Igreja

Pesquisa internacional sobre família revela que a maioria dos jovens no Brasil quer se casar

Com a valorização dos vínculos no lar, o matrimônio tem sido desejado por cerca de 80% dos jovens brasileiros.

O relatório da primeira parte de uma pesquisa internacional intitulada “Família e Pobreza” foi apresentado nesta terça-feira (23), na Itália. O link de acesso está disponível no site www.familymonitor.net. O próprio Observatório Internacional da Família (Family International Monitor), do Pontifício Instituto Teológico João Paulo II para as Ciências do Matrimônio e da Família, está coordenando o projeto que conta com a colaboração da Universidade Católica de Múrcia, na Espanha, e do Centro Internacional de Estudos sobre a Família (CISF), de Milão, na Itália.

A pesquisa procura reunir dados bibliográficos e estatísticos, inclusive de órgãos governamentais, informações e pesquisas de campo sobre a relação família-pobreza. Um trabalho amplo que está sendo realizado em duas etapas: a primeira, que compreende os anos de 2019 e 2020, que foi divulgada nesta terça-feira, concentrou o estudo sobre o aspecto de ‘família e pobreza relacional’; já na segunda etapa, que começa a partir de agora e compreende os anos de 2020 e 2021, a pesquisa será direcionada para a ‘família e pobreza econômica’.

A ideia do projeto

Quem explica no detalhe como está acontecendo esse grande trabalho de abrangência internacional é o Padre Rafael Fornasier, diretor da seção brasileira do Pontifício Instituto, com mestrado e doutorado em Família. Ele coordena a parte da pesquisa no Brasil:

“A ideia justamente é mapear como a família vem lidando com a questão da pobreza não somente econômica, não somente estrutural, mas, como a gente anunciou também, com a pobreza relacional. O Brasil, dentre tantos países participantes dessa pesquisa – são vários países envolvidos, com várias instituições de ensino e centros acadêmicos – deu a sua contribuição com um relatório de aproximadamente de 15 a 20 páginas; procurando também fazer esse mapeamento a partir de estudos que nós temos realizado no país. E tentando justamente perceber quais são as forças e as fragilidades da família ao lidar com essa questão relacional e também com a pobreza econômica.”

A força das gerações dentro de casa

Sobre a realidade brasileira, o Padre Rafael antecipou o que foi apresentado no relatório. O professor explica que as famílias, caracteristicamente “ampliadas”, ganham com a força e a solidariedade de outros atores envolvidos no lar, como avós e tios. Se de um lado, porém, existe essa riqueza, do outro corre a pobreza com uma queda muito acelerada da taxa de natalidade no país:

“Sublinhando um pouco do que a gente percebe que acontece no Brasil, a família é entendida como família ampliada, ou seja, não só aquela nuclear – constituída de pais e filhos –, mas envolvendo também os avós e os tios. Então, tem uma força intergeracional muito grande, por isso também uma solidariedade intergeracional muito grande, sobretudo no momento em que o Brasil está envelhecendo cada vez mais. Então, temos essa riqueza intergeracional e, por sua vez, também já identificamos uma pobreza, porque estamos diminuindo também o acolhimento das novas gerações com um decréscimo, uma queda muito acelerada da taxa de natalidade no país. Obviamente que isso está ligado à pobreza estrutural e econômica nas famílias, que não têm filhos porque não se sentem seguras para criar filhos neste mundo, não tendo o apoio necessário econômico: o trabalho, a escola, a creche, a saúde, enfim, tantas coisas das quais nós necessitamos para viver dignamente. Então, essa é uma fragilidade, uma pobreza que a gente identifica ligada à pobreza estrutural, a pobreza relacional que seria aquela da relação parental e da relação também de filiação.”

O matrimônio desejado por 80% dos jovens

O Padre Rafael aponta ainda, sempre com base no Brasil, outra força que se identifica dentro de casa com a valorização da família, sobretudo porque o matrimônio tem sido um desejo de cerca de 80% dos jovens; e outra fragilidade:

“A gente identifica também uma pobreza na fragilidade dos vínculos conjugais: o aumento de divórcios no país, embora haja uma outra riqueza aí, isto é, a valorização da família, como toda a família de origem, uma família vista como todo como o maior bem, enfim, pelas novas gerações é algo muito valorizado. No entanto, há um grande receio em se constituir família, embora se aponte também que o casamento ainda continua sendo desejado por grande parte da juventude: entre 70 e 80%.”

Mapeamento como base para melhor atuação

Entender o aspecto relacional da pobreza e as implicações na realidade familiar podem ajudar a Igreja, e também o Estado, para melhor intervir e apoiar ações para superar as pobrezas relacionais e estruturais:

“Agora é importante que se trabalhe justamente para fortalecer os vínculos familiares, identificando justamente – como é um pouco o papel dessa pesquisa – onde estão as fragilidades, onde estão as riquezas e como não só a própria família, mas o Estado também é chamado em causa e, no nosso caso também, a Igreja.”

______________

Leia também

Família humana: Via de santidade escolhida por Deus


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *