Formação

Ousar o amor

comshalom

Não consigo imaginar a entrada de Jesus em Jerusalém, que lembramos no domingo de Ramos, sem pensar em muitas crianças e juventude cantando e aclamando.

O Evangelho de Lucas fala de “multidão de discípulos”. Será que esses “discípulos” eram somente adultos e idosos? Com certeza não. Também porque não há fato, crime, acidente ou confusão que não faça aparecer logo um monte de crianças para espiar. Querem ver; não adianta afastá-las. Ficam emburradas. Também se, nem sempre, o “espetáculo” é para crianças. E os jovens? Com certeza são menos curiosos; às vezes nem ligam, mas nunca estão ausentes. Sobretudo quando, passando de boca em boca, entra em ação a famosa frase: “Todos estão lá”. Para a juventude, mais do que a curiosidade, importa a multidão. Não querem ficar fora do que “todos” estão experimentando. Também, quem mais e melhor do que um jovem para subir em uma árvore para tirar ramos? Então, tenho direito de pensar que, em Jerusalém, a acolher Jesus tinham muitos jovens, adolescentes e crianças.

Talvez seja por isso que a Jornada Mundial da Juventude é comemorada no Domingo de Ramos. Nós também vamos convocar a juventude, temos até uma mensagem do Papa Bento XVI para esse dia.

Nós todos precisamos da juventude. Pobre aquele adulto que sente ciúme dos jovens ou, pior, quer imitá-los, expondo-se ao ridículo e fora de lugar. Não adianta; a fase da juventude é única e não se repete, como todas as outras idades. Portanto, deve ser bem vivida, com as alegrias e as tristezas que tem, assim como todas as outras fases da vida. Mas justamente por ser original, nós todos precisamos da juventude. Com a sua energia, o seu entusiasmo, ela representa o novo até quando, deixando-se levar pelas modas, parece que nada cria e nada inventa, só imita. No entanto, não tem jeito, cada geração é única, é nova em si mesma, por estar livre das amarras do passado e das saudades do que não volta. É nova pela vontade e a consciência de não ser “clone” de ninguém. É e deve ser diferente.

O Papa, em sua mensagem, pede à juventude para “ousar o amor”. Porque se tem algo que cada geração revive e reaviva é, justamente, o amor. Desde o simples e encantador encontro dos namorados, até as decisões mais corajosas e ousadas de quem sente que tem algo de novo para dizer, criar, construir. Muitas das grandes intuições de artistas, poetas, cientistas e filósofos, aconteceram na juventude. A maturidade, quando foi alcançada, serviu para levar à plenitude a própria genialidade. E todos somos artistas e gênios do nosso jeito, criando e agüentando a vida todos os dias. Quanta criatividade a nossa juventude mostra, buscando encontrar o seu caminho na vida, a sua profissão, o seu ganha-pão, o seu grande amor .

Com tanta ousadia e criatividade por que não “ousar o amor”? Por que não acreditar que vale a pena confiar nos outros e gastar os próprios talentos, diz o Papa, não somente para nós, para a nossa vantagem, a nossa satisfação, mas também para amar e servir aos irmãos? Entre tantas formas possíveis de gastar as próprias capacidades, porque não gastá-las para fazer o bem? Disso o mundo todo está muito carente.

Agora, porém, veio-me a dúvida. Será que havia muitos jovens também para gritar “Crucifica-o” na Sexta Feira Santa? Que pena! Poderiam ter ousado amá-lo mais. Talvez o ajudando a carregar a cruz.

Dom Pedro José Conti
Bispo de Macapá (AP)

Fonte: CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *