Formação

Ptolomeu ou Copérnico? A terra com a palavra!

comshalom

Como até as crianças sabem, durante milhares (ou milhões?)de anos, a terra era considerada o centro do universo. Todos os astros eplanetas se curvavam diante dela e giravam ao seu redor. Era uma convicção daqual ninguém duvidava. Sábios como Platão, Aristóteles e Sócrates morreramfelizes com essa certeza. A própria Bíblia e todas as religiões concordavam comela. Aí pelo ano 150 da era cristã, a teoria foi transformada em ciência porCláudio Ptolomeu, e o geocentrismo reinou soberano por séculos e séculos.

 Contudo, com a chegada de Nicolau Copérnico ao mundo em1473, tudo mudou. Apesar de ser padre católico, ele “excomungou” Ptolomeu e“inventou” o heliocentrismo. A partir daquele momento, a terra perdeu a suahegemonia e teve que rodar, como qualquer outro planeta, em torno do sol.Copérnico morreu em 1543, sem nada conseguir provar. Quem o fez foi GalileuGalilei, em 1609, a partir do telescópio, que o ajudou a descobrir o que há deverdade no céu…

 Evidentemente, com essa reviravolta, a terra diminuiu deimportância. O que ela significa diante de centenas de bilhões de astros queenriquecem o universo? Escrevi “centenas de bilhões de astros” porque, numprograma de televisão, o apresentador afirmou que as estrelas do céu são maisnumerosas que a areia das praias. Será verdade? Se assim for, a terra não temmuito para se orgulhar ante a infinidade de galáxias que iluminam as nossasnoites…

 Mas não é assim que Deus pensa. Para ele, continua válido ogeocentrismo. Quem o lembra é São João, o apóstolo que mais entendeu o projetode Deus: «Deus amou tanto o mundo que lhe deu o seu Filho unigênito» (Jo 3,16).Num universo que parece infinito, somente este minúsculo grão de areia, que é aterra, mereceu ser olhado com predileção por Deus. Eis uma pergunta que arrepiae exalta: por que Deus escolheu exatamente a terra, entre “centenas de bilhõesde astros” para nela colocar sua obra-prima, o ser humano?

 É a pergunta que se fazem todos os que se extasiam ante aimponência do universo e a perfeição do corpo humano. Em outras palavras: nãose sabe o que mais admirar, se a ordem e a grandiosidade do macrocosmo ou acomplexidade e a harmonia do microcosmo… Pergunta que a Bíblia fazia hámilhares de anos: «Contemplando estes céus que plasmaste e formaste com dedosde artista, vendo a lua e as estrelas brilhantes, pergunto: Senhor, que é ohomem para dele assim te lembrares e o tratares com tanto carinho? Pouco menosde um deus o fizeste, e o coroaste de glória e esplendor. Sobre as obras detuas mãos o fizeste reinar, e a seus pés tudo colocaste» (Sl 8,4-7).

 É por isto que a terra continua sendo o centro do universo.Contudo, se Deus a escolheu e preferiu dentre a multidão de astros e planetasque brilham no firmamento, o motivo é apenas um: ele a preparou para ser amorada de seus filhos e filhas. Sendo amor, Deus quis partilhar suas perfeiçõescom quem o pudesse compreender e acolher, razão porque criou o homem «à suaimagem e semelhança» (Gn 1,26). Mais tarde, através de Jesus, esse amor foilevado «às últimas conseqüências» (Cf. Jo 13,1): «Vede que grande amor o Painos deu: sermos chamados filhos de Deus. E nós o somos de fato!» (1Jo 3,1).Apesar de insignificante e minúsculo num universo de dimensões infinitas,graças à sua inteligência, o homem abraça e domina o cosmo com todas as suasgaláxias.

 Se um só foi o motivo da criação do homem, uma só também é atarefa que recebeu: «O Senhor Deus tomou o homem e o colocou no jardim do Éden,para que o cultivasse e guardasse» (Gn 2,15). Deus criou a terra, mas confiouseu “cultivo” e sua “guarda” ao homem: “cultivo” é o desenvolvimento integralda pessoa, tomada em sua unidade de corpo, alma e espírito; “guarda” é ocuidado atento e carinhoso pela natureza e pelo meio-ambiente.

 «Se Deus nos amou tanto, nós também devemos amar os nossosirmãos» (1Jo 4,11), começando pela residência comum que nos foi dada, amãe-terra.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *