Formação

Para ter um ano novo feliz

comshalom

ano novo felizEstamos no início de um novo ano e faço votos que os leitores estejam bem dispostos a fazer o caminho que temos pela frente. Quando termina um ano e inicia um novo, as preocupações e atitudes das pessoas são muito diversificadas: consulta de cartomantes, adivinhos ou videntes, amuletos para espantar os males, uso de roupas “para atrair a sorte”, certos tipos de comida ligados a bons presságios… Sem falar do espocar de champanhes e foguetes, para “acordar as forças cósmicas e atrair bons fluidos”, mesmo se, depois, é mesmo a ressaca que vem e o ar fica poluído, de tanto enxofre liberado em forma de som e luzes coloridas… Isso tudo adianta alguma coisa?

Há, certamente, um incentivo difuso e insistente na opinião pública, e já incrustado na cultura, para confiar a não sei quê tipo de forças ocultas a condução dos destinos de um ano que começa. Será o medo de encarar a responsabilidade sobre a própria vida? Será pouca fé em Deus? Mesmo assim, será a necessidade de crer e de confiar em “alguma coisa”, que seja mais poderosa que nós mesmos e nos ajude a enfrentar o desconhecido que se abre diante de nós a cada início de ano? São Paulo já chamava a atenção dos Colossenses, também eles ainda sujeitados ao medo do acaso e de forças cósmicas desconhecidas, dando atenção a “teorias e conversas sem fundamento…. segundo os elementos do cosmo, e não segundo Cristo: que ninguém vos engane!” (cf Cl 2,8).

Um dia sucede a outro e não é a virada da última folhinha do calendário que vai trazer, magicamente, alguma mudança na vida; nem será ela capaz de desencadear forças ocultas, que tragam o bem ou o mal… Cada ano, cada mês, cada dia, hora e minuto são um presente de Deus para nós. “Quem, com suas preocupações, é capaz de acrescentar um só dia à duração de sua vida?” – perguntava Jesus (cf. Mt 6,27). É Deus o senhor do tempo e da história; foi Ele que nos tirou do nosso nada e nos fez entrar no tempo (quem, por si mesmo, decidiu nascer?); a cada manhã, acorda-nos novamente para a vida e nos chama a sermos construtores da nossa história, a colaborar na sua obra, livre e generosamente. Mostra-nos o caminho e nos convida a seguir por ele; ilumina nossos passos, se queremos andar na sua luz; quer ser nosso companheiro de caminho no peregrinar pelo tempo, se aceitamos sua companhia…

O início de um novo ano, portanto, é tempo para renovar nossa fé em Deus, aderindo com confiança aos seus desígnios sobre nós e o mundo. Com o salmista, peçamos também nós cada dia: “ensinai-nos a bem contar nossos dias e dai ao nosso coração sabedoria!” (Sl 90,12). Sim, boa sabedoria é conhecer os caminhos de Deus e tomar a decisão de seguir por eles. São seguros e nos permite mandar com liberdade na direção boa, dando sentido à vida: “Mostrai-me, Senhor, os vossos caminhos para que eu caminhe na vossa verdade” (Sl86,11). O novo ano será tão bom quanto nós o fizermos acontecer, com a ajuda de Deus. Não será bom, se nós, ou outros, agirmos fora dos planos de Deus; nossas ações pessoais têm repercussões, não apenas sobre nós mesmos, mas também sobre os outros e sobre o mundo; para que o ano seja bom, é fundamental viver e agir de forma responsável cada dia, pensando no nosso bem, mas também no dos outros.

Não é o início do ano que faz o ano todo ser bom: o ano novo abre-se diante de nós como um projeto a ser realizado cada dia, com esforço e perseverança; por isso, a cada novo dia renovemos nossos bons propósitos e disposições. Por outro lado, iniciemos confiantes cada novo dia; Jesus ensinou que, “cada dia, bastam os próprios cuidados” (Mt 6,34). Se queremos passar bem o ano todo, elevemos cada dia nossa prece de confiança na vontade de Deus; e façamos o constante e honesto discernimento sobre aquilo que se passa ao nosso redor, para interpretar bem os “sinais dos tempos”; deixemo-nos conduzir pela mão de Deus: nos seus mandamentos e na sua Palavra Ele nos indica o caminho a seguir.

No início do ano, a Igreja invoca sobre nós a bênção de Aarão, que S. Francisco adotou como sua também: “O Senhor te abençoe e te guarde! O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face e se compadeça de ti; o Senhor volte para ti o seu rosto e te dê a paz” (cf Nm 6,24-26). Ter Deus na vida, dá serenidade e paz ao coração. Nada pode abalar a quem segura firme na mão de Deus! Portanto, só me resta desejar a todos um feliz e abençoado ano novo! Com a graça deDeus e nosso esforço diário!

Dom Odilo Pedro Scherer

cardeal e arcebispo de São Paulo

Formação 14 de janeiro de 2010


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *