Igreja

Papa aos cientistas: mestres de uma nova geração de construtores de paz

“A realidade histórica é cada vez mais uma realidade única e deve ser servida pela pluralidade de conhecimentos para o crescimento de uma nova cultura que promova a dignidade e o desenvolvimento de cada homem e de cada mulher”.

comshalom

O Papa Francisco enviou uma mensagem em vídeo para os participantes do Encontro Internacional “A Ciência pela Paz” que se realiza nos dias 2 e 3 de julho por ocasião do Jubileu do Santuário de São Gabriel que se encontra ao lado do Instituto Nacional de Física Nuclear, organizado pela Universidade de Teramo.

Não pode e não deve haver oposição entre fé e ciência

Francisco iniciou agradecendo os organizadores e participantes do encontro “Ciência pela Paz”: “Este encontro é um grande presente de esperança para toda a humanidade”.

“Mais do que nunca como neste momento vemos a necessidade de um relançamento da pesquisa científica a fim de enfrentar os desafios da sociedade contemporânea. E fico feliz que seja a comunidade diocesana de Teramo que esteja promovendo este encontro, dando assim testemunho de que não pode e não deve haver uma oposição entre fé e ciência”.

Pesquisa a serviço de todos

Em seguida recordou as palavras da Fratelli tutti: “É ‘urgente conhecer a realidade para construir juntos’. Para que o desejo de conhecimento, que se esconde no coração de cada homem e de cada mulher, possa crescer e se desenvolver, a pesquisa científica deve colocar seu conhecimento a serviço de todos, buscando sempre novas formas de colaboração, o intercâmbio de resultados e de construção de redes”. Além disso, “não se deve ocultar o risco de um progresso científico ser considerado a única abordagem possível para se entender um aspecto da vida, da sociedade e do mundo” (FT 204). E o Papa pondera ao falar sobre a pandemia:

“A experiência da emergência sanitária, mais do que nunca, e de certo modo com maior urgência, pede ao mundo da ciência para repensar as perspectivas da prevenção, da terapia e da organização da saúde, levando em conta as repercussões antropológicas ligadas à convivência social e a qualidade das relações entre familiares e, acima de tudo, entre as gerações”

A realidade histórica 

Também recorda que: “Nenhum conhecimento científico deve caminhar sozinho e sentir-se autossuficiente. A realidade histórica é cada vez mais uma realidade única e deve ser servida pela pluralidade de conhecimentos que, em sua especificidade, contribuem para o crescimento de uma nova cultura capaz de construir a sociedade, promovendo a dignidade e o desenvolvimento de cada homem e de cada mulher”.

Por fim, o Pontífice encoraja os presentes ao desafio: “Diante de novos desafios, a vocês, queridos amigos da ciência, é confiada – sim, a vocês! – a tarefa de testemunhar que é possível construir um novo vínculo social, comprometendo-se a fazer a pesquisa científica próxima de toda a comunidade, da local à internacional, e que juntos é possível superar qualquer conflito”.

“A ciência é um grande recurso para a construção da paz!”

Concluindo o Papa faz um pedido:

“Peço-lhes que acompanhem a formação das novas gerações, ensinando-lhes a não ter medo do esforço de pesquisa. Também o Mestre se faz procurar: Ele infunde em todos a certeza de que quando se busca com honestidade se encontra a verdade. Esta mudança de época precisa de novos discípulos do conhecimento, e vocês, queridos cientistas, são os mestres de uma nova geração de construtores de paz”.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *