”.

Assim, a morte é o fim da peregrinação terrestre do homem, do tempo da Graça e da Misericórdia que Deus oferece para que realizemos nossa vida segundo Seu projeto e para que seja decido nosso destino último.

Logo após a morte, o ser humano sai da temporalidade e torna-se incapaz de viver uma nova vida terrena (reencarnação), ou fazer uma opção acerca do seu destino. Ensina-nos a sã doutrina da Igreja que a alma humana recebe de Deus uma iluminação intensa imediatamente após a sua separação do corpo, revelando plenamente o valor e o sentido real da sua existência terrestre.

O homem encontra-se com sua mais plena verdade diante do seu Criador, e “recebe, na sua alma imortal, a retribuição eterna logo depois da sua morte, num juízo particular que põe a sua vida na referência de Cristo, quer através duma purificação, quer para entrar imediatamente na felicidade do Céu, quer para se condenar imediatamente para sempre” (Cat 1022). Por isso é importantíssima a assistência àquelas pessoas que estão “aparentemente” próximas do seu momento final, a fim de prepará-las conscientemente para uma opção última e decisiva com relação ao seu destino eterno.

Mas esta orientação também diz respeito a todos os demais que gozam de perfeita saúde, pois nós não sabemos nem o dia, nem a hora em que seremos convidados à presença do Pai. É importante estarmos diariamente nos preparando para este encontro tão importante.

O Purgatório

Aqueles que morreram na amizade de Deus, mas ainda com as cicatrizes dos pecados cometidos, sofrem um estado de purificação, denominado Purgatório, a fim de chegarem à alegria eterna. No Purgatório não há fogo, como costumamos imaginar, mas uma amarga consciência de ter esbanjado ou ignorado o amor de Deus. Estas almas que padecem podem ser ajudadas pelas orações dos demais fiéis, pelas obras de misericórdia e, principalmente, pelo Sacrifício Eucarístico. Por isso, a Tradição da Igreja sempre honrou a memória dos mortos, buscando pela comunhão dos santos auxiliá-los a alcançarem a visão beatífica de Deus.

O Céu

Por céu, a doutrina da Igreja entende a vida perfeita com a Santíssima Trindade, com a Virgem Maria, com os anjos e todos os bem-aventurados. Não é um local entre as nuvens, mas um estado reservado a todos aqueles que acolheram em plenitude os frutos da redenção realizada por Cristo, e que estão perfeitamente incorporados a Ele. “Os que morrem na graça e amizade de Deus, perfeitamente purificados, vivem para sempre com Cristo. São para sempre semelhantes a Deus, porque o vêem ‘tal como Ele é’, face a face” (Cat 1023).

Algumas teorias teológicas costumam identificar o céu com uma vida terrena cheia de realizações e felicidades, porém possivelmente não é a visão mais acertada. É, sem dúvida, possível compreendermos o paraíso celeste, ao menos como início, a partir da experiência presente de felicidade, dos sacramentos, da comunhão dos santos, e sinais de eternidade, porém a vida eterna prometida pelo Senhor aos seus seguidores excede em muito aos nossos parâmetros humanos de alegria, até mesmo ao cêntuplo prometido ainda nesta vida.

O Inferno

Apesar de todos os homens terem sido criados por Deus e para Ele, é possível ao ser humano fazer uma livre opção contra seu Criador, afastando-se definitivamente da bem-aventurança eterna. Esta condição da alma é o que a doutrina da Igreja chama de inferno.

Em pecado mortal, os mortos são precipitados aos infernos, onde sofrerão as penas, sendo a principal delas a separação para sempre de Deus, única felicidade do homem. Assim, o homem deve usar responsavelmente a sua liberdade visando seu destino eterno, respondendo a um apelo de entrar pela porta estreita da conversão, pela qual poucos passam. Só a aversão voluntária – isto é, o pecado mortal – a Deus, e a persistência nela levam a essa “condição” de condenação, pois Deus não predestina absolutamente ninguém ao castigo eterno. Deus é pura misericórdia!

Durante a formulação da doutrina sobre a sorte final dos homens, alguns teólogos levantaram a possibilidade de haver um estado especial (limbo) para as crianças mortas sem o sacramento do Batismo, porém a Igreja rejeitou essa hipótese, ao afirmar que a misericórdia divina age também por vias extra-batismais, a fim de levar à salvação estas criancinhas desprovidas de qualquer responsabilidade.

A ressurreição dos mortos

A ressurreição dos mortos é uma das verdades mais características do cristianismo, e afirma que todos os homens – justos e injustos – ressurgirão para uma nova vida. Assumirão seu mesmo corpo com novas propriedades, quando Jesus Cristo vier na sua segunda e gloriosa vinda (Parusia), para consumar a história deste mundo.

Mas quando se dará a Parusia? E, até lá, o que ficarão fazendo as almas já separadas dos corpos? Para entendermos essa doutrina, faz-se necessário compreender que, ao morrer, a alma humana sai da temporalidade e entra na Eviternidade, onde não há sucessão de dias, noites ou momentos, mas de atos de pouca ou grande intensidade. Torna-se um pouco complicado para nós imaginarmos o que seria a Eviternidade, pois nossas categorias de pensamento sempre têm presente o fator tempo, mas é nesse estado que a alma “aguarda” sua ressurreição “na nova carne”.

O Juízo Universal

Somente após a ressurreição de todos os homens, Jesus Cristo, Senhor e Juiz de toda humanidade, efetuará o Juízo Universal, quando será revelado “até às últimas conseqüências o que cada um tiver feito ou deixado de fazer de bem durante a sua vida terrena” (Cat 1039).

Tudo isso que vimos deve ser para nós um grande apelo à conversão cotidiana e uma razão maior para nossa esperança nos Novos Céus e na Nova Terra prometida por Deus, onde “a morte deixará de existir, e não haverá mais luto, nem clamor, nem fadiga” (Ap 21,4). Sem descuidarmos da nossa vida terrena, devemos norteá-la pelos valores da vida eterna.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *