Formação

Por que vou a Roma?

comshalom

Conta-se de Dom João Becker, ex-arcebispo de Porto Alegre, que ele insistia no estudo e na formação permanente do clero. Em resumo dizia: “Padre que não estuda vira boi”. Eu me pergunto: E bispo que não estudo, vira o quê? Para não obrigar ninguém a responder, irei a Roma por duas semanas participar de um evento internacional de cristãos e bispos a fim de partilhar desafios e esforços de evangelização no contexto do mundo globalizado.

Em primeiro lugar trata-se da renovação interior, pessoal. O Apóstolo Paulo escreveu a Timóteo, que pertence à primeira geração de bispos, sucessores diretos dos Apóstolos: “Exorto-te a que reanimes o dom de Deus que está em ti”. E ao povo tessalonicense: “Não apagueis o espírito” (1 Ts 5, 19).

Quando se extingue o espírito, a mente fica no escuro, sem luz, incapaz de distinguir entre o certo e o errado. A própria agitação cotidiana desgasta a pessoa e exige recomposição periódica.

É célebre o desabafo de São Gregório Magno, um dos maiores Papa da Igreja: “Depois que tomei sobre os ombros a responsabilidade pastoral, o espírito não consegue recolher-se tão assiduamente como queria, porque se encontra solicitado por muitas preocupações”.

Mas há também a evolução contínua da história, com rápidas mudanças sociais e culturais. O Papa João Paulo II aconselhava o clero a “acertar o passo” com o caminho da história. Literalmente escreveu: “Hoje não existe profissão, compromisso ou trabalho que não exija atualização, se quiser ser credível e eficaz” (Pastor Dabo Vobis, nº 70).

E aos Bispos o mesmo Papa escreveu: “É evidente que, como acontece na vida da Igreja, também o estilo de ação, as iniciativas pastorais, as formas de ministério do Bispo vão evoluindo. Também deste ponto de vista, resulta a necessidade duma atualização” (Idem, nº 24).

Em Roma estarei orando pelo povo diocesano e pelo Brasil junto aos túmulos dos Apóstolos São Pedro e São Paulo. Naturalmente, direi ao papa Bento XVI da beleza e das dificuldades do nosso povo, pedindo que o abençoe.

De minha parte, peço oração também. Digo com o salmista: “O Senhor tem compaixão dos que o temem, porque sabe de que barro somos feitos, e se lembra que somos apenas pó” (Sl 102, 13-b-14).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *