Formação

Santos do povo

comshalom

O calendário santoral, no mês de junho, se distingue, dentre os demais, por celebrar a memória de santos que, além de reverenciados no culto litúrgico, ocupam um lugar especial na comemoração cultural que se mantém muito viva na Região Nordeste. Santo Antônio, São João e São Pedro, santos do povo, cultuados, respectivamente, nos dias 13, 24 e 29 de junho. O culto que lhes é prestado remonta às origens da colonização do Brasil, se enraizou na devoção e na cultura regional e é expressão da religiosidade popular.

O primeiro santo junino é Santo Antônio a quem reverenciam, de maneira muito especial, os namorados, uns invocando-o em preces conscientes e outros mediante imaginativas “simpatias”; veneram-no os pobres, por lhes distribuir o pão de cada dia, “o pão de Santo Antônio” que “continua a ser distribuído, em seu nome, em todas as igrejas franciscanas do mundo.” Um gesto de solidariedade e fraternidade franciscana! Santo Antônio, marcado por seu espírito missionário, nos tempos medievais, tornou-se um “exímio teólogo, peritíssimo exegeta e perfeito frade menor”.

O segundo santo popular, de tão destacado, deu nome ao mês – “mês de São João”. São João Batista é um santo que tem seu nome inscrito nas páginas do Evangelho e dos Atos dos Apóstolos. João Batista é uma figura identificada por sua personalidade e pela consciência que tinha de sua missão, como encontramos nas Escrituras e no cancioneiro católico: “… não sou a luz, mas conheço quem dela veio. Sou somente um religioso. (…) A verdade não sou eu, e também não sou o caminho. Sou apenas uma seta. Sou apenas um profeta.”

O terceiro santo junino, São Pedro, o pescador do mar de Tiberíades, foi elevado por Jesus à condição de “pescador de homens”, pedra sob a qual edificou a sua Igreja. Também por disposição do próprio Jesus, exerceu a primazia sobre o grupo dos apóstolos, na condição de primeiro Papa, primazia que se estende àqueles que o sucederam, ao longo da história, hoje exercida por Bento XVI, em relação ao universo de mais de 4.800 (quatro mil e oitocentos) Bispos católicos, em todo o mundo.

O aspecto cultural, nas mais variadas formas de manifestação em todo o Nordeste, gira, sobretudo, em torno de São João Batista. A versatilidade das comemorações juninas é uma das características dessa manifestação popular, em se tratando de comida, dança, música e traje típico, tanto nos afastados lugarejos, quanto nos turísticos centros onde se realiza o “Maior São João do Mundo” ou o “Melhor São João do Mundo”.

Na dimensão espiritual, estes santos são intercessores nossos, nessa longa travessia que fazemos entre a história e a eternidade, porque também eles trilharam o caminho da santidade, conhecendo atropelos e adversidades. Cada um, com os traços peculiares de sua personalidade, se assemelhou a Jesus Cristo, ao construir, de forma comprometida, a face terrestre do Reino de Deus. As comemorações juninas estão muito distantes desse aspecto distintivo de sua vida, a santidade, que é, precisamente, o ponto a ser imitado por nós.

Dom Genival Saraiva
Bispo de Palmares – PE

Fonte: CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *