Formação

Pai orientador

comshalom

Dom Aldo Di Cillo Paggoto

Escuta teu pai que te gerou e não desprezes tua mãe envelhecida.Adquire a verdade, mas, não a vendas. Adquire sabedoria, a instrução eo entendimento. O pai do justo alegra-se intensamente, pois quem gerouum sábio nele se alegrará (Provérbios 23, 22-25). Esses ensinosproverbiais de experiências exaradas como lições práticas de vida esabedoria sempre foram temas apaixonantes das rodas de conversa emfamília.

Quem viveu nesse espaço e nesse tempo sente saudades. Confortam-seaqueles, como eu, com o conteúdo de um autêntico aprendizado, absorvidonas fontes originais das raízes familiares, verdadeira escola que nosprepara para a vida, acompanhadas de habilidades laborais. Não se tratade viver do passado, mas de reviver valores que jamais passarão.

Valores não envelhecem e sim se transmitem como o sangue que correnas veias dos pais que nos ensinaram sermos homens de bem. O que épreciso para ser um pai de verdade, formador dos filhos como pessoas debem, orientador dos filhos nos caminhos da vida? Como se conservaríntegro e tentar transmitir as lições práticas senão as praticando comopai e tutor?

Corrige teu filho enquanto há esperança. Não te descontroles, porém,a ponto de lhe tirares a vida e se quiseres isentá-lo tu o incitas arecair no erro. Ouve o conselho e aceita a correção para te tornaressábio (Provérbios19, 18-20). A Palavra do Senhor está permeada deconselhos, frutos da experiência vivenciada na lida diária dos séculos.São diretrizes. Não podem vir a faltar.

Certo tipo de (pseudo) pedagogia moderna não aceita expressões dasabedoria bíblica, rejeitadas, pois, como formas repressivas. Por outrolado, o que se vê são filhos soltos, distante do olhar vigilante eafetuoso dos pais. Correção não é repressão. Conselho não é “pegar nopé”, inibindo um filho. Após a dita revolução sexual de 1968, com ofamigerado slogan “é proibido proibir”, a liberdade perverteu-se emlibertinagem; os referenciais formativos do caráter de uma pessoa sadiasão taxados de censura, manipulação.

Quem sabe por isso os pais se intimidam, não conseguem educar osfilhos, corrigi-los, orientá-los, colocar limites e balizas entre o queé certo e o que está errado. Daí a tendência dos pais “terceirizarem” aeducação dos filhos, remetendo-os à escola e a uma porção deatividades. Ora, ninguém educa os filhos dos outros se na própria casanão recebe educação… Percebem?

Estamos precisando de uma “escola de pais”, mobilizando-nos comofamílias, igrejas, entidades, associações, filantropias. Quem topa aparada?


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *