Formação

Psicologia do túmulo

Você sabe o que o Papa Francisco chama de “psicologia do túmulo”?

comshalom

Estamos num epicentro de uma grande transformação da modernidade para hipermodernidade como alguns sociólogos afirmam. Uma teoria atrelada ao estilo de vida que temos, a aceleração de informações, a ansiedade gerada por tanta violência, exigência midiática da perfeição corporal, sucesso, numa espécie de formatação onde todos precisam se enquadrar e tudo isso trouxe incidências na formação da subjetividade do sujeito.

Vemos o mercado orquestrando a ruptura desse indivíduo em sua relação com a sua comunidade, relação essa que é fundamental e referencial na constituição do sujeito, pois somos seres sociais enquanto somos convencidos que cada um é isolado em si mesmo, ou seja, centrado no sucesso individual, conforto, dinheiro e ser bem sucedido.

Diante de tudo isso, constatamos que o cristão está envolto nesse mundanismo e se perdendo com tantas distrações, onde buscam viver para si, construindo seus planos e projetos indiferentes ao pobre, ao que sofre e à vida missionária, a qual Jesus nos chama viver, perde-se, esvanece-se causando uma ruptura desfocada da identidade do sujeito.

Vivem a fé como algo desvinculado de sua identidade, buscando-a para aliviar suas dores ou um mero protocolo de cumprimento de tarefa vazia de sentido e cheia de mecanicismo, transformando a vida cristã em momento isolado de relaxamento e obrigações sem compromisso com a evangelização e sem encontro com o outro.

A igreja é constantemente bombardeada por alguns intelectuais que geram desconfiança ao que é anunciado suscitando insegurança, sentimento de inferioridade em alguns cristãos e na tentativa de serem aceitos escondem sua identidade cristã. Com essa postura relativista o cristão ao invés de anunciar o evangelho passa a questionar-se, a desconfiar de sua missão, esmorece, desacreditando na transformação do mundo e se fecha em si (Evangelii Gaudium, 79).

Papa Francisco (Evangelii Gaudium, 83), vem nos falar sobre a “psicologia do túmulo”, onde o cristão está paralisado em si como uma múmia, desenganado com a realidade, com a igreja e consigo vive sufocado em suas exacerbadas atividades não lhe restando tempo para vida missionária, levando-o a escuridão e a um cansaço que só corroe, destrói a alma e o adoece. Esse adoecimento consiste na falta de sentido, a ação vazia, motivações inadequadas, projetos irrealizáveis, vaidade, dureza de coração na aceitação do fracasso, críticas ou não aceitação da cruz.

A igreja não é formada só pelo papa, bispos, padres, diáconos… nós também somos igreja. Como igreja somos chamados a ser sal e luz para o mundo, levar a todos o evangelho de Jesus Cristo, anunciar a Sua paz, Seu amor e sermos canais dessa misericórdia para os que sofrem e não conhecem a Cristo.

Quando Jesus disse: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16, 15), Ele não disse isso somente para os seus discípulos que estavam diante Dele, mas também convida a nós a sermos seus evangelizadores, sermos seus atuais discípulos e dar continuidade do anúncio de sua misericórdia.

Nesse ano do laicato, principalmente, não devemos nos acomodar e esperar que tudo caia do céu, mas sermos conscientes que toda transformação é consequência de nossa ação evangelizadora e que a vida de oração é nosso combustível para vivermos com parresia a vontade de Deus.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMADO, Joel Portella; FERNANDES, Leonardo Agostini (org.). Evangelii Gaudium em questão: Aspectos bíblicos, teológicos e pastorais. São Paulo: Paulinas. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2014.

ARAÚJO, Renata Castelo Branco; O sofrimento psíquico na pós-modernidade: uma discussão acerca dos sintomas atuais na clínica psicológica; Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0311.pdf; Acesso em 29/09/2017.

FRANCISCO, Papa. Exortação Apostólica Evangelii Gaudium sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual. São Paulo: Paulinas, 2013.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *