Formação

Se calarem a voz dos profetas

comshalom

Maria Clara Lucchetti Bingemer, teóloga, professora e decana do Centro de Teologia e Ciências Humanas da PUC-Rio.

     A profecia hebraica é o elemento que diferencia a religião israelitadas outras religiões contemporâneas. É também aquilo que deu a Israeluma perenidade e uma capacidade de sobrevivência que as outrasreligiões não possuíam.

     Os profetas de Israel pertencem à categoria dos “portadores depalavra”. Entre os povos e religiões vizinhos a Israel são encontradoshomens com atividade semelhante à deles. Mas em Israel os profetas sedistinguem pelo conteúdo de sua mensagem. Lá são considerados a “bocafalante de Deus no mundo”, falam em nome do Único Deus a um povoeleito, com quem esse Deus fez aliança de amor. O profetismo em Israelrepousa, pois, sobre o caráter próprio das relações entre Deus e opovo, tais como foram vividas ao longo da história desse povo.
A partir do século VII, o profetismo bíblico atinge seu apogeu. Deus sedirige a seu povo, ameaçado por imensas catástrofes que se avizinham,uma série de mensageiros que só desejam uma coisa: recolocar o povo nocaminho reto da relação com seu Deus e na proximidade tangível epalpável de sua presença. Não são adivinhos, não predizem o futuro. Comuma sensibilidade refinada e um fogo de amor ardendo no peito, osprofetas clamam para chamar a atenção do povo, a fim de que volte àAliança.
Algumas linhas marcam o discurso de todos os profetas: a defesa dajustiça e do direito em Israel; a atitude crítica diante de práticasreligiosas vazias que não têm correspondência com a vida; um particularinteresse pela história que se torna, graças à intervenção profética,uma palavra de Deus; a espera vigilante das ações divinas querevolucionarão o destino do povo.

     Os profetas não são chefes políticos revolucionários, nem ideólogosde partidos. Trazem, porém, a grande novidade do espiritualismo libertode toda rigidez cultual. Dirigem-se a um povo para falar-lhe em nome deDeus. Não fazem teoria, nem enumeram atributos da divindade, mas têmpor objetivo essencial colocar o povo no reto caminho da presença deDeus. Preparam o povo para a vinda e a epifania do Senhor, que seaproxima e se revelará no mundo, dentro da história.

     Assim foi e fez João Batista, o maior entre os filhos de mulher, deacordo com o Evangelho. Viu que Jesus de Nazaré era a própria presençade Deus no meio da história, na fragilidade da carne. E anunciou, eapontou: “Eis o cordeiro de Deus!” E pela força dessa notícia enfrentoupoderes e reis, perdendo a vida por sua fidelidade e coragem. Assim foiJesus de Nazaré, o maior de todos os profetas, que dá sentido a todaprofecia antes e depois de sua vinda. Mostrou a presença de Deus nahumildade do amor que se aproxima dos últimos desse mundo,trazendo-lhes paz e vida em abundância.
Assim são os profetas de hoje, nossos contemporâneos, que erguem suavoz sem medo para denunciar injustiças e mostrar o caminho daverdadeira vida. Seria longo enumerá-los. São tantos e tantas, sempreluminosos, sempre perseguidos: Dom Helder Câmara, chamado o bispovermelho; Dom Oscar Romero, metralhado em meio à celebração daEucaristia; Jerzi Popielusko, que cometeu a imprudência de enfrentar orígido regime comunista da Polônia; Dietrich Bonhoeffer, que em meio aoterror nazista renovou a Igreja reformada, foi preso e enforcado;Dorothy Day, a apóstola das ruas novaiorkinas presa uma e muitas vezespor sua incômoda militância. E tantos, e tantas…

     A todos e a todas os poderes constituídos perseguiram, mataram sempiedade. Queriam desesperadamente calar sua voz. No entanto, a voz e oensinamento de todos e todas sobrevive, inspirando gerações eiluminando os caminhos da humanidade. Neste Advento, que a figura deJoão Batista e seus companheiros de ambos os sexos nos acompanhem paratermos a força de assumir o compromisso profético a nós dado como graçapelo Batismo.

     Não há que ter medo. Pois o próprio Evangelho diz que, se calarem a voz dos profetas, as pedras gritarão.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *