Formação

Quaresma, 40 dias de conversão ao amor de Cristo

Intervenção de Bento XVI na audiência geral desta quarta-feira, dedicada à Quarta-Feira de Cinzas.

Queridos irmãos e irmãs:

Na Quarta-Feira de Cinzas, que hoje celebramos, é para nós, cristãos, um dia particular, caracterizado pelo intenso espírito de recolhimento e reflexão. Empreendemos, de fato, o caminho da Quaresma, tempo de escuta da Palavra de Deus, de oração e de penitência. São quarenta dias nos quais a liturgia nos ajudará a reviver as fases destacadas do mistério da salvação.

Como sabemos, o homem foi criado para ser amigo de Deus, mas o pecado dos primeiros pais quebrou esta relação de confiança e de amor e, como conseqüência, a humanidade é incapaz de realizar sua vocação originária.

Graças, contudo, ao sacrifício redentor de Cristo, fomos resgatados do poder do mal: Cristo, de fato, escreve o apóstolo João, foi vítima de expiação por nossos pecados (cf. 1 João 2, 2); e São Pedro acrescenta: Ele morreu de uma vez por todas pelos pecados (cf. 1 Pedro 3, 18).

Ao morrer com Cristo para o pecado, o batizado também renasce para uma vida nova e é restabelecido gratuitamente em sua dignidade de filho de Deus. Por este motivo, na primitiva comunidade cristã, o Batismo era considerado como a «primeira ressurreição» (cf. Apocalipse 20, 5; Romanos 6, 1-11; João 5, 25-28).

Desde as origens, portanto, a Quaresma é vivida como esse tempo da imediata preparação para o Batismo, que se administra solenemente durante a Vigília Pascal. Toda a Quaresma era um caminho para este grande encontro com Cristo, para a imersão em Cristo e a renovação da vida.

Estamos já batizados, mas com freqüência o Batismo é muito eficaz em nossa vida cotidiana. Por este motivo, também para nós a Quaresma é um «catecumenato» renovado no qual saímos novamente ao encontro de nosso Batismo para redescobri-lo e revivê-lo em profundidade, para ser de novo realmente cristãos.

Portanto, a Quaresma é uma oportunidade para «voltar a ser» cristãos, através de um processo constante de mudança interior e de avanço no conhecimento e no amor de Cristo. A conversão não acontece nunca de uma vez por todas, mas que é um processo, um caminho interior de toda nossa vida. Certamente, este itinerário de conversão evangélica não pode limitar-se a um período particular do ano: é um caminho de todos os dias, que tem de abarcar toda a existência, cada dia de nossa vida.

Desde este ponto de vista, para cada cristão e para todas as comunidades eclesiais, a Quaresma é a estação espiritual propícia para treinar-se com maior tenacidade na busca de Deus, abrindo o coração a Cristo.

Santo Agostinho disse, em uma ocasião, que nossa vida é um exercício único do desejo de aproximar-nos de Deus, de ser capazes de deixar Deus entrar em nosso ser. «Toda a vida do cristão fervoroso — diz — é um santo desejo». Se isso é assim, na Quaresma somos convidados, ainda mais, a arrancar «de nossos desejos as raízes da vaidade» para educar o coração no desejo, ou seja, no amor de Deus. «Deus — diz santo Agostinho — é tudo o que desejamos» (cf. «Tract. In Iohn», 4). E esperamos que realmente comecemos a desejar Deus, e deste modo, desejar a verdadeira vida, o próprio amor e a verdade.

É particularmente oportuna a exortação de Jesus, referida pelo evangelista Marcos: «Convertei-vos e crede na Boa Nova» (cf. Marcos 1, 15). O desejo sincero de Deus nos leva a rejeitar o mal e a realizar o bem. Esta conversão do coração é antes de tudo um dom gratuito de Deus, que nos criou para si e em Jesus Cristo nos redimiu: nossa felicidade consiste em permanecer n’Ele (cf. João 15, 3). Por este motivo, Ele mesmo previne nosso desejo com sua graça e acompanha nossos esforços de conversão.

Mas, o que é, na verdade, converter-se? Converter-se quer dizer buscar Deus, caminhar com Deus, seguir docilmente os ensinamentos de seu Filho Jesus Cristo; converter-se não é um esforço para realizar a si mesmo, porque o ser humano não é o arquiteto do próprio destino. Nós não criamos a nós mesmos. Por isso, a auto-realização é uma contradição e é muito pouco para nós. Temos um destino mais alto. Poderíamos dizer que a conversão consiste precisamente em não se considerar «criadores» de si mesmos, descobrindo deste modo a verdade, porque não somos autores de nós mesmos.

Conversão consiste em aceitar livremente e com amor que dependemos totalmente de Deus, nosso verdadeiro Criador, que dependemos do amor. Isso não é dependência, mas liberdade. Converter-se significa, portanto, não perseguir o êxito pessoal, que é algo que passa, mas, abandonando toda segurança humana, seguir com simplicidade e confiança o Senhor, para que Jesus se converta para cada um, como gostava de dizer a beata Teresa de Calcutá, em «meu tudo em tudo». Quem se deixa conquistar por Ele não tem medo de perder a própria vida, porque na Cruz Ele nos amou e se entregou por nós. E precisamente, ao perder por amor nossa vida, voltamos a encontrá-la.

Eu quis sublinhar o imenso amor que Deus tem por nós na mensagem por ocasião da Quaresma, publicada há uns dias, para que os cristãos de toda comunidade possam deter-se espiritualmente durante o tempo da Quaresma, junto a Maria e João, o discípulo predileto, ante Aquele que na Cruz consumou pela humanidade o sacrifício de sua vida (cf. João 19, 25).

Sim, queridos irmãos e irmãs, a Cruz também é para nós, homens e mulheres de nossa época, que com demasiada freqüência estamos distraídos pelas preocupações e os interesses terrenos e momentâneos, a revelação definitiva do amor e da misericórdia divinos. Deus é amor e seu amor é o segredo de nossa felicidade. Agora, para entrar neste mistério de amor, não há outro caminho senão o de perder-nos, entregar-nos, o caminho da Cruz. «Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me» (Marcos 8, 34). Por este motivo, a liturgia quaresmal, ao convidar-nos a refletir e rezar, estimula-nos a valorizar mais a penitência e o sacrifício, para rejeitar o pecado e o mal e vencer o egoísmo e a indiferença. A oração, o jejum e a penitência, as obras de caridade para os irmãos se convertem, deste modo, em caminhos espirituais que devem ser percorridos para voltar a Deus em resposta aos repetidos chamados à conversão que a liturgia faz hoje (cf. Gálatas 2, 12-13; Mateus 6, 16-18).

Queridos irmãos e irmãs, que o período quaresmal, que hoje empreendemos com o austero e significativo rito da imposição das Cinzas, seja para todos uma renovada experiência do amor misericordioso de Cristo, que na Cruz derramou seu sangue por nós.

Coloquemo-nos docilmente à sua escuta para aprender a «voltar a dar» seu amor ao próximo, especialmente aos que sofrem e atravessam dificuldades. Esta é a missão de todo discípulo de Cristo, mas para realizá-la é necessário permanecer na escuta de sua Palavra e alimentar-se assiduamente de seu Corpo e de seu Sangue. Que o itinerário quaresmal, que na Igreja antiga é itinerário para a iniciação cristã, para o Batismo e para a Eucaristia, seja para nós, batizados, um tempo «eucarístico», no qual participemos com maior fervor do sacrifício da Eucaristia.

Que a Virgem Maria, que após ter compartilhado a paixão dolorosa de seu Filho divino, experimentou a alegria da ressurreição, acompanhe-nos nesta Quaresma rumo ao mistério da Páscoa, revelação suprema do amor de Deus.

Boa Quaresma a todos!

Fonte: Zenit


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *