Igreja

Papa aos sacerdotes: Testemunhem com a vida a compaixão que só Jesus pode dar

Dirijo-me a cada um de vós, padres, que tantas vezes, de forma imperceptível e sacrificada, no cansaço ou na fadiga, na doença ou na desolação, assumis a missão como um serviço a Deus e ao seu povo.

comshalom

Nesta terça-feira (04/08), a Igreja recorda o Cura d’Ars, São João Maria Vianney, patrono dos sacerdotes, nos 161 anos de sua morte. Em sua conta no Twitter, hoje o Papa Francisco afirmou:

Uma mensagem sempre atual

No ano passado, em 4 de agosto, e inspirado pelo santo, o Pontífice escreveu uma carta a todos os sacerdotes do mundo, mostrando-lhes proximidade, encorajamento, apoio e conforto. Clique [AQUI] para ler a carta, na íntegra.

“Como o Cura d’Ars, labutais na «trincheira», aguentais o peso do dia e do calor e, sujeitos a uma infinidade de situações, as enfrentais diariamente e sem vos dar ares de importância para que o povo de Deus seja cuidado e acompanhado”, ressalta Francisco na carta. Através dos sacerdotes de hoje, o pontífice revivia a figura do Cura do final do século XVIII.

Um encorajamento à missão

O Papa Francisco agradeceu e encorajou todos os sacerdotes com a ajuda de quatro palavras: tribulação, gratidão, ardor e louvor. “Dirijo-me a cada um de vós que tantas vezes, de forma imperceptível e sacrificada, no cansaço ou na fadiga, na doença ou na desolação, assumis a missão como um serviço a Deus e ao seu povo e, mesmo com todas as dificuldades do caminho, escreveis as páginas mais belas da vida sacerdotal”, escreveu o Papa um ano atrás.

Vocação: Uma resposta a um chamado gratuito

Após o convite a “não desanimar”, a segunda palavra, gratidão, que o Santo Padre chama de “uma arma poderosa”. Francisco recorda que “a vocação, mais que uma nossa escolha, é uma resposta a um chamado gratuito do Senhor”.

O terceiro substantivo é “ardor” e a sugestão do Papa é “perguntar-se sempre como enfrentamos a dor”, advertindo a não cair na acédia, “naquela tristeza que paralisa a coragem de prosseguir no trabalho, na oração”, que “torna estéril todas as tentativas de transformação e conversão, espalhando ressentimento e aversão”.

Por fim, Francisco recorda a importância do “louvor”, porque “contemplar Maria é voltar a acreditar na força revolucionária da ternura e do afeto”, tal como São João Maria Vianney sabia fazer, desde criança.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *