Notícias

ACN: Nossa ajuda se concentra em auxiliar projetos de evangelização explícita

O representante da Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), visitou os estúdios do programa Fazendo Barulho, produzido pela Comunidade Shalom e exibido aos sábados, na REDEVIDA de televisão.

comshalom

Ontem (10/02), Ulrich Kny, representante da Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (ACN), visitou a Diaconia Geral, sede da Comunidade Católica Shalom. Na ocasião, ele foi recebido por Moysés Azevedo, Moderador Geral da Comunidade, Padre Denys Lima, responsável pelos sacerdotes, e Leandro Formolo, ecônomo geral. Ulrich também visitou os estúdios do programa Fazendo Barulho, exibido aos sábados na REDEVIDA de televisão.

Uma missão: consolar os cristãos que choram

Em entrevista ao programa, ele ressaltou que o enfoque principal da AIS é secar as lágrimas “nos lugares onde Deus chora”, especialmente pela perseguição religiosa, com os mártires de hoje, que são maiores do que no período das primeiras comunidades cristãs.

“A obra também se preocupa com o sofrimento da falta de bens materiais em outras partes do mundo, fazendo com que apoiemos, hoje em dia, projetos em 140 países, com um enfoque naqueles que têm perseguição/opressão religiosa”, afirmou Ulrich.

Ajuda concreta à Comunidade

A Comunidade Shalom, que possui o reconhecimento Pontifício desde o ano de 2012, é acompanhada de perto pela Igreja. A sua missão evangelizadora abrange povos de diversas nações e inclui a formação de leigos para o anúncio da Paz aos confins da terra. O carisma, que possui um conjunto de regras (Estatutos) definidos, conta com a intercessão de membros da Igreja Católica em todas as partes do mundo, além de ajuda financeira.

Anúncio explícito

Segundo Ulrich, hoje o enfoque principal da AIS é secar as lágrimas “nos lugares onde Deus chora”, especialmente pela perseguição religiosa, pelos mártires de hoje que são maiores do que no período das primeiras comunidades cristãs. “A obra também se preocupa com o sofrimento da falta de bens materiais em outras partes do mundo, fazendo com que apoiemos, hoje em dia, projetos em 140 países, com um enfoque nos países em que tem perseguição/opressão religiosa”, ressaltou.

“A nossa ajuda se concentra em auxiliar, principalmente, projetos de evangelização explícita. Nós ajudamos a Igreja especificamente na formação religiosa: formação de sacerdotes, religiosos e leigos como prioridade, principalmente em áreas de periferia, ou em vastas zonas de missão como a Amazônia, mas também em muitas partes da África e da Ásia onde é necessária uma presença maior da Igreja”, afirmou.

Interceda pela Igreja que sofre

O primeiro objetivo da AIS é a oração. Ulrich pediu ainda a interseção pelos cristãos perseguidos em todo o mundo e também por aqueles que passam por necessidades econômicas.

“Para quem também deseja ajudar economicamente, toda ajuda é bem vista. Inclusive, aqui no Brasil, temos muitas pessoas que vivem em favelas em São Paulo e no Rio de Janeiro que uma vez por semana deixam de comer para economizar dinheiro e ajudar os cristãos que sofrem no mundo. Alguns bispos e padres também celebram missas cujas intenções são os cristãos perseguidos; da mesma forma também dedicam o ofertório da Santa Missa para prestar este auxílio”, lembrou.

O escritório da AIS no Brasil fica na cidade de São Paulo e mantém contato com todos os benfeitores brasileiros. Se você sentiu o desejo de ajudar esta Fundação Pontifícia, acesse o site oficial.

Fazendo Barulho

O programa é transmitido todos os sábados, a partir das 23h, e tem duas horas de duração. Conta sempre com quadros interativos, atrações musicais e convidados. No próximo sábado (15/02), o Fazendo Barulho abordará a temática das virtudes.

Acesse o site oficial da AIS


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *