Formação

Porque é tão difícil relacionar-se?

comshalom

Introdução

Cada um de nós é único e diferente, os outros nos arrancam do egoísmo, da solidão, enfim de nós mesmos e tendem a nos empurrar para Deus. O que mais nos leva a encontrar a Deus? Não podemos dizer que encontramos a Deus ignorando os outros, tampouco que um animal ou uma flor nos leva mais a Deus que os nossos semelhantes. Quando saímos de nós para amar o outro, agradamos muito ao coração de Deus.

A vontade de Deus é que desenvolvamos o amor fraterno entre nós, mas como? Cultivando relacionamentos de amor e fraternidade.

Vamos ver alguns exemplos bíblicos de amor humano. Para isso, você pode fazer uso da sua Bíblia.

– Abraão e Isaac (pai e filho) Gn 21, 1-14; Gn 22, 1- 18

– Jacó e Raquel (marido e mulher) Gn 29, 1-30

– Ruth e Noemi (nora e sogra) Rut 1,16-18

– Jesus e a família de Lázaro (união e amizade de amor) ( Jo 11, 1-44)

– Jesus e João (o discípulo amado) Jo 13,22-23

– Jesus e Pedro (o discípulo que mais amou Jesus) Jo 21,15-19

As consequências do pecado em nosso relacionamento

Deus nos criou para uma união íntima com Ele, que nos levasse a relacionarmos conosco e com os outros. Entretanto, o pecado a comunhão que outrora tínhamos com o Senhor e como grave consequência disto, desordenou-nos em todos os nossos relacionamentos. Vamos ler Gn 3,7-20 e meditarmos um pouco a esse respeito. O pecado cavou em Adão e Eva um grande abismo; já não conseguiam mais se comunicar um ao outro. Pois acusavam-se reciprocamente e se falavam cada vez menos. Muito ao contrário do que acontecia quando habitavam no Jardim do Éden. O relacionamento que possuíam no Paraíso era a imagem de Deus.

O pecado nos tornou cegos e egoístas. Mas como cegos? Ele nos tirou a visão interior a respeito de Deus, conosco e com os outros. Egoístas, pois buscamos a nós mesmos de maneira exclusivista, querendo sempre a nossa própria satisfação que gera a “independência” de Deus. O egoísmo é uma doença que nos leva ao desamor dos outros, a querer ser servido, a nunca abaixar-se para servir, aos ressentimentos, ` as mágoas… Entretanto, contra essa maldita enfermidade Deus nos concede sua Graça Divina.

O pecado deixou várias seqüelas em nós. O individualismo é um grande mal gerado pelo pecado. Vivemos hoje numa cultura extremamente individualista, onde a lei é cada um por si e Deus por todos. Aprendemos desde o berço que quem pode mais chora muito menos. O individualismo nos leva a uma recusa do relacionamento com Deus, e sem o qual somos incapazes de nos relacionarmos com os outros. ” Se não amo ao irmão, a quem vejo, como poderei amar a Deus? ” ( I Jo 2,10)

Você conhece a história de Caim e Abel? Nela vemos o reflexo daquilo que o pecado fez ao coração do homem. Vamos ler atenciosamente Gn 4, 1-25.

O primogênito, Caim, tornou-se como seu pai Adão, agricultor e lavrador. Ao contrário, Abel, escolheu ser pastor e cuidar de ovelhas. Este ofício oferecia-lhe tempo para rezar, para escutar a Palavra de Deus e servi-lo. O que Abel significa para nós? É a pessoa cuja vida está em caminho para atingir a vida eterna. Não possui um lugar fixo, mas está sempre a caminho. Não esforça-se para acumular propriedades, e dá a Deus o que há de melhor.

E Caim? É o protótipo do homem preso às coisas deste mundo, que investe o melhor do seu tempo e dos seus talentos para realizar exclusivamente a si mesmo através do sucesso material. Porém, todo seu sucesso se transformou num insucesso e derrota. Tornou-se um errante, sem parada, e não encontrou nenhuma satisfação verdadeira, nem sequer nesta vida, onde tudo é passageiro.

O coração de Caim era tomado pela competição e pelo individualismo. Ele não trabalhava para Deus, mas para si, e não suportava de forma alguma ver a predileção de Deus por Abel. Por isso, tomado pela inveja eliminou aquele cuja vida era voltada para Deus, provocando assim o primeiro assassinato na história do homem. Tudo isso que vimos levou-nos a uma isenção da responsabilidade para com o outro. Um exemplo claríssimo que podemos tomar está em Mt 27, 24. Pilatos para não assumir seu posicionamento em relação a Jesus, o qual acreditava ser inocente preferiu lavar as mãos. Quantas vezes você não lavou sua mão para não assumir qualquer responsabilidade com o teu próximo? Vamos rezar um pouco sobre isso.

Podemos nos unir senão em Deus?

Quem não conhece aquela célebre frase: ” A união faz a força!!!” ou ainda, “Juntos chegaremos lá!!!” Estar junto buscando um mesmo ideal não significa unidade, tampouco exprime o tipo de relacionamento que agrada a Deus. Unimo-nos para juntos conseguirmos êxito em nossos objetivos. Não é a isso que somos chamados. Movido pelo orgulho, o homem construiu a Torre de Babel. Entretanto, ao excluir Deus findou-se a unidade, pois Ele é o grande Outro que une os homens entre si.

A unidade é um grande dom de Deus, porém quando fazemos mau uso dela, pode tornar-se nociva. Então, a compreensão mútua já não existe. Todo dom de Deus se usado para o egoísmo humano, torna-se um mal para nós mesmos.

A falta de comunhão com o outro nos leva ao abismo do fechamento

Quando nos recusamos a nos relacionarmos criamos entre nós e os outros um imenso abismo. Ao nos fecharmos em nós mesmos, nos tornamos egocêntricos. Começamos a agir mesmo que inconscientemente com um pé na infância, daí surgem o ciúmes, a inveja, as competições, o desejo ardente de eliminar os outros da nossa vida, quando não o fazemos utilizando a indiferença. Tudo isso impede que nossa personalidade seja amadurecida, e corremos o grande risco de nos tornarmos pessoas angustiadas, solitárias e inseguras.

Cada um de nós é um ser único que foi criado por Deus. Tudo o que somos nunca existiu e jamais existirá igual. As nossas qualidades e talentos são experiências vividas nos constituem de uma maneira muito singular, tanto quanto nossas impressões digitais. Somente você pode partilhar com o outro o que você é. Quando nos recusamos, privamos os que estão a nossa volta do dom que somos para eles.

” O caminho da justiça é o amor. Nem sempre é fácil permanecer à imagem das emoções, que nos envolvem diariamente na vida em sua continuidade. Tentar avaliar as nossas posições e palavras à luz da justiça que procuramos, à luz da Palavra do Senhor. Permanecer alerta para que as pequenas dificuldades sejam superadas no seu nascer. Erva daninha não arrancada logo, vira mato. Desentendimento não esclarecido, com facilidade torna-se barreira que prejudica todo um caminho de construção de um futuro melhor.” ( Frei Patrício)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.