Formação

Por que violentar crianças?

comshalom

O 1º Seminário Paraibano sobre Violência Doméstica Infanto-juvenil foi realizado recentemente em nossa Capital, capitaneado por Soraya Escorel, Promotora da Infância e Juventude. O evento abordou uma série de temas ligados ao fenômeno da violência doméstica. Entre outras formas inusitadas que incidem na destruição da vida das crianças e adolescentes encontram-se os abusos e a exploração sexual. O uso e o abuso de menores para fins libidinosos estão ocorrendo dentro de casa, cada vez aumentando o índice de registros, chegando-se aos 87% (Note bem: do que é registrado e não do que acontece na realidade, bem pior do que se imagina). “Os gritos no silêncio do lar” é uma expressão que traduz o objetivo do seminário para a erradicação do abuso e exploração sexual infanto-juvenil. O que se passa dentro do “lar” é mantido em cúmplice silêncio e conivência covarde. É difícil esperar que as vítimas denunciem seus opressores, pela questão das represálias inconfessáveis.Abuso e exploração caminham juntos na prática bestial. Equipara-se às épocas de barbáries pagãs descomunais. A exploração compõe-se de formas sofisticadas, atualizadas conforme novas modas, lançadas exclusivamente com fins lucrativos. A título de precocidade duvidosa, hoje crianças de três ou cinco aninhos são “lançadas como modelos”. Há pais que se promovem com isso, especialmente na classe A ou B. As outras classes mais humildes imitam o que fazem aqueles, referenciais de “status”, de bem-estar. Hoje, a pessoa adquire valor pela produção da sua imagem sensual. A vida passa a valer pela aparência de prazer e felicidade, evidentemente com muita grana para curtir.A violência doméstica possui características variadas. Trata-se de uma fenomenologia que se espalhou pelo mundo; está presente em todas as classes sociais. Por certo o fenômeno da violência generalizada está vinculado diretamente à falta de oportunidades para as classes empobrecidas. A inclusão social com o resgate da dignidade humana é a resposta para erradicação da violência. Assim, o desencadeamento da violência progride na medida em que se negam as oportunidades de formação, através do estudo e do trabalho. Educação e profissionalização é a resposta. Porém, não basta. É preciso investir nas dimensões constitutivas do ser humano – os valores éticos e morais, que formam sua personalidade, modelando sua dignidade inalienável.Urge uma espécie de “escola” que ajude a formação de pais e de voluntários, responsáveis pelos filhos, promovendo bons relacionamentos, coibindo crimes e injustiças de maus tratos e abusos sexuais, que, repita-se, ocorrem no seio das “famílias”. Todos os profissionais que, por força do ofício sagrado, lidam com a formação das crianças e adolescentes precisam contar com os pais ou responsáveis. Não pode haver divórcio entre a orientação que se recebe na escola e cumplicidade em abusos praticados dentro de casa, lugar insuspeito. Em caso contrário, nada dará resultado. Antes, daí se descobre que “pais venham tirar satisfações” com a direção da escola quando existe algum problema de mau comportamento de alunos.Hoje, sabemos o que nem daria para imaginar até a pouco tempo atrás: o que se passa no ambiente familiar. Quem poderia suspeitar que no aconchego protetor do lar pudesse ocorrer o que se patenteia escancaradamente – o abuso sexual? A realidade hoje é cruel. O estilo de vida livre, os relacionamentos familiares mudaram radicalmente a partir da década de 60, especialmente com a revolução sexual e com a contestação às instituições e às autoridades, incluindo a própria família. Como não há nada de oculto que um dia não venha a ser conhecido à luz do dia, o ambiente sadio de casa foi desmistificado.Ontem e hoje, crianças e adolescentes alimentam a sanha dos seus exploradores. Pais ou tutores ou todo tipo de parentela. A sociedade se encontra, de um lado, em estado de choque. De outro, há quem já aprove tudo isso como sendo muito espontâneo, natural. A verdade é que todos nós, em quaisquer áreas profissionais, incluindo a dimensão de fé e bons costumes, devemos nos mobilizar para a educação de crianças e adolescentes, sem deixar de colaborar com a reeducação dos adultos – o que se constitui como desafio nada fácil. Deus nos livre da mentira e nos proteja da violência! Dom Aldo Di Cillo Pagotto


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *